Duplo contacto – Saf: “Payet é o nosso Messi”

No RMC Sport existe uma seção “Cultura e Esportes” chamada “Dual Contact”. Ao longo do ano, trazemos para você entrevistas intimistas e inusitadas com artistas nos noticiários. Por ocasião do lançamento de seu projeto “Au pied du mur (Parte 1)”, conhecemos Sav. O rapper de Marselha nos conta sobre a agressividade de Matteo Guendouzi, a camisa de Kylian Mbappe e as curvas de fogo no velódromo.

Sua compra proposta terá que esperar. Até pelo menos 2025. Sav queria contratar Kylian Mbappe para o Real Madrid neste verão para levar sua camisa. Mas a estrela de 23 anos finalmente expandiu sua aventura para o Paris Saint-Germain. Para grande desgosto do rapper em Marselha. “Ele é o melhor jogador do mundo. Não gosto de Paris, mas também não sou louco, diz ele. Conheço futebol e assisto. Sua velocidade, estilo e carisma. Ele assusta todo mundo, irmão. Se ele sai do PSG, compro a camisa dele. Não levo ele porque está em Paris, é isso. Tenho a camisa da França de Mbappé. Mas não coloco a camisa em Paris, é impossível (sorriso).”

Influenciado pelos objetivos de Mamadou Niang, o artista da região de Rosiers (norte de Marselha) toca no Marseille Club desde o seu nascimento. Muitas vezes com emoção excessiva. Foi o que nos explicou quando o entrevistamos para o lançamento de seu projeto “Au pied du mur (Parte 1)”, disponível desde o final de março. “Podemos amar os caras às segundas e sextas-feiras, e vamos odiá-los”, explica ele. Nesta temporada, ele era fã de Matteo Guendouzi, emprestado pelo Arsenal: “Ele fede de Marselha! Ele tem o gênio. Gostamos de jogadores que mostram seus sentimentos. Guendouzi, quando algo está errado, levanta as mãos no ar. gostamos muito. “Porque o homem está com fome!”

READ  Para Mbappé, futebol "não está tão avançado" na América do Sul quanto na Europa

“Eu me apaixonei por Jane”

Com 23 anos (como Mbappe e Guendouzi), Saaf aguarda ansiosamente a Copa do Mundo de 2022, que será realizada no final do ano no Catar. Na esperança de recuperar os mesmos sentimentos de quatro anos atrás. Ele declarou “a linha de fundo nas semifinais para os Blues”, fantasiando sobre um sonho final contra os brasileiros Neymar e Vinicius. Com uma vitória por 2 a 1 na prorrogação e um duplo de Mbappé, é claro.

Ligado a Wesley Fofana e Isaac Lihadji (originalmente de Marselha), o jovem jogador também acompanha de perto as artes marciais. Depois de descobrir o boxe através dos vídeos de Muhammad Ali e dos dribles de Floyd Mayweather, ele se apaixonou pelo UFC quando enfrentou uma luta de Jon Jones há alguns anos: “Fiquei de boca aberta e continuei. Isso é o melhor para mim”. Como todos os franceses, ele agora apoia Cyril Jean em sua busca pelas alturas: “Eu me apaixonei por ele porque ele é rápido demais para um peso pesado. Ele tem a técnica e sabe dar os tiros”.

>> Conheça todas as entrevistas ‘Dual Connection’ clicando aqui

You May Also Like

About the Author: Winona Wheatly

"Analista. Criador. Fanático por zumbis. Viciado em viagens ávido. Especialista em cultura pop. Fã de álcool."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *