Esses sites de informações são, na verdade, escritos por inteligência artificial

Esses sites de informações são, na verdade, escritos por inteligência artificial

Publicado em 1º de dezembro de 2023 às 13h43

Na visualização do site estão seus antecedentes, seus centros de interesse, suas fotos…. Eles têm estilo próprio e abordam temas específicos. Karen Graffy, Vianney Garrett e Nina Gavitier têm nomes, mas não são reais: são jornalistas robôs criados do zero.

Alguns sites construídos inteiramente por inteligência artificial (IA) estão começando a aparecer. Claro que neste momento as iniciativas ainda são limitadas, mas há quem tente criar um nicho, tentar uma nova forma de criar conteúdos, exigindo-o claramente… ou não.

Revista nas bancas

É por exemplo o caso da revista (papel e web) “LHC -Les Heures Claires”, que se apresenta como a primeira revista francesa gerada 99% por inteligência artificial, e que foi lançada há poucas semanas. Assim como o meio clássico, inclui notícias, entrevistas (com perguntas feitas pelo bot) e páginas dedicadas à moda ou horóscopos. Administrador Remy Roustan, ex-fotógrafo. “Sempre fico muito surpreso com o que o ChatGPT tem a oferecer”, admite. A revista, patrocinada pela Easy Partner, uma empresa de recrutamento digital, está programada para chegar às bancas mensalmente na primavera. “Meu objetivo é a comunidade curiosa e amante da tecnologia”, explica Remy Roustan, que espera atingir 20.000 vendas. Se o objectivo parece demasiado ambicioso, o projecto apresentado no Fórum AIM (em Marselha) em Novembro suscitou, de qualquer forma, muito interesse.

Outros exemplos: Tech Generation e Kitchen Generation, lançadas na primavera pelo consultor de inovação da Viseo, Ari Coates. Ele vinculou o site de tecnologia a diversas revistas especializadas no setor (TechCrunch, etc.). Assim, cada “jornalista” fictício (com seu estilo) pega artigos de jornal sobre temas atuais (a crise na OpenAI, as declarações de Musk, etc.) e os reescreve citando a fonte, e isso sem qualquer intervenção humana. No final, existem algumas inconsistências e algumas bobagens, mas são artigos que lembram alguns posts de blog. Na cozinha, os “chefs” imaginam diversas receitas, “muitas das quais são aceitáveis ​​e até boas, mesmo que os tempos de cozedura sejam aproximados”, afirma Ari Coates. Foi como uma experiência, pois o consultor – cujos pais são jornalistas – lançou este “meio de comunicação”, sem qualquer vontade de rentabilizá-lo. “Também serve como um lembrete do valor da análise e da investigação jornalística que os robôs não podem fazer”, afirma.

READ  Le Récif Collective Group lança campanha de crowdfunding para seu novo projeto

Ambos os sites ainda têm uma audiência pequena (cerca de 3.000 visitas por mês) e aparecem ocasionalmente no Google Notícias! Mesmo que a probabilidade seja baixa, neste caso por se tratar de uma experiência algo semelhante a um jogo, “fontes primárias podem impedir este tipo de prática, invocando o parasitismo, ou seja, apropriando-se do valor de um item”, diz Julian. Ginot-Delery, advogado da Jade.

Preocupações profissionais

Se é claro que estes poucos exemplos utilizam tecnologia de ponta, também existem sites e artigos criados por inteligência artificial, mas a forma como são produzidos tem sido silenciosamente ignorada. “Num grupo de trabalho do Comité Misto de Publicações e Agências de Imprensa, foram levantadas preocupações sobre a presença de sites contendo um forte elemento de inteligência artificial”, afirma um especialista. “Todos temos este risco em mente”, afirma Pierre Petillo, diretor da Public Media Journalism Alliance.

Além disso, num estudo recente, a Newsguard identificou um grupo de sites contendo artigos reescritos usando IA (quase 600 no final de Novembro!), sem supervisão humana. Em muitos casos, eles aproveitam a publicidade programática

Destaque na Sports Illustrated.

Recentemente, nos Estados Unidos, o famoso “Sport Illustrated” ou “TheStreet” (grupo Arena) foi destacado por um grupo de pessoas. Investigação da mídia “Al-Mustaqbala” . Os artigos foram supostamente escritos pela IA, e perfis de imprensa falsos foram criados do zero (com fotos compradas em um site que exibia fotos da IA), irritando os jornalistas. O grupo de comunicação social defendeu-se, indicando que tinha adquirido determinados jornais a uma agência.

You May Also Like

About the Author: Genevieve Goodman

"Criador. Fã de café. Amante da Internet. Organizador. Geek da cultura pop. Fã de TV. Orgulhoso por comer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *