Flórida realiza referendo sobre aborto em novembro

Flórida realiza referendo sobre aborto em novembro

Poderia o referendo sobre o aborto na Flórida, em 5 de novembro, ter impacto no resultado das eleições presidenciais naquele estado? Surge a seguinte questão decisões Foi emitido esta segunda-feira pelo Supremo Tribunal de Sunshine State. Inicialmente, o tribunal aprovou uma lei que proíbe o aborto após 15 semanas de gravidez. A decisão, que anula décadas de precedentes sobre direitos de privacidade na Flórida, abre caminho para uma lei mais rigorosa que proíbe o aborto no estado após seis semanas de gravidez, a partir de 1º de maio.

Contudo, numa segunda etapa, o Supremo Tribunal da Florida deu luz verde a um referendo que irá propor aos eleitores do estado em Novembro que o direito ao aborto seja consagrado na Constituição da Florida até que o feto permaneça vivo, ou seja, entre o 22º dia. A vigésima quinta semana de gravidez. Seria necessária uma maioria de 60% dos eleitores para alcançar esta mudança constitucional.

Ele acrescentou: “Esta medida poderia dar um impulso aos democratas nas urnas num estado que assistia a uma intensa competição nas eleições presidenciais”. análise Imprensa associada. “Embora muitos eleitores não estejam entusiasmados com outro confronto entre o ex-presidente Donald Trump e o presidente Joe Biden, isso pode encorajar mais defensores do direito ao aborto a votar. Trump venceu a Florida há quatro anos. »

A lei que proíbe o aborto após seis semanas de gravidez entrará em vigor em 1º de maio, 30 dias depois que a Suprema Corte da Flórida decidiu manter a lei que proíbe o aborto após 15 semanas. Lembre-se, Donald Trump chamou de “terrível” a lei mais dura de Ron DeSantis, que se aplica num momento da gravidez em que muitas mulheres ainda não sabem que estão grávidas.

READ  A tempestade tropical Fred terá efeitos até Quebec

A Flórida foi um dos doze estados dos EUA que tentaram realizar referendos sobre o aborto em novembro. Uma coligação apartidária recolheu mais de 1,5 milhões de assinaturas para que isso acontecesse.

Depois de 1º de maio, a Virgínia se tornará o único estado do sul que permite o aborto após os primeiros três meses de gravidez.

(Foto AFP/Imagens Getty)


You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *