Fluoroscopia | “Falta de confiança” no Eliseu

Fluoroscopia |  “Falta de confiança” no Eliseu

Um novo livro decifra o boato falso mais louco da França: a primeira-dama, Brigitte Macron, é na verdade um homem…




nome : Brigitte Macron, nascida Trogneux (a menos que seja Jean-Michel?)

idade : 70 anos

trabalho : A primeira-dama da França (bem, isso é discutível…)

Palavras-chave : Conspiração, crossover, mentiras, investigação

Por que estamos falando sobre isso?

Há dois anos que a primeira-dama de França é alvo dos rumores mais malucos. Diz-se que a esposa do presidente Emmanuel Macron, Brigitte Macron, cujo nome de solteira é Tronio, é na verdade um homem; E que seu nome verdadeiro é Jean-Michel; E que ela será o pai, e não a mãe, dos seus filhos… Esta tese nasceu secretamente no final de 2021 no canal de um mediador no YouTube, antes de se espalhar nas redes sociais e ser partilhada milhares de vezes, o ponto de existência. A mídia internacional percebe e obriga a principal pessoa em questão a se manifestar… e depois apresentar uma queixa. Se estamos a falar disso é 1) porque o Presidente da República falou pela primeira vez sobre este assunto recentemente com estas palavras: “Ainda temos algumas bobagens”. E 2) porque ele é um jornalista muito sério da revista Ops Acabei de publicar um livro investigativo sobre esta incrível 'raposa': Sra. caso.

Por que estar interessado?

Existem milhares de histórias como esta circulando na Internet. Mas Emmanuelle Anizon, autora de Sra. caso, Eu achei isto Notícias falsas Foi “excepcional o suficiente” para merecer uma pequena investigação. Assim, a jornalista estava interessada na pessoa que está na origem desta loucura – Natasha Rhee, 53 anos – e nos seus esforços para “lançar luz sobre a verdade” e nas múltiplas correias transportadoras que permitiram que este boato se espalhasse. enxame. Essa imersão no país da “conspiração” permitiu-lhe compreender como pessoas aparentemente sãs podiam chegar a desenvolver teses tão absurdas ao ponto da obsessão. O jornalista explica que esta abordagem é “a nível humano, tão livre de preconceitos quanto possível”. “Há quem diga: não devemos dar voz a essas pessoas. Mas para mim, jornalisticamente, não falar de algo tão importante foi um problema para mim. »

Foto de Julian De Rosa, arquivo da Agence France-Presse

Brigitte Macron

“Destemido e ousado”…

Dizemos “conspiração”, mas é uma palavra que um jornalista não gosta de usar. Ela prefere o termo “desafio”, que considera “menos crítico e menos arrogante”. Não confiar em quem? Desconfiança de quê? As elites incompetentes, as instituições, os políticos e os jornalistas que engolem tudo o que lhes é dito, a desigualdade, a falta de justiça, os escândalos financeiros e sexuais, por vezes com uma pitada de paranóia, agravados pela pandemia e pelas possibilidades ilimitadas de pesquisas na Internet. Ao explorar estas redes paralelas, o jornalista notou sobretudo a espantosa diversidade destas pessoas, que não podem ser reduzidas à caricatura desenhada por alguns dos “estúpidos eleitores da extrema-direita”. O caso de Brigitte Macron foi certamente retomado pelos “fascistas” em França, mas não só. “O desafio envolve muita gente”, insiste MEU ANIZONA.

…para “Brigittólogos”

A tese de Natasha Ray favoreceu o nascimento de um determinado grupo de concorrentes: os “Brigitologistas”. Não ria, isso é sério. Quando souberam da busca de M pela verdadeEU Ray, pessoas de toda a França ofereceram-se para ajudá-lo na busca de documentos de arquivo, certidões de nascimento, certidões de óbito e visitas a cemitérios de Amiens, Arras e especialmente Le Touquet, de onde Brigitte Macron é natural. Esses indivíduos, descritos como “Brigitologistas”, passaram meses trabalhando nessa história. A tese original desenvolveu-se, formaram-se capelas, novas teorias nasceram e colidiram, provocando divisões e cisões dentro do grupo, “como acontece com todos os especialistas”, nota M.EU Anizun chegou a mencionar o “ódio intenso” entre as diferentes facções. delírio.

É melhor ser transparente

Em defesa dos “estudiosos Brigitte”, o mistério que rodeia o passado de Brigitte Macron só pode levantar suspeitas. Na verdade, não sabemos praticamente nada sobre a juventude desta ex-professora de teatro, que teve três filhos com outro homem antes de se apaixonar por um dos seus jovens alunos, que era menor de idade na altura do seu encontro: Emmanuel Macron. Os traumas associados a esta história extraordinariamente íntima explicam, sem dúvida, o completo silêncio da família Trogneux e até o apagamento da Sra.EU Macron, que foi considerado pelos “Unidos” como mentiras organizadas pelo Estado Profundo. “Ao contrário de Michelle Obama, que sofreu os mesmos rumores e optou claramente por ser transparente, deixar a família falar e mostrar os álbuns de família, Brigitte Trogneux já fechou o seu passado”, observa M.EU ANIZONA. Esta “falta de transparência”, na sua opinião, tem contribuído para “alimentar as teorias mais malucas”.

Gênero reverso de elite

Michelle Obama? Sim. Para quem não sabe, a ex-primeira-dama dos Estados Unidos também foi alvo dos mesmos rumores, e o seu corpo atlético era necessariamente a prova de tudo. E ela não é a única. A esposa do primeiro-ministro espanhol Pedro Sanchez, Begonia Gomez, bem como a ex-primeira-ministra da Nova Zelândia Jacinda Arden, foram vítimas das mesmas informações falsas. Esta teoria da conspiração é chamada em inglês de “ Gênero reverso de elite “, afirma que pessoas poderosas mudam de gênero, porque é “um pré-requisito para se tornarem ricos e famosos”, segundo DesignDoc. Acrescenta M.EU ANIZONA. Sem usar a palavra fobia, existe a ideia de medo de perder valores e padrões diante da assustadora globalização. »

o zumbido Exausta ?

mentir ? Depois da verdade? Notícias falsas ? Não importa como as chamemos, algumas notícias falsas são mais persistentes que outras. Na França, os rumores em torno de Brigitte Macron ainda não diminuíram, enquanto dois julgamentos estão agendados para 2025. M. conclui:EU ANIZONA. Os rumores também ressurgiram nos EUA, graças à blogueira americana Candace Owens, cujo vídeo foi visto mais de um milhão de vezes no YouTube. Você não pode parar o progresso…

READ  EUA: Sem elevar o teto da dívida, risco de inadimplência

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *