Golfo de Áden | Washington alerta sobre riscos ambientais após ataque Houthis a um navio de carga

Golfo de Áden |  Washington alerta sobre riscos ambientais após ataque Houthis a um navio de carga

(Washington) – Um navio de carga foi danificado num ataque dos rebeldes Houthi do Iémen que provocou um enorme derrame de petróleo no Golfo de Áden, alertou Washington na sexta-feira, alertando para o risco de um grave desastre ambiental.


O Rubimare, um navio de carga com bandeira de Belize e registo no Reino Unido, operado pelo Líbano, transportava fertilizante combustível quando foi alvo de um ataque com mísseis no domingo, pelo qual os rebeldes Houthi apoiados pelo Irão assumiram a responsabilidade.

A sua tripulação foi evacuada para o Djibuti, mas o primeiro míssil atingiu o costado do navio, fazendo com que a água entrasse na casa das máquinas e desabasse a popa, disse o grupo da Frota Azul que o dirige.

Roy Khoury, CEO da Frota Azul, disse à AFP que um segundo míssil atingiu a ponte sem causar grandes danos.

O Comando Central dos EUA disse na sexta-feira que o navio abandonado estava ancorado, mas estava lentamente entrando na água e já havia deixado uma mancha de óleo com cerca de 29 quilômetros de extensão.

O Comando dos EUA no Médio Oriente (Centcom) disse numa mensagem na rede social: “O navio M/V Rubymar transportava mais de 41.000 toneladas de fertilizante quando foi atacado, o que pode vazar para o Mar Vermelho e agravar esta situação. desastre ambiental.”

A operadora disse na quinta-feira que o navio poderia ser rebocado para Djibouti esta semana.

Segundo Khoury, o navio ainda estava flutuando naquele momento. O CEO compartilhou uma foto tirada na quarta-feira mostrando a popa do barco ao nível da água.

Em resposta a uma pergunta sobre a possibilidade de o navio afundar, Khoury disse que “não há perigo no momento”, mas há “sempre uma possibilidade”.

READ  Nova York envia a Guarda Nacional para o metrô após uma série de ataques

O ataque ao Rubimar causou os danos mais extensos a um navio comercial desde que os Houthis iniciaram os seus ataques em Novembro em solidariedade com os palestinianos na Faixa de Gaza.

A Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) alertou no final de Janeiro que o volume de tráfego comercial que passa pelo Canal de Suez caiu mais de 40% nos dois meses anteriores.

Antes do conflito, entre 12 e 15% do tráfego global passava por este eixo, segundo a União Europeia.

A partir de agora, grande parte do tráfego marítimo entre o Sul da Ásia e a Europa evita o Canal de Suez e circunavega África através do Cabo da Boa Esperança, prolongando a viagem em cerca de duas semanas.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *