“História Francesa” da Migração para o Norte da África na TV

“História Francesa” da Migração para o Norte da África na TV

Este ano, há 60 anos, passou o trio Zidane em 1998 e no dia 11 de setembro o documento “L’Arab in the post”, previsto para as 21h25 no TMC, regressará à página original do jornal francês da televisão.

O autor do livro, Ezz El-Din Ahmed Al-Shawish, jornalista conhecido do público graças ao programa “Qutidien”, disse à Agence France-Presse: “Este questionamento da imagem e da aparência conta parte da história do Norte de África. migração para França.”

“É uma história francesa e são os seus participantes que a contam”, continua esta quadra.

Ele e o diretor Youssef Khamani são de origem argelina e todas as testemunhas vêm do Norte da África.

Ramzi Badia no Festival de Cinema de Veneza, 31 de agosto de 2023/AFP/Arquivos

Entre eles estão conhecidos o comediante Ramzi Badia e os pioneiros na representação de pessoas de origem norte-africana, o ex-ministro da Justiça Rachida Dati e a personalidade televisiva Rachid Arhab.

Outros são empresários, cardiologistas ou mães.

Os seus testemunhos misturam-se com imagens televisivas de arquivo, à medida que a representação desta população se desenvolve de forma “sinusoidal”, segundo Izz al-Din Ahmed al-Shawish.

– “O árabe médio” –

“Nos anos cinquenta e sessenta, o imigrante era um trabalhador envolvido na reconstrução da França. Depois veio a crise, o desemprego, e o ladrão tornou-se, com repetidos insultos coloniais extremamente racistas, ‘Bougnol, Picot’”, conta um jornalista.

Zinedine Zidane (c) ao lado do Troféu FIFA, 12 de julho de 1998, no Stade de France, em Saint-Denis, após a final da Copa do Mundo de 1998, vencida pela França contra o Brasil / AFP/Arquivos

“Depois houve a década de 1990, o surgimento de comediantes e cantores, a Copa do Mundo e o sucesso da música Rai, antes do revés” dos atentados de 11 de setembro de 2001, continua.

READ  Lin Chi: Chinese billionaire and founder of Yoozoo dies after being suspected of being poisoned

“O melhor período para os árabes na França foi 1998-2001: da Copa do Mundo até os ataques aéreos de 11 de setembro”, resume Ramzi no documentário.

Entre estas representações extremistas, o Sr. Ahmed Al-Shawish lamenta a ausência de uma “imagem unificada”, ainda hoje.

“Temos a sensação de que o árabe é ou o herói que ganha a Copa do Mundo, ou o artista, ou o delinquente ou o islâmico, e que no meio não existe realmente o árabe médio, bem, o vegetariano, o árabe do mundo.” “Grandes bares, finalmente franceses, claro!”, explica o jornalista.

Manifestantes, incluindo trabalhadores migrantes e seus filhos, participam de uma marcha de Marselha a Paris contra o racismo, em 20 de novembro de 1983, em Estrasburgo, liderada por jovens que se descrevem como “beurs”, ou árabes de segunda geração nascidos na França / AFP / Arquivo

Este programa de tom comprometido, produzido por Banjomi, assim como Quotidien, é transmitido por ocasião do 40º aniversário da “Marcha pela Igualdade e Anti-Racismo”, conhecida como “Marcha dos Puros” (em árabe em Verlan) .

Segundo a autora, ela não quer ser “nem vítima nem anjo”.

– “Pequeno bastardo!” –

A maioria das testemunhas fala de maneira íntima.

Rachid Arhab relembra uma entrevista televisiva de 1999, na qual o comediante Jamel Debbouze fez piadas loucas sobre seu sobrenome.

Após a transmissão ao vivo, “eu disse a ele: ‘Idiota!’, porque ele me incomodava muito. Ele estava destruindo tudo que eu havia tentado construir, que era ser um pouco igual aos outros”, lembra um jornalista.

Rashida Dati conta que um dia sua filha Zahra lhe perguntou: “Mãe, somos árabes?”, e ela admite que não sabe o que responder/AFP/Arquivos

Rachida Dati conta que um dia sua filha Zahra lhe perguntou: “Mãe, somos árabes?” Ela admite que não sabia o que responder.

READ  No Brasil, Carolina Maria de Jesus, a pena encontrada nas favelas

Mesmo que Izz al-Din Ahmed al-Shawish quisesse que a palavra “árabes” aparecesse no título, ele reconhece que é “incompleto” porque é globalizado, inclusive em relação a grupos étnicos que são, no entanto, distintos, como a região da Cabília.

“Mas não há nada melhor”, continua ele, “porque é uma verdade francesa: dizem-nos que somos árabes”. “Vamos tentar mudar essa palavra. Gostaria que saíssemos do documentário e disséssemos que a palavra árabe é incrível.”

Admite que alguns “atores famosos” se recusaram a testemunhar: “É mais difícil, têm medo de se isolar”. Além disso, o desporto foi deliberadamente deixado de lado porque as pessoas oriundas da imigração estão sobre-representadas neste país.

Ahmed Al-Shawish salienta que “mesmo que as coisas melhorem, as personalidades de origem norte-africana podem ser contadas nos dedos de uma mão na política ou na televisão”. “Sonho com uma França onde a produção deste documentário não seja mais necessária.”

You May Also Like

About the Author: Echo Tenny

"Evangelista zumbi. Pensador. Criador ávido. Fanático pela internet premiado. Fanático incurável pela web."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *