Jeff, mova-me! Pinturas de mísseis do capitão Star Trek Bezos

Quando Star Trek foi ao ar pela primeira vez em 1966, os americanos ainda não haviam caminhado na lua, e a ideia de que os humanos poderiam viver e trabalhar no espaço ainda estava muito longe.

• Leia também: O famoso capitão Kirk de Star Trek irá para o espaço, William Shatner

Na quarta-feira, William Shatner, que interpretou o icônico Capitão Kirk na icônica série, será o primeiro ator do elenco a fazer uma verdadeira jornada à “fronteira do infinito”.

Ele irá, junto com três outros passageiros do West Texas, a bordo de um foguete Blue Origin em um vôo suborbital que será o segundo vôo tripulado da empresa do bilionário Jeff Bezos.

Um evento que vai deliciar os fãs deste fenômeno da cultura popular, que inspirou gerações de astronautas.

A decolagem, provisoriamente marcada para terça-feira, 12 de outubro, foi adiada em um dia devido ao clima.

“Pretendo manter meu nariz colado à janela. Tudo que não quero ver é Gremlin olhando para mim do outro lado”, brincou o ator canadense em um vídeo postado pela Blue Origin.

Aos 90 anos, ele se tornará a pessoa mais velha a chegar ao espaço.

A decisão da Blue Origin de convidar um dos mais notórios viajantes espaciais de ficção científica não é inocente: deve ajudar a preservar o interesse público na corrida entre as muitas empresas privadas do setor.

Em julho, o bilionário britânico Richard Branson voou a bordo da Virgin Galactic, poucos dias antes de Jeff Bezos, no primeiro vôo tripulado de um míssil New Shepard – a mesma coisa que iniciará William Shatner.

Por sua vez, a SpaceX enviou quatro turistas espaciais para três dias em órbita terrestre em setembro, missão que foi tema da série Netflix.

READ  Restrições eleitorais: Departamento de Justiça processa Geórgia

“Associar uma celebridade como William Shatner ao espaço traz uma espécie de renascimento e cria interesse na mídia”, disse à AFP Joe Chapowski, especialista em relações públicas da Universidade da Carolina do Norte.

A série Star Trek original foi descontinuada após três temporadas, mas sequências e mais de uma dúzia de filmes depois alimentaram o fenômeno.

O capitão Kirk estava no comando de uma missão de cinco anos “para explorar novos mundos estranhos, descobrir novas vidas e outras civilizações”.

Sua verdadeira viagem ao espaço seria muito mais curta: cerca de dez minutos no total, dos quais quatro minutos seriam em gravidade zero. A espaçonave viaja diretamente acima da Linha Karman, que marca a fronteira do espaço a uma altitude de 100 km, de acordo com o acordo internacional.

A série Star Trek voltou a atenção da América para a conquista do espaço, então em sua infância, ao mesmo tempo em que abordava questões sociais.

O elenco era muito diversificado, quando a América estava no meio do movimento pelos direitos civis. Em 1968, quando William Shatner e a atriz afro-americana Nichelle Nichols se beijaram, esse foi o primeiro beijo entre uma pessoa branca e uma pessoa de cor na televisão americana.

A série também está intimamente associada ao programa espacial dos EUA.

O primeiro ônibus espacial da NASA foi batizado de “Enterprise”, em homenagem à espaçonave pilotada pelo Capitão Kirk. Na década de 1970, Nichelle Nichols fez um vídeo para ajudar a NASA a recrutar astronautas, especialmente mulheres e minorias. Outros atores participaram de conferências da USAID ou forneceram suas vozes para documentários.

“Por 50 anos, Star Trek inspirou gerações de cientistas, engenheiros e até astronautas”, disse o astronauta americano Victor Glover em 2016, em um documentário examinando paralelos entre as pesquisas conduzidas na série e as conduzidas hoje a bordo do espaço internacional.

READ  Milhares de pessoas marcham pelo clima em Montreal

Outro famoso fã de Star Trek? O próprio Jeff Bezos. Por exemplo, ele explicou como Alexa, a assistente de voz da Amazon, se inspirou no computador de Star Trek.

O bilionário até apareceu, irreconhecível sob a maquiagem espacial, em um dos filmes: “Star Trek Without Limit” (2016).

A fama de William Shatner, além de suas piadas – ele disse em uma entrevista à CNN que o foguete New Shepard, muitas vezes ridicularizado por sua aparência fálica, é “inoculado com o programa espacial” – também é uma diversão bem-vinda para a Blue Origin.

Alguns funcionários – antigos e atuais – acusam a empresa de manter um ambiente de trabalho “tóxico”, onde a discriminação de gênero é onipresente. Em texto postado online no final de setembro, esses funcionários denunciaram a falta de pessoal e recursos e a intensa pressão para reduzir custos e atrasos, afetando a segurança dos voos.

A Blue Origin negou essas acusações.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *