Jiu-Jitsu brasileiro: Pierre Manzo, natural dos Vosges que brilha internacionalmente

Jiu-Jitsu brasileiro: Pierre Manzo, natural dos Vosges que brilha internacionalmente

9 de novembro de 2023 Escrito por Adel Saud

Pierre Manzo ficou recentemente em terceiro lugar nos Jogos Mundiais de Combate em Riad, na Arábia Saudita.

© Pierre Manzo

Seja no grappling ou no Jiu-Jitsu Brasileiro, Pierre Manzo é presença constante no pódio e detém inúmeros títulos internacionais em seu currículo. Membro da Seleção Francesa de Grappling, Spinalien também criou sua própria academia em Epinal, Family Jiu Jitsu. Conheça o vencedor que nunca desiste.

Pierre, você pode nos explicar em poucas palavras qual é o seu sistema?

“Começamos com uma postura como a luta livre ou o judô, por exemplo. O objetivo é levar o adversário ao chão para marcar pontos. Caso contrário, também podemos vencer a partida por finalização (travamento de articulações ou estrangulamentos).”

– 2023 é um ano agitado para você e ainda não acabou!

“Sim, fiquei em terceiro lugar no GI e NOGI no UWW European Championships em março, e também fui vice-campeão mundial da UWW no GI e recentemente, fiquei em terceiro lugar nos Jogos Mundiais, os Jogos Mundiais de Combate em Riad, na Arábia Saudita. A Arábia é uma grande competição que reúne 16 esportes (judô, caratê, etc.). Neste fim de semana irei ao Open Internacional da IBJJF em Genebra para tentar somar pontos para me classificar para o Campeonato Mundial Nogi IBJJF em Las Vegas que será será realizado de 7 a 10 de dezembro e o Campeonato Europeu GI IBJJF em janeiro próximo.

– Conte-nos sobre sua jornada para chegar até aqui?

“Comecei na ginástica e sempre fui atraído pelos esportes de combate. Jean-Claude Van Damme e Jackie Chan foram minha juventude. Então, experimentei o Muay Thai por alguns meses e rapidamente mudei para o boxe americano depois de mais de 10 anos de treinamento. fui para os EUA buscar a faixa-preta Em 2012, participei do primeiro campeonato mundial de Kenpo (MMA), que venci na minha categoria, e ao mesmo tempo comecei a me especializar na luta de chão com o Jiu-Jitsu brasileiro. Lá conheci meu professor de chão, o brasileiro-americano Robert Drysdale. Ele me deu a faixa preta em Las Vegas em 2019. Hoje o objetivo é me tornar conhecido internacionalmente. Conseguindo grandes performances eu chegarei lá. Quando eu embarcar em um projeto , como na vida, procuro sempre ser um dos melhores. Mesmo que seja muito caro Quando é com a seleção francesa, você não precisa se preocupar, estou cuidado. Mas como faço em outros circuitos, a temporada custa-me cerca de 15 mil euros. Aproveito para fazer um rápido apelo às potenciais empresas que queiram patrocinar um atleta e um regimento francês. Existem várias soluções para me ajudar “sobretudo através da associação”.

READ  Cultura esportiva. Coluna de Jean-Pierre Frankenhaus: “Vamos, crianças!”

Uma palavra rápida sobre sua academia, Família Jiu-Jitsu.

“Foi inaugurado em 2020 depois da Covid e hoje tem cerca de sessenta adultos e cerca de quinze crianças. Treinamos todos os dias, todos podem participar, sejam iniciantes ou experientes e em qualquer idade. Todo mundo vem com objetivos diferentes, pode ser recuperar a autoconfiança ou perder peso, e também tenho recebido excelentes feedbacks sobre isso de algumas pessoas que tiveram bons resultados. Chamei-os de “Família Jiu-Jitsu” porque o termo família significa muito para mim e simboliza bem a academia.

You May Also Like

About the Author: Winona Wheatly

"Analista. Criador. Fanático por zumbis. Viciado em viagens ávido. Especialista em cultura pop. Fã de álcool."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *