Macron disse que a França “poderia ter impedido o genocídio” no Ruanda

Macron disse que a França “poderia ter impedido o genocídio” no Ruanda

Depois de reconhecer em 2021 as “responsabilidades” da França no genocídio ruandês de 1994, Emmanuel Macron deu mais um passo no 30º aniversário, estimando que Paris “poderia ter impedido” os massacres, mas “não tinha capacidade para o fazer”. vai.”

• Leia também: Ruanda: 30 anos depois, as exumações de vítimas do genocídio continuam intermináveis

O Presidente francês, que foi convidado pelo seu homólogo ruandês, Paul Kagame, para assistir à cerimónia de comemoração no domingo, não irá ao local e será representado pelo seu ministro dos Negócios Estrangeiros, Stephane Ségournet, e pelo ministro de Estado dos Assuntos Marítimos, nascido no Ruanda. , Hervé Bervil.

Mas o Eliseu anunciou na quinta-feira que falaria no domingo “através de um vídeo que publicará nas redes sociais”, cujo conteúdo foi parcialmente revelado.

“O Chefe de Estado recordará em particular que quando começou a fase de extermínio total contra os Tutsis, a comunidade internacional tinha os meios para conhecer e agir, através do seu conhecimento dos genocídios que nos foram revelados pelos sobreviventes do Holocausto Arménio, e aquela França, que poderia ter impedido o genocídio. Com os seus aliados ocidentais e africanos, não tinha vontade.”

Em maio de 2021, a viagem do Presidente francês a Kigali e as suas palavras ali levaram a uma reaproximação com Paul Kagame, que nunca deixou de questionar a França. A questão do papel francês antes, durante e depois do genocídio tem sido um tema quente há anos, levando mesmo ao colapso das relações diplomáticas entre Paris e Kigali entre 2006 e 2009.

No memorial na capital ruandesa, Emmanuel Macron disse que passou a “reconhecer” as responsabilidades da França no genocídio, que deixou pelo menos 800 mil mortos, a maioria deles da minoria tutsi, entre abril e julho de 1994.

READ  Motorista é acusado de atear fogo em ônibus com crianças a bordo

Ele acrescentou: “Embora as autoridades francesas tenham tido a clareza e a coragem de descrever o que aconteceu como genocídio, a França não conseguiu alcançar as consequências apropriadas”. Ele acrescentou: “Todos nós deixamos centenas de milhares de vítimas diante desta porta infernal fechada”.

“Um país admite seus erros”

Ele explicou que Paris “não foi cúmplice” dos perpetradores do genocídio Hutu e não se desculpou, ao mesmo tempo que disse esperar o perdão dos sobreviventes.

Um relatório de historiadores publicado pouco antes sob a supervisão de Vincent Ducleert concluiu que a França tinha “responsabilidades pesadas e esmagadoras” e que o presidente socialista da altura, François Mitterrand, e a sua comitiva eram “cegos” face ao racismo. E a tendência para o genocídio do governo Hutu que Paris apoiava na altura.

Paul Kagame elogiou o discurso presidencial de 2021 e falou da “tremenda coragem” demonstrada pelo seu “amigo” Emmanuel Macron.

Marcel Kabanda, presidente da Época França, a principal organização de memória, justiça e apoio aos sobreviventes do genocídio, disse que a carta divulgada na quinta-feira “vai além do relatório Ducleert e da declaração que ele fez em Kigali”. “Estou feliz porque dá à França esta imagem positiva de um país que reconhece os seus erros e cresce reconhecendo a sua história”, disse à AFP.

“É sem dúvida um passo em frente”, respondeu Vincent Ducleert, que vê nisso “um reconhecimento muito forte” de “todos os erros” que a França “cometeu desde o início da década de 1990 no Ruanda”.

Ele acrescentou à France Inter: “Sentimos que a França poderia estar um pouco atrasada neste trigésimo aniversário e aí, Senhor Presidente, a França já está voltando à vanguarda”.

Por seu lado, a Associação Survie, que está fortemente envolvida na questão, pediu à França que fosse mais longe, “reconhecendo oficialmente” a “cumplicidade no genocídio”.

READ  Árvore natural ou artificial: qual é melhor?

Segundo o Eliseu, o Chefe de Estado confirmará, no domingo, o apoio da França ao Ruanda e ao povo ruandês em memória dos milhões de crianças, mulheres e homens que foram martirizados porque nasceram tutsis. Reafirmará a importância do dever de memória, bem como a importância de desenvolver e difundir conhecimentos de referência, especialmente através da educação das gerações mais jovens em França.

Em 2010, Nicolas Sarkozy, então presidente de França, já tinha admitido em Kigali que tinha havido “erros graves” e “uma forma de cegueira” por parte das autoridades francesas, o que teve consequências “muito trágicas”.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *