Na Amazônia, a colheita da castanha-do-pará sustenta as populações e preserva a floresta

Na Amazônia, a colheita da castanha-do-pará sustenta as populações e preserva a floresta

Um barulho surdo ecoa pela selva. Golpes repetidos, precisos e ininterruptos quebram a tranquilidade deste recanto da Amazônia, localizado às margens do rio Iratapuru, no estado brasileiro do Amapá. Mas não é nem o barulho dos pássaros, nem o barulho de um galho caindo no chão. O autor deste estranho eco é um tipo de habitante muito antigo e particular da grande floresta: o castanheiro. Em francês, o “coletor de nozes”

Aos 26 anos, Mailson Farias dos Santos passou metade da vida vasculhando esse labirinto de plantas em busca de sementes preciosas. Com uma cesta nas costas e grandes botas nos pés, ele sai pelos caminhos da floresta tropical. Aos poucos, o chão é coberto por um tapete de pequenas flores brancas e conchas marrons. De repente, um tronco enorme, com várias dezenas de metros de altura, surge entre os arbustos. “É isso, aqui estão as nogueiras!” »exclama Mailson.

Sem esperar, o castanheiro apodera-se de um instrumento de sua autoria, o mudar: um pedaço de madeira, cuja extremidade é dividida em quatro para agarrar as amêijoas (chamadas “ouriços”: ouriços-do-mar, em francês) e coloque-os na cesta. Sentado no chão, armado com uma enxada afiada, o coletor trabalha então quebrando-as uma a uma para extrair as nozes. Mailson diz que pode abrir alguns “800 por dia”. Tudo sem cortar um único nó do dedo.

A atividade pode parecer artesanal, senão rústica. No entanto, mobiliza quase todas as famílias do Iratapuru, afluente do grande Rio Jari, que corre não muito longe da Guiana Francesa. Este último chegou a fundar uma empresa, a Cooperativa mista dos produtores e extrativistas do rio Iratapuru, a Comaru, que ao longo dos anos se tornou uma instituição referência na preservação da natureza e das culturas tradicionais.

READ  Brasil | Uma árvore de Natal simbolizando a esperança em um aterro sanitário
Mailson Farias dos Santos e sua família em frente à sua casa, em São Francisco de Iratapuru, no estado do Amapá (Brasil), 31 de janeiro de 2024.
A comunidade de São Francisco de Iratapuru, às margens do Rio Iratapuru, no estado do Amapá (Brasil), 31 de janeiro de 2024. A comunidade de São Francisco de Iratapuru, às margens do Rio Iratapuru, no estado do Amapá (Brasil), 31 de janeiro de 2024.

Todos os anos, por volta de março, Mailson e sua equipe vão para o castanhalseu pedaço de nogueiras na selva. “O nosso não é muito longe, apenas um ou dois dias de canoa. Alguns castanhal estão localizados a uma ou até duas semanas de barco! », diz o jovem. Para acessá-lo às vezes é preciso puxar o barco por cordas pelas cachoeiras, “até descarregar toda a carga e carregá-la pela floresta”.

Leia também | Artigo reservado para nossos assinantes Entre Emmanuel Macron e Lula, os limites do diálogo entre a França e um pilar do Sul Global

Chegando lá, famílias isoladas do mundo montam acampamento e quebram “ouriços do mar” do nascer ao pôr do sol durante semanas. “Temos que trazer tudo: barracas, equipamentos, combustível…”, Lista Mailson. Para se alimentar, os coletores de nozes caçam crocodilos, pássaros, veados e grandes roedores, e viajam pela floresta com mais de 100 quilos nas costas. Não é incomum cruzar o caminho de uma onça… “É difícil, mas vale a pena!” »garante castanheiro.

Você ainda tem 74,77% deste artigo para ler. O restante é reservado aos assinantes.

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *