“Na Guiana, a Amazônia francesa não é melhor tratada do que sua vizinha brasileira”

“Na Guiana, a Amazônia francesa não é melhor tratada do que sua vizinha brasileira”

Tribuna. Como uma mulher indígena da Guiana Francesa, ao ler que Raoni, nosso Kayapó mais velho, está apresentando uma queixa contra o Presidente do Brasil no Tribunal Penal Internacional (TPI) em Haia, me deixa feliz e me dá esperança de que uma certa forma da justiça finalmente poderá deter os excessos perigosos e as dramáticas consequências das políticas de exploração excessiva da Amazônia. Na França, estamos muito bem informados sobre os incêndios na Amazônia e a aceleração do desmatamento causado pelas políticas do Sr. Bolsonaro, e esperamos que seja feita justiça. Porém, muitas vezes esquecemos que a França também é um país amazônico, através da Guiana Francesa.

Artigo reservado para nossos assinantes Leia também Brasil: cacique Raoni dá queixa contra Jair Bolsonaro por crimes contra a humanidade

A comunidade internacional desconhece a política da França na Amazônia. Como um nativo americano, pertencente ao povo Palikur (um dos seis povos indígenas da Guiana Francesa), e representante de meus irmãos e irmãs indígenas como membro do Comitê Indígena da Guiana, devo observar que os chamados “direitos à pátria ”Não está realmente localizado em um lugar melhor do que seu vizinho brasileiro.

Povos indígenas excluídos das consultas

Diante de suas injustiças permanentes, nos sentimos impotentes. E gostaríamos de lembrar que, desde sua criação em 2018, o Grande Conselho Consuetudinário, órgão consultivo do Estado supostamente representativo dos povos indígenas e afrodescendentes, não se baseou em nenhum protocolo de consulta aos povos indígenas. Essa consulta é uma lei internacional reconhecida pela ONU, mas que não é aplicada na França. Às vezes, até mesmo fomos intencionalmente marginalizados de decisões sobre projetos importantes que nos afetam.

“As boas resoluções anunciadas na França metropolitana parecem distantes”

É o caso, por exemplo, da campanha de vacinação contra o coronavírus e seu protocolo. As discussões sobre este assunto entre a prefeitura, a Agência Regional de Saúde (ARS) e a autoridade local da Guiana estão bem avançadas, mas nenhum representante se dignou a consultar as autoridades consuetudinárias e informá-las, enquanto muitas dúvidas e temores cercam a vacina. Teremos oportunidade de ser devidamente consultados? Até o momento, nenhuma discussão foi realizada em conjunto entre nossas autoridades consuetudinárias, o estado e o LRA.

READ  Bolsonaro condecorado com "mérito indígena", reações indignadas
Artigo reservado para nossos assinantes Leia também “Na Guiana, a República Francesa está destruindo a Amazônia e sua biodiversidade com a ajuda de subsídios da Europa”

Por outro lado, as boas resoluções anunciadas na França metropolitana parecem distantes, enquanto o projeto Montagne d’Or, um projeto de mineração de 15 km2 que se acredita estar sepultado, em particular graças ao protesto local, o do movimento indígena, foi retomado por meio da decisão do tribunal administrativo da Guiana de condenar o estado a prorrogar a concessão. O governo, que nem mesmo enviou seus representantes para defender sua posição neste julgamento, tem dois meses para recorrer da decisão, mas não parece ter pressa em fazê-lo. Tudo isso enquanto a convenção de cidadãos para o clima, na França metropolitana, votava mais de 94% pela adoção de um moratória da mineração industrial na Guiana.

Você tem 34,9% deste artigo para ler. O resto é apenas para assinantes.

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *