Na Suécia, goma de mascar pré-histórica revela seus segredos

Na Suécia, goma de mascar pré-histórica revela seus segredos

O DNA encontrado em chicletes mascados por adolescentes da Idade da Pedra, encontrados em um sítio arqueológico de 9.700 anos na Suécia, lança luz sobre as doenças bucais da época, mostrou um estudo sueco.

• Leia também: Hackers russos suspeitam que o ataque cibernético está perturbando a administração e as compras online na Suécia

O estudo foi conduzido por uma equipe de paleontólogos da Universidade de Estocolmo e publicado na revista Relatórios científicosTambém fornece informações sobre a dieta desses grupos de caçadores-coletores pré-históricos.

“A goma de onde foram retiradas as amostras provavelmente foi mascada por adolescentes, meninas e meninos. Havia uma idade específica em que o faziam”, explicou Anders Gutherström, coautor do estudo, durante entrevista à AFP na terça-feira.

Esses pedaços de casca de bétula encharcados de saliva e com marcas de dentes foram encontrados há 30 anos ao lado de ossos no local de Hosby Cliff, ao norte do que hoje é Gotemburgo. É um dos sítios arqueológicos mais antigos contendo ossos humanos na Escandinávia.

“Acredita-se que essa goma servia como cola para unir as coisas. Também é possível que a mastigassem por prazer ou porque acreditavam que tinha propriedades medicinais”, acrescenta a pesquisadora.

Em 2019, o primeiro estudo com pedaços de massa permitiu determinar o perfil genético dos indivíduos. Vestígios de DNA não humano estão sendo detectados agora.

“O que descobrimos foi um número elevado de bactérias que indica um caso grave de gengivite, que é uma infecção grave das gengivas”, diz Anders Gutherström.

“Num caso, soubemos que se tratava de uma mulher jovem, que pode ter começado a perder dentes após usar esta goma. “Esta infecção deve ter causado danos significativos”, acrescenta.

READ  Egito revela caixões e estátuas descobertos em Saqqara

Os resultados da investigação também esclarecem a dieta alimentar desta sociedade escandinava. Uma dieta variada de avelãs, veados e trutas. Traços de DNA de maçã, pato e raposa também foram detectados nas análises.

“Quando analisamos um osso humano, extraímos DNA humano. Mas o que é particularmente interessante sobre esta goma é que ela contém vestígios do que foi comido antes e bactérias encontradas na pessoa que a usa. Não há outra maneira de obter esses resultados.

“Vemos a marca que os dentes dos adolescentes deixaram nas chicletes há milhares de anos. Para nós, arqueólogos, existe também uma dimensão filosófica, que é a relação entre o humano, o DNA e o artefato.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *