Nenhum julgamento para uma mulher americana que teve um aborto espontâneo

Nenhum julgamento para uma mulher americana que teve um aborto espontâneo

A mídia local noticiou, na quinta-feira, que uma mulher americana que fez um aborto não seria, em última instância, objeto de julgamento sob a acusação de “minar a segurança de seus restos mortais”, um caso que causou alvoroço nos Estados Unidos, onde a direita ao aborto não é mais garantido constitucionalmente. contente.

Brittany Watts, uma mulher afro-americana de 34 anos perto de Cleveland, Ohio, foi inicialmente acusada por um juiz no estado do norte dos EUA depois que a polícia descobriu um feto nas trompas de sua casa.

Ela foi acusada de não tratar os restos mortais com dignidade, ilustrando as tensões sobre a situação dos fetos entre os defensores do direito ao aborto e os opositores nos Estados Unidos.

A jovem corria o risco de ficar presa por até um ano.

Segundo o advogado de Brittany Watts, relatado pelo canal local Fox 8, sua cliente grávida foi ao hospital em setembro devido a um sangramento. O médico então declarou seu feto de 22 semanas inviável.

O aborto ocorreu alguns dias depois em sua casa, e ela posteriormente foi a um hospital católico devido a mais sangramento. Aí uma enfermeira chamou a polícia e disse: “Tenho uma mãe que deu à luz em casa e veio sem o bebê”.

Os investigadores foram à casa de Brittany Watts e confiscaram seu banheiro como prova.

A Fox 8 informou na quinta-feira que um grande júri, um painel de cidadãos dos Estados Unidos com poderes de investigação, decidiu não processar a jovem.

Desde que o Supremo Tribunal, no verão de 2022, anulou a decisão que garantia o direito federal das mulheres americanas de interromper a gravidez, a questão do direito ao aborto regressou aos Estados Unidos.

READ  Na foto | Veterinários resgataram uma perigosa tartaruga crocodilo na Inglaterra

Mais tarde, Ohio adoptou uma lei que proíbe a maioria dos abortos – mesmo em casos de violação ou incesto – uma vez detectado um batimento cardíaco. Isto significa cerca de seis semanas, muitas vezes antes de a mulher saber que está grávida.

Mas em Novembro, poucas semanas depois de Brittany Watts ter sido indiciada, os eleitores aprovaram num referendo a inclusão do direito ao aborto na Constituição do Ohio.

O julgamento de Brittany Watts causou comoção nos Estados Unidos, onde ativistas pelos direitos ao aborto consideraram o caso dela uma criminalização do aborto.

“Brittany nunca teve que passar por isso. Ninguém deveria passar por isso de novo”, disse o grupo de direitos ao aborto If/When/How na quinta-feira.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *