No Brasil, a autoridade do presidente Lula desafiada pela direita

No Brasil, a autoridade do presidente Lula desafiada pela direita

A mudança não passou despercebida a ninguém em Brasília: Luiz Inácio Lula da Silva reduziu drasticamente suas excursões ao exterior. Desde o início do ano, o presidente brasileiro realizou apenas três viagens internacionais, principalmente para a América Latina, em comparação com seis viagens a três continentes no mesmo período de 2023. Diante de fortes dificuldades políticas internas, o líder de esquerda renunciou decidiu ficar no Brasil para tentar fortalecer seu abalado poder.

Oficialmente, porém, tudo parece sorrir para o líder do Partido dos Trabalhadores (PT), que regressou às responsabilidades em janeiro de 2023. A taxa de desemprego, que caiu para 7,5%, é a mais baixa em dez anos. O Brasil registrou crescimento de 0,8% em seu produto interno bruto no primeiro trimestre, acima das previsões dos economistas. O desmatamento na Amazônia está caindo e o país recuperou o seu lugar no cenário internacional. Atualmente ele preside o G20.

Mas a opinião pública não parece ter em conta estes bons resultados. Segundo pesquisa publicada pelo instituto PoderData em 29 de maio, a maioria dos brasileiros já desaprova a ação do governo Lula (47% de opinião desfavorável contra 45% favorável): a primeira desde o início do mandato. E 41% dos eleitores julgam a política do executivo ” pior ” do que a do ex-presidente de extrema direita Jair Bolsonaro (2019-2023), em comparação com apenas 38% que acreditam nisso “melhor”.

Forçado a se aliar à direita

“Há uma certa desconexão entre a opinião e o desempenho do governo, como nos Estados Unidos, onde Joe Biden, apesar dos resultados sólidos na economia, não é muito popular”, analisa Carlos Pereira, cientista político da Fundação Getulio Vargas. Um ano e meio após o seu regresso ao cargo, o presidente de esquerda ainda procura uma maioria sólida.

READ  Brasil | Ônibus cai do viaduto, pelo menos 16 mortos

“Lula construiu uma coalizão “Frankenstein” formada por quatorze partidos muito heterogêneos e sem um projeto comum”, continua o Sr. Pereira. Isso vai desde comunistas eleitos até a direita muito conservadora do Partido Popular (PP), a formação do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, ex-forte aliado de Bolsonaro. “Para os eleitores é muito difícil perceber qual é a linha de poder”finaliza o pesquisador.

Coagido e forçado, Lula trouxe para seu governo em setembro de 2023 dois ministros de direita, do PP e do partido Republicanos. Mas isto não foi suficiente para lhe garantir a grande maioria que esperava. No Congresso, os deputados dos dois partidos envolvidos misturam regularmente as suas vozes com as da oposição. Nas últimas semanas, o O Presidente foi colocado em minoria em diversas ocasiões e sofreu derrotas parlamentares.

Você ainda tem 50,78% deste artigo para ler. O restante é reservado aos assinantes.

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *