No Brasil, “a fome está em toda parte e o Estado não está em lugar nenhum”.

No Brasil, “a fome está em toda parte e o Estado não está em lugar nenhum”.
Valquíria dos Santos, 30 anos, em sua casa em Caxias, subúrbio do Rio de Janeiro, no dia 26 de setembro de 2022.

Era 22 de julho. Desesperada, Valquíria dos Santos pega seu smartphone e pede socorro. “Falo como mãe, como mulher, para pedir ajuda!” ela implora com a voz entrecortada em uma mensagem de áudio compartilhada no WhatsApp. Não tenho emprego, tudo é caro e não tenho o que comer em casa. Pode me ajudar ? Qualquer coisa serve! » A estas palavras comoventes, Valquéria dos Santos anexou uma fotografia do armário da sua cozinha: vazio, excepto três sacos de farinha entreabertos.

A história desta moradora de 30 anos do Parque Vila Nova Favela, localizado na cidade de Duque de Caxias, periferia norte do Rio de Janeiro, foi muito além de sua comunidade. Em poucas horas, graças ao apoio de uma associação local, Valquería dos Santos conseguiu arrecadar cerca de 250 reais (48 euros) e levantar a cabeça acima da água. “Eu tinha fome quando era pequeno. Sei como é doloroso. Não quero que meus filhos saibam disso.” Ela dá testemunho.

Leia também: O Brasil enfrentou o retorno da fome

A vida custou caro a esta corajosa mãe nascida no Nordeste. Ela sofre de asma, é vendedora ambulante de barras de chocolate e ganha apenas alguns euros por dia para alimentar a família: cinco filhos e um marido emaciado, desempregado e com SIDA. Os últimos tempos têm sido particularmente difíceis. Insultuoso, até. As refeições tiveram que ser ignoradas. Mendigar nos supermercados. Vire o lixo para procurar restos de carne. “É muito raro tê-los até acabarmos com eles tudo isso…”Reconhece Valquíria dos Santos com tristeza.

Valquería dos Santos e Romulo Machado da Silva, na sala de sua casa no Parque Vila Nova, em Caxias (Brasil), 26 de setembro de 2022. Valquería dos Santos e Romulo Machado da Silva, na sala de sua casa no Parque Vila Nova, em Caxias (Brasil), 26 de setembro de 2022.

De sua casa de tijolos, cercada por um pântano pegajoso e um depósito de lixo, onde pobres esfarrapados e usuários de crack queimam cobre, Valcuria dos Santos tem uma visão panorâmica do desespero brasileiro. “Não sou o único nesta situação”Ela confessa. Depois de diminuir drasticamente na década de 2000, a fome regressou ao Brasil, um triste legado do presidente de extrema-direita Jair Bolsonaro, candidato à reeleição nas eleições de 2 de outubro.

READ  Argentinos na hora da seleção

“Aqui há fome em todo o lado e o Estado não está em lado nenhum.”

Um estudo publicado em junho passado pela rede Pensan, especializada em segurança alimentar, revelou a dimensão do fenômeno: a fome atinge hoje 33 milhões de brasileiros – 15% da população – ou quase o dobro do número de 2020. A tragédia está afetando o país . No seu conjunto, afecta particularmente as mulheres e as comunidades negras ou rurais das regiões Nordeste e Amazónia.

Você ainda tem 70,12% deste artigo para ler. O restante é reservado aos assinantes.

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *