O acordo com a União Europeia está pendente

O acordo com a União Europeia está pendente

A ratificação do texto parece estar novamente a escapar, apesar do objectivo declarado de conclusão até ao final do ano. Prevê o estabelecimento da maior área de livre comércio do planeta.

“O acordo está morto, mas ninguém quer dizê-lo em voz alta e enterrá-lo”, afirma Bruno Benetti, especialista da London School of Economics. A Accueille do Rio de Janeiro este ano o nome do Mercosul, visando abranger o acordo Libre-échange com a União Europeia, não tem a mesma conclusão no novo mundo, porque as informações do objeto da pessoa em questão não têm a mesma conclusão: Fim de ano.

A Brésil, que assegura o funcionamento do torniquete local na Argentina, Uruguai e Paraguai, poderá anunciar a finalização deste mês pelo mesmo prazo, com a condição do sindicato dos chefs. O tratado, assinado em 2019, após vinte anos de negociações complexas, prevê a criação da maior área de livre comércio do planeta.

Ainda não foi finalizado, especialmente devido à relutância do lado da União Europeia em abordar as políticas ambientais do Brasil durante o mandato do ex-presidente de extrema direita Jair Bolsonaro. A situação mudou com o retorno ao poder, em janeiro, do líder esquerdista Luiz Inácio Lula da Silva, que parece ser um defensor da proteção da Amazônia.

“Progresso notável”

O diálogo entre o Mercosul e a União Europeia intensificou-se nas últimas semanas, com “avanços significativos”, anunciaram Lula e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, após reunião à margem da Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP28). ) Em Dubai. Mas este otimismo sofreu um duro golpe no dia seguinte, quando Emmanuel Macron reiterou que era “contra o acordo”, logo após o seu encontro com Lula no Dubai. O Presidente francês considerou o plano “mal corrigido”, afirmando que “não tem em conta a biodiversidade e o clima”.

READ  Atualização da Pandemia Global

Como resultado, Lula foi forçado a admitir pela primeira vez que as negociações poderão não ter sucesso até ao final da cimeira do Mercosul no Rio. E acrescentou: “Se não se chegar a um acordo, será assim. Não é por falta de boa-fé. Mas não digamos que a culpa é do Brasil e da América do Sul”, criticando o “protecionismo”. perseguido pela França. Mas o presidente brasileiro não desistiu. “Não me renderei (…). Enquanto tiver motivos para acreditar que é possível finalizar este acordo, lutarei”, anunciou na segunda-feira ao lado do chanceler alemão, Olaf Scholz.

“Relutância europeia”

Este último, por sua vez, apelou a todas as partes para que fizessem “concessões” e agissem “pragmaticamente”. A Alemanha está entre os apoiantes mais entusiásticos dentro da União Europeia deste tratado de comércio livre, que o seu forte sector industrial considera necessário, enquanto a França e outros países europeus expressam preocupações sobre o seu sector agrícola. Mas outros obstáculos impedem a conclusão do acordo esta semana, a começar pela transferência de poder na Argentina.

Uma fonte diplomática brasileira disse à AFP que é possível que os países do Mercosul decidam esperar pela posse do presidente eleito argentino, o ultraliberal Javier Miley, no dia 10 de dezembro para tomar uma decisão final. Esta fonte disse: “Mas o novo governo manifestou o seu grande interesse em concluir” o acordo. O presidente cessante da Argentina, Alberto Fernandez, disse que apoia este acordo, mas apontou para a “relutância europeia”. O seu ministro das Relações Exteriores estimou no domingo que não estavam reunidas as condições para finalizá-lo.

“protecionismo verde”

O acordo assinado em 2019 ainda não foi ratificado devido às tensões entre os dois blocos, nomeadamente devido aos novos requisitos ambientais introduzidos pelos europeus este ano, acompanhados de sanções em caso de violações. O Mercosul condenou o “protecionismo verde” e fez as suas próprias exigências, como a criação de um fundo para ajudar os países em desenvolvimento a conservar o ambiente.

READ  Forte aumento do investimento estrangeiro no Brasil

O novo presidente do Paraguai, Santiago Peña, lançou um ultimato: se um acordo com a União Europeia não for finalizado até ao final do ano, ele recorrerá a outros blocos regionais quando o seu país assumir a presidência rotativa do Mercosul, a partir de 2018. Janeiro.

Mais Lidos

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *