O asteroide visitado pela espaçonave da NASA tem uma companheira “misteriosa”.

O asteroide visitado pela espaçonave da NASA tem uma companheira “misteriosa”.

NASA/Goddard/SwRI/Johns Hopkins APL

A missão Lucy capturou imagens adicionais que revelam que o asteróide Dinkenish (à esquerda) tem um companheiro binário anexado, ou duas rochas espaciais que se tocam.

Inscreva-se no boletim científico da Wonder Theory da CNN. Explore o universo com notícias de descobertas fascinantes, avanços científicos e muito mais.



CNN

Dinkenish, um pequeno asteróide visitado pela missão Lucy da NASA na semana passada, continua a causar espanto.

Lucy passou pela rocha espacial, localizada no principal cinturão de asteróides entre Marte e Júpiter, em 1º de novembro, como parte de um teste do equipamento da espaçonave antes de abordar o objetivo principal da missão: pesquisar enxames de asteróides troianos ao redor de Júpiter. Dinkenesh, que significa “incrível” na língua amárica etíope, só foi adicionado ao itinerário de Lucy em janeiro.

Mas as primeiras observações feitas pelos instrumentos de Lucy mostraram que havia mais no misterioso asteróide do que o esperado. Inicialmente, as fotos indicavam que A rocha espacial fazia parte de um par binárioCom um asteróide menor orbitando Dinkenish.

NASA/Goddard/SwRI/Johns Hopkins APL/NOIRLab

A primeira imagem obtida pela sonda durante a sua maior aproximação revelou a companheira, mas não o facto de se tratar de um binário de contacto.

No entanto, imagens adicionais obtidas pela sonda após a sua maior aproximação revelaram que o asteróide mais pequeno é na verdade um binário de contacto – duas pequenas rochas espaciais que se tocam.

Lucy chegou a cerca de 265 milhas (cerca de 425 quilômetros) da superfície do asteróide durante sua maior aproximação, que foi quando as primeiras imagens foram tiradas. O segundo lote de imagens revelando o contato da dupla, compartilhado pela NASA na terça-feira, foi capturado seis minutos depois, a uma distância de 1.010 milhas (cerca de 1.630 quilômetros).

READ  Cientistas podem ter localizado o misterioso Planeta X

“Os binários de contato parecem ser bastante comuns no sistema solar”, disse John Spencer, vice-cientista do projeto Lucy no Southwest Research Institute, em um comunicado.

“Não vimos muitos deles de perto e nunca vimos nenhum orbitando outro asteroide.
Ficamos intrigados com as estranhas variações no brilho de Dinkenish que vimos ao nos aproximarmos, o que nos deu uma dica de que Dinkenish poderia ter algum tipo de lua, mas nunca suspeitamos de algo tão estranho!

A aproximação foi projetada principalmente para ajudar a espaçonave Lucy a testar seu sistema de rastreamento final, que permite à espaçonave localizar autonomamente a rocha espacial e mantê-la à vista enquanto voa a 10.000 milhas por hora (4,5 quilômetros por segundo). O sistema superou as expectativas, permitindo aos astrónomos descobrir a inesperada companheira de Dinkenish.

NASA/Goddard/SwRI

Este gráfico mostra a trajetória da espaçonave Lucy ao passar por Dinkenish e ao tirar imagens que revelou o surpreendente companheiro asteróide.

“É intrigante, para dizer o mínimo”, disse Hal Levison, principal investigador de Lucy no Southwest Research Institute, em comunicado. “Nunca esperei que um sistema fosse assim. Em particular, não entendo por que os dois componentes do satélite são tão semelhantes em tamanho. Seria interessante para a comunidade científica descobrir.”

Os dados do sobrevôo ainda são transmitidos da espaçonave para a equipe da missão.

“É realmente maravilhoso que a natureza possa nos surpreender com um novo mistério”, disse Tom Statler, cientista do programa Lucy da NASA, em comunicado. “A grande ciência nos leva a fazer perguntas que não sabíamos que precisávamos fazer.”

O próximo encontro de Lucy será com outro asteroide do cinturão principal chamado Donald Johansson em 2025. Depois disso, a espaçonave partirá para ver os Trojans.

READ  Um helicóptero da NASA levou um pedaço do avião dos irmãos Wright para Marte

Os asteroides troianos, cujo nome vem da mitologia grega, orbitam o Sol em dois enxames – um precedendo Júpiter, o maior planeta do nosso sistema solar, e o outro seguindo-o. Os asteroides estão muito distantes para serem vistos em detalhes com telescópios e obterão imagens em close quando Lucy chegar aos Trojans em 2027.

A missão toma emprestado o nome de Fóssil de Lucyos restos mortais de um antigo ancestral humano que foi descoberto na Etiópia em 1974. O esqueleto ajudou os pesquisadores a reunir aspectos da evolução humana, e os membros da equipe Lucy da NASA esperam que sua missão realize um feito semelhante em relação à história do nosso sistema solar.

Os asteróides são como fósseis: representam o material que sobrou da formação dos planetas gigantes do nosso sistema solar, incluindo Júpiter, Saturno, Urano e Netuno.

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *