O cometa vulcânico e frio “Mãe dos Dragões” agora pode ser visto da Terra • Earth.com

O cometa vulcânico e frio "Mãe dos Dragões" agora pode ser visto da Terra • Earth.com

O cometa 12P/Pons-Brooks – também conhecido como “Cometa Diabólico” e “Mãe dos Dragões” – é atualmente visível no céu noturno do Hemisfério Norte, proporcionando uma visão única tanto para observadores amadores quanto para astrônomos profissionais.

Este cometa do tipo Halley, que orbita o Sol a cada 71 anos e tem um núcleo com cerca de 30 quilómetros de diâmetro, é conhecido pelas suas impressionantes explosões de gás e poeira à medida que viaja pelo interior do sistema solar.

Cometa 12P/Pons-Brooks

O cometa é conhecido como Cometa do Diabo por causa de sua aparência distinta de “chifres”. No entanto, um aceno cultural mais contemporâneo foi dado à sua associação com os kappa-Draconídeos, uma chuva de meteoros anual relativamente modesta que está ativa do final de novembro a dezembro.

Tal como acontece com outros cometas, o 12P/Pons-Brooks é composto por uma mistura de gelo, poeira e material rochoso. À medida que se aproxima do Sol, o cometa sofre uma metamorfose, à medida que o gelo no seu interior muda do estado sólido para o estado gasoso.

Este processo empurra o gás e a poeira da superfície do cometa e forma uma nuvem em expansão e uma cauda distinta. Esta cauda, ​​formada e impulsionada pelo vento solar, serve como um marcador visual da trajetória do cometa pelo espaço.

O que são cometas vulcânicos gelados?

Os cometas criovulcânicos são uma classe fascinante de objetos celestes que exibem atividade geológica única. Esses cometas contêm não apenas a mistura usual de gelo, poeira e rocha, mas também criovulcões, que são vulcões que entram em erupção com materiais voláteis como água, amônia ou metano, em vez de rocha derretida.

Os criovulcões se formam nos cometas quando o calor interno aumenta, fazendo com que os voláteis dentro do cometa evaporem e se expandam. Este aumento de pressão eventualmente rompe a superfície do cometa, permitindo que gases e líquidos escapem numa explosão dramática.

A importância da atividade criovulcânica

O estudo dos cometas vulcânicos gelados fornece informações valiosas sobre a composição e estrutura interna destes corpos gelados.

Ao analisar o material ejetado durante as erupções criovulcânicas, os cientistas estão a compreender melhor as condições no interior dos cometas e o papel que desempenham na formação e evolução do sistema solar.

Exemplos notáveis

Além do 12P/Pons-Brooks, um dos exemplos mais famosos de cometas vulcânicos gelados é o 12P/Pons-Brooks. 29B/Shoasmann-Wachmann 1. Este cometa apresenta explosões frequentes, que se acredita serem causadas por atividade criovulcânica.

READ  Existe uma ligação frustrante entre onde você mora e o risco de demência

Outro exemplo é Cometa 67P/Churyumov-GerasimenkoQue foi visitado pela espaçonave Rosetta da Agência Espacial Europeia. As observações da Rosetta revelaram evidências de atividade vulcânica fria na superfície do cometa.

À medida que continuamos a explorar e estudar estes objetos atraentes, os cometas vulcânicos gelados irão, sem dúvida, lançar mais luz sobre os processos dinâmicos que moldam o nosso sistema solar.

Quando o diabólico cometa 12P/Pons-Brooks estará visível?

12P/Pons-Brooks é mais visível no final de março e início de abril. O cometa está localizado acima do horizonte ocidental nas horas após o anoitecer, e a visibilidade do cometa está sujeita ao seu nível de atividade e à sua proximidade com a Terra.

Embora às vezes possa brilhar intensamente, outras vezes pode ser quase imperceptível. O Cometa de Satanás atingirá o seu ponto mais próximo da Terra em junho de 2024, mas não será mais visível no Hemisfério Norte.

Dois astrônomos lendários

O nome do cometa carrega o legado de duas figuras lendárias, Jean-Louis Pons e William R. Brooks, que descobriu um grande número de cometas.

Jean-Louis Pons

Pons, um astrônomo francês ativo de 1761 a 1831, é lembrado por suas notáveis ​​contribuições à astronomia, principalmente pela descoberta de 37 cometas entre 1801 e 1827, usando equipamentos que ele mesmo construiu.

Essa conquista permanece um recorde incomparável até hoje. Um exemplo notável de suas descobertas de cometas foi em 12 de julho de 1812, quando ele identificou um corpo celeste tênue que não possuía a cauda característica do cometa.

Durante o mês seguinte, este objeto iluminou-se visivelmente e a sua cauda apareceu em 15 de agosto daquele ano, marcando o seu pico de visibilidade. A órbita do cometa foi calculada a partir das observações precisas de Pons, e os astrónomos estimam que o período da sua órbita solar seja entre 65 e 75 anos.

In loco parentis. Brooks

William R. confirmou Brooks, um astrónomo anglo-americano com um impressionante registo de 27 descobertas de cometas, contradisse inadvertidamente as observações anteriores de Pons quando observou o mesmo cometa durante a sua viagem de regresso através do sistema solar interior em 2 de Setembro de 1883.

Inicialmente pensado para ser uma nova descoberta, foi logo identificado como o cometa observado por Pons 71 anos antes.

Explosões ao vivo de gás e poeira

O cometa Satan tornou-se particularmente famoso pelas suas poderosas explosões de gás e poeira durante a sua aproximação ao Sol, que foram visíveis em 1883, 1954 e 2023.

READ  Voar para a superfície de Marte fica mais difícil enquanto um helicóptero Ibdaa se prepara para o 14º salto

Acredita-se que os relatos históricos de objetos celestes brilhantes vistos na China em 1385 e na Itália em 1457 sejam avistamentos anteriores deste cometa, cimentando o seu lugar nos anais da observação astronómica.

Icebergs cósmicos antigos

Além de sua aparência impressionante, cometas como o 12P/Pons-Brooks são de grande interesse científico.

Esses “antigos icebergs cósmicos” são remanescentes do início do sistema solar, e suas composições e trajetórias fornecem pistas sobre a estrutura do início do sistema solar.

Os processos pelos quais os cometas são atraídos para os planetas interiores, vindos de fora da órbita de Neptuno, realçam a sua natureza dinâmica e as forças gravitacionais que exercem na nossa vizinhança cósmica.

Caudas características de cometas

As caudas distintas dos cometas, causadas pela sublimação do gelo em gás sob o calor do Sol, são talvez a sua característica mais marcante.

Estas caudas, compostas por poeira e gás ionizado, não são apenas fascinantes de observar, mas são essenciais para a nossa compreensão do comportamento dos cometas e do impacto dos cometas no ambiente da Terra, incluindo o potencial fornecimento de água e matéria orgânica ao nosso planeta.

Observando e estudando cometas

Enquanto o 12P/Pons-Brooks permanece visível da Terra e continua a sua viagem através do sistema solar interior, o Cometa Satan serve como um lembrete do vasto e dinâmico universo do qual somos uma pequena parte.

Enfatiza também a importância da observação e estudo contínuos dos cometas, porque eles detêm a chave para a compreensão do nosso lugar no universo e dos processos fundamentais que moldaram o nosso sistema solar.

Missões da Agência Espacial Europeia para descobrir os segredos dos cometas

o Agência Espacial Europeia A Agência Espacial Europeia (ESA) há muito que reconhece o valor científico e exploratório destes antigos veículos celestes.

Além do Cometa 12P/Pons-Brooks, a Agência Espacial Europeia embarcou em várias missões para descobrir os segredos dos cometas e asteróides.

O objetivo é lançar luz sobre a formação inicial do sistema solar, as origens da água na Terra e os perigos potenciais que estas rochas espaciais representam para o nosso planeta. Algumas dessas tarefas incluem:

A missão de Giotto

Lançada em 1986, Gioto é a missão pioneira da ESA no espaço profundo, concebida para se aproximar do cometa Halley e fornecer as primeiras imagens aproximadas do núcleo do cometa.

A missão de Giotto revelou descobertas importantes, incluindo a descoberta de materiais orgânicos no cometa Halley, indicando a química complexa do início do sistema solar.

O sucesso da missão não terminou com Haley; Em 1992, Giotto foi redireccionado para se aproximar do cometa Grigg-Skjellerup, passando a apenas 200 km do seu núcleo, melhorando a nossa compreensão da formação e comportamento do cometa.

READ  Paleontologia: foram encontrados restos fossilizados de um dinossauro sentado em um ninho de ovos com embriões dentro

Missão Roseta

Rosetta é a missão cometária mais famosa da ESA. Ao chegar perto do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko em 2014, a Rosetta tornou-se a primeira nave espacial a orbitar um cometa e a acompanhar de perto a sua viagem em torno do Sol.

O módulo de aterragem Philae da missão conseguiu a primeira aterragem na superfície de um cometa, fornecendo dados inestimáveis ​​sobre a composição e actividade do cometa. O estudo alargado do 67P pela Rosetta forneceu informações profundas sobre a natureza dos cometas e o seu papel na história do sistema solar.

A missão de Hera

Olhando para o futuro, a missão Hera, com lançamento previsto para um futuro próximo, faz parte de um esforço colaborativo com a missão DART da NASA para testar técnicas de deflexão de asteróides. Hera examinará de perto os efeitos do impacto do DART no asteroide Demorphos, com o objetivo de transformar esta experiência numa estratégia viável de defesa planetária.

Ao estudar a mudança da órbita e da superfície de Dimorphos, Hera desempenhará um papel crítico na preparação da humanidade para se defender contra potenciais ameaças de asteróides.

Objeção do cometa

A futura missão Comet Interceptor da ESA, com lançamento previsto para 2029, procura capturar um cometa progenitor que entra no interior do sistema solar pela primeira vez. Esta missão tem como objetivo estudar um cometa que foi ligeiramente alterado pelo calor do Sol, o que poderá fornecer uma visão direta dos materiais e condições que existiam no início do Sistema Solar.

Ao visar um cometa tão “imaculado”, o Comet Interceptor espera aproveitar o legado de Giotto e Rosetta, fornecendo novos conhecimentos sobre as origens e a evolução do nosso sistema solar.

Menção especial – Soho

Embora focado principalmente na observação da energia solar, o Observatório Heliosférico da ESA/NASA (SOHO) tornou-se um improvável caçador de cometas, descobrindo milhares de cometas pastando no Sol na sua aproximação final ao Sol. O papel inesperado do SOHO na descoberta de cometas destaca a natureza dinâmica e interligada dos corpos celestes no nosso sistema solar.

—–

Gostou do que li? Assine nosso boletim informativo para obter artigos envolventes, conteúdo exclusivo e atualizações mais recentes.

Visite-nos no EarthSnap, um aplicativo gratuito oferecido a você por Eric Ralls e Earth.com.

—–

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *