O crescimento nos países da América Latina e das Caraíbas está a perder dinamismo

Le PIB de la zone a augmenté de 1,6 % en moyenne entre 2010 et 2024.

O crescimento global está a abrandar e a América Latina e as Caraíbas não são exceção. Em 2023, o PIB da região deverá aumentar apenas 2,2%, atingindo 1,9% em 2024, segundo previsões da Comissão Económica para a América Latina e as Caraíbas (CEBAL), num relatório divulgado na passada quinta-feira.

Em detalhe, o crescimento na América do Sul sofreu a pausa mais pronunciada: 1,5% em 2023 face a 3,8% no ano passado. Números decepcionantes devido à desaceleração do “efeito de recuperação da covid”, “preços menos dinâmicos das matérias-primas”, enquanto a América do Sul é uma região de exportação, e “falta de confiança política, especialmente no Chile, e no Peru e na Colômbia”. Estima Jean-Louis Martin, economista e pesquisador associado a Ivry.

Fraquezas estruturais

No entanto, aponta para um resultado muito melhor do que o esperado do Brasil, que poderá rondar os 3% de crescimento em 2023, enquanto os observadores se inclinavam mais para 1% no início do ano. Quanto à Argentina, “não sabemos o que vai acontecer”, prevê o pesquisador com cautela. Mas os cortes orçamentais que o novo presidente liberal, Javier Miley, poderia decidir a curto prazo “provavelmente levariam a uma recessão em 2024”.

Nas Caraíbas, o crescimento cairá quase para metade entre 2022 e 2023, passando de 6,4% para 3,4%. A América Central e o México tiveram melhores resultados: 3,5% em comparação com cerca de 4,1% em 2022. Se os números nestas duas regiões permanecem em níveis bastante elevados, é porque “o factor externo predeterminado, que é a economia dos EUA, ainda se mantém relativamente forte”. bem”, explica ele. Economista.

O relatório Sibal observa que “as projeções de baixo crescimento para as economias da região em 2023 e 2024 não representam apenas um problema de curto prazo, mas refletem um declínio na taxa de crescimento do PIB regional”. A taxa de crescimento foi superior a 3% ao ano durante o período 1980-2009, e diminuiu para 1,6% em média entre 2010 e 2024. Em 2023, o PIB per capita só deverá regressar aos níveis de 2013-2014.

READ  Guillaume Long: "A União das Nações Sul-Americanas é um mecanismo multidimensional e integrado"

Sibal aponta as “fragilidades estruturais” da região, nomeadamente a baixíssima produtividade, o peso das actividades informais e o insuficiente investimento público e privado, que prejudicam as perspectivas económicas da região. O relatório também mostra uma desaceleração na criação de empregos.

“Memória da Hiperinflação”

Tal como noutras partes do mundo, a inflação deverá continuar a diminuir neste grupo de países. No entanto, o consumo das famílias continua a abrandar. As suas políticas monetárias permanecem restritivas.

Jean-Louis Martin enfatiza que “as políticas monetárias continuam excessivamente ortodoxas, como o Banco Central do Brasil, com medo da menor derrapagem e do retorno à hiperinflação das décadas de 1980 e 1990”. Todos os países da região sofrem de grandes défices públicos. Há menos gastos em infraestrutura de transporte e comunicações. »

No entanto, Sibal acredita que estes investimentos são essenciais para o “dinamismo” e “competitividade” dos países da região. A Fundação também acredita que é necessário aumentar as receitas orçamentais e combater a evasão fiscal. Para financiar a transição para uma economia hipocarbónica nestes países, embora sejam particularmente vulneráveis ​​às alterações climáticas, mas também para reduzir a desigualdade.

“Dois países, Colômbia e Brasil, implementaram reformas fiscais durante um ano e estão a avançar na direção certa”, afirma o juiz Jean-Louis Martin. Contudo, muitos governos da região enfrentam conferências ultraconservadoras que bloqueiam reformas que poderiam ajudar a remover obstáculos ao crescimento. »

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *