O desmatamento está diminuindo no Brasil e na Colômbia, mas as ameaças continuam numerosas no planeta

O desmatamento está diminuindo no Brasil e na Colômbia, mas as ameaças continuam numerosas no planeta
Este artigo foi publicado originalmente em Inglês

O desmatamento poderia ter sido muito maior, sem as melhorias observadas no Brasil e na Colômbia, onde as análises mostram que a ação política teve um impacto positivo e real.

ANÚNCIO

A perda de florestas tropicais no Brasil e na Colômbia diminuiu sensivelmente no ano passado, mas os incêndios e o aumento do volume de exploração madeireira noutros cantos do globo frustraram este progresso.

Em 2023, as zonas tropicais perderão 3,7 milhões de hectares de floresta primária, uma área próxima da do Butão, ou o equivalente à remoção de dez campos de futebol por minuto. Isto representa uma diminuição de aproximadamente 9% na cobertura florestal tropical em comparação com 2022, de acordo com um estudo anual realizado pela organização de investigação World Resources Institute (WRI) e pela Universidade de Maryland.

O desmatamento teria sido muito maior sem o progresso alcançado no Brasil e na Colômbia, onde a análise mostra queação política teve um impacto muito palpável.

Mas esta melhoria ainda não permite ao planeta prever um futuro a médio prazo sem desflorestação, até 2030. Faltam apenas seis anos para o prazo de 2030 estabelecido por 145 nações na COP26 em 2021 para travar e reverter a perda florestal.

“O mundo deu dois passos para frente e dois para trás na perda de florestas no ano passado”, disse Mikaela Weisse, diretora do Global Forest Watch do WRI.

“Os declínios acentuados na Amazônia brasileira e na Colômbia mostram que o progresso é possível, mas o aumento da perda florestal em outras regiões frustrou em grande parte esse progresso.”

E temos de aprender lições com os países que conseguem abrandar a desflorestação, segundo Mikaela Weisse.

READ  Avaliação da pandemia | Mais de 2.285.000 mortos em todo o mundo

Por que o desmatamento desacelerou no Brasil e na Colômbia?

Principal factor avançado pelo relatório: a mudança do executivo à frente do país explicaria em grande parte a redução significativa da perda de florestas observada no Brasil e na Colômbia.

Os novos líderes destes dois países colocaram ênfase na protecção ambiental e na conservação das florestas.

Sob a presidência de Luiz Inácio Lula da Silva, o Brasil registou uma queda de 36% no desmatamento em 2023, a perda de florestas primárias atingiu o seu nível mais baixo desde 2015. Desde a sua reeleição, Lula revogou medidas anti-ambientais, reconheceu novos territórios indígenas e reforçou as medidas de aplicação da lei contra a exploração madeireira ilegal.

Uma melhoria ainda maior foi observada na Colômbia, onde a perda de florestas primárias caiu para metade em 2023 em comparação com 2022, sob a presidência de Gustavo Petro Urrego.

“A história do desmatamento em Colômbia é complexo e profundamente ligado à política do país, tornando o declínio histórico em 2023 particularmente marcante”, afirma Alejandra Laina, chefe de recursos naturais do WRI Colômbia.

“Não há dúvida de que as recentes ações governamentais e o envolvimento das pessoas tiveram um impacto significativo nas florestas da Colômbia, e encorajamos os envolvidos nas atuais conversações de paz a continuarem as ações nesta direção para acelerar o progresso.”

Os resultados do estudo do ano passado mostram que quando a protecção das florestas se torna uma prioridade para os líderes mundiais, é possível fazer progressos.

Agricultura e incêndios causando desmatamento em todo o planeta

Os incêndios foram responsáveis ​​por pouco mais de metade das perdas florestais globais em 2023. Em países como a Bolívia, são frequentemente de origem humana, para limpar terras para cultivo ou pastagem.

READ  Brasil | Papai Noel da Amazônia distribui presentes de barco

A agricultura tem sido um dos principais motores da desflorestação no país e a produção de soja é responsabilizada pela perda de quase um milhão de hectares de floresta desde a viragem do século. Também no Laos, oexpansão da agricultura levou ao desmatamento massivo.

As alterações climáticas também desempenham um papel determinante neste fenómeno. Em meio ao aumento do calor e da seca, os incêndios causados ​​pelo homem podem se espalhar ainda mais descontroladamente, e a Bolívia experimentou um calor recorde no ano passado devido à combinação do El Niño e do aquecimento global.

Os incêndios também causaram desmatamento fora das áreas tropicais, Canadá teve um ano recorde nesta matéria.

ANÚNCIO

A seca generalizada e o aumento das temperaturas causados ​​pelas alterações climáticas afetaram uma grande parte do globo. No Canadá, isto levou à pior época de incêndios alguma vez registada, com cinco vezes mais desflorestação observada entre 2022 e 2023.

“Os dados de satélite ajudam-nos a monitorizar a extensão dos incêndios florestais ao longo dos anos, incluindo aqueles que causam a perda de cobertura arbórea”, diz Alexandra (Sasha) Tyukavina, professora e investigadora associada da Universidade de Maryland.

“Isto é particularmente importante para compreender como anos de incêndios extremos – como a temporada recorde de incêndios de 2023 no Canadá – impactam as florestas em todo o mundo ao longo do tempo.”

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *