O fenômeno climático El Niño continuará até a primavera

O fenômeno climático El Niño continuará até a primavera

O fenómeno climático El Niño, geralmente associado ao aumento das temperaturas globais, continuará neste inverno e na primavera, informou esta terça-feira as Nações Unidas, prevendo já temperaturas mais elevadas em 2024.

• Leia também: Outubro de 2023 é o mais quente do mundo, quinto recorde mensal consecutivo

• Leia também: Incêndios florestais numa escala não vista há pelo menos 100 anos

• Leia também: Gronelândia: plataformas de gelo protetoras estão a desintegrar-se rapidamente

Segundo o boletim da Organização Meteorológica Mundial divulgado esta terça-feira, a probabilidade de o fenómeno cíclico continuar sobre o Oceano Pacífico até abril de 2024 é de 90%. O El Niño também deverá atingir “forte intensidade” neste inverno, no seu pico, segundo a Organização Meteorológica Mundial.

Em setembro, “as temperaturas superficiais no Pacífico tropical centro-leste apresentaram valores característicos de um El Niño de intensidade moderada”, explicou a organização, notando que “as temperaturas subterrâneas no oceano Pacífico tropical oriental estão bem acima da média”.

“Este conteúdo de calor superior ao normal tem sustentado aumentos constantes nas temperaturas da superfície do mar ao longo dos últimos quatro meses, e espera-se que conduza a aumentos adicionais (embora menores) destas temperaturas nos próximos meses, dependendo da intensidade e da natureza da extremos climáticos.” Feedback oceânico”, acrescenta a Organização Meteorológica Mundial.


Segundo os especialistas e “tendo em conta a evolução dos períodos de calor passados, bem como as últimas previsões de longo prazo”, o enfraquecimento gradual do El Niño deverá ocorrer apenas na primavera boreal de 2024, enquanto a probabilidade de um efeito de arrefecimento de uma O episódio La Niña está próximo de zero.

Depois de um verão que testemunhou as temperaturas médias globais mais elevadas alguma vez medidas, o Observatório Europeu Copernicus observou em setembro passado que “dado o excesso de calor na superfície dos oceanos, 2023 será provavelmente o ano mais quente (…) que a humanidade já testemunhou”. . Era conhecido antes de 2016.

READ  China toma novas medidas para integrar Taiwan

É uma previsão partilhada pela Agência Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA (NOAA), que em outubro estimou a probabilidade de um ano recorde em mais de 99%.

“O próximo ano poderá ser ainda mais quente. Isto deve-se clara e inequivocamente à contribuição do aumento das concentrações de gases com efeito de estufa resultantes das atividades humanas”, disse o secretário-geral da Organização Meteorológica Mundial, professor Petteri Taalas, no comunicado.

Ele também alertou que “eventos extremos como ondas de calor, secas, incêndios florestais, fortes chuvas e inundações serão mais numerosos em algumas áreas e terão impactos significativos”.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *