O impacto da pobreza profunda no desenvolvimento e comportamento do cérebro

resumo: Uma nova revisão relaciona o baixo estatuto socioeconómico (SES) a mudanças significativas no desenvolvimento do cérebro, no comportamento e nos resultados cognitivos. A revisão sintetiza a investigação existente para fornecer um quadro unificado que explica como os factores comuns em contextos de baixo estatuto socioeconómico – como a má nutrição, o stress crónico e as condições de vida precárias – afectam negativamente o neurodesenvolvimento.

Esse distúrbio pode levar à diminuição das habilidades linguísticas, diminuição do nível educacional e aumento do risco de desenvolver transtornos psiquiátricos. Ao demonstrar como estas condições perpetuam a pobreza intergeracional, a revisão sublinha a necessidade urgente de desenvolver intervenções específicas para quebrar este ciclo.

Principais fatos:

  1. O baixo estatuto socioeconómico (SES) contribui para o stress crónico e as más condições ambientais, que podem inibir a neurogénese e impactar negativamente o desenvolvimento cognitivo desde tenra idade.
  2. A revisão fornece um quadro que liga as condições económicas e sociais às influências ao longo da vida na saúde mental, no sucesso educativo e no comportamento.
  3. Aponta para a necessidade de mais investigação sobre intervenções específicas que possam mitigar os efeitos do baixo estatuto socioeconómico no desenvolvimento do cérebro e ajudar a quebrar o ciclo de pobreza intergeracional.

fonte: De Gruyter

O que determina a saúde mental, o desempenho escolar e até o desenvolvimento cognitivo?

Nova avaliação em De Gruyter Críticas em neurociência Sugere que a pobreza e o baixo estatuto socioeconómico (SES) são os principais factores contribuintes.

Outros estudos examinaram os efeitos isolados da pobreza no cérebro ou no comportamento. No entanto, esta nova revisão fornece a primeira estrutura unificada que utiliza evidências da literatura para vincular diretamente as alterações cerebrais resultantes do baixo SES às consequências comportamentais, de doenças e de desenvolvimento.

Então, como é que a pobreza e o baixo estatuto socioeconómico alteram o cérebro? Crédito: Notícias de Neurociências

SES refere-se à posição social de um indivíduo ou família e inclui fatores como riqueza, ocupação, nível educacional e condições de vida. Além de afectar a vida quotidiana, o estatuto socioeconómico (SES) pode ter consequências de longo alcance nos nossos cérebros, começando na infância e continuando na idade adulta.

READ  SpaceX's Starship SN9 prototype is launching its engines for the first time

Então, como é que a pobreza e o baixo estatuto socioeconómico alteram o cérebro? A revisão examina os impactos negativos da desnutrição, do stress crónico e dos riscos ambientais (tais como poluição e condições de habitação inadequadas), que têm maior probabilidade de afectar famílias de baixo nível socioeconómico.

Estes factores podem prejudicar o desenvolvimento do cérebro das crianças, o que por sua vez pode afectar as suas competências linguísticas, o nível de escolaridade e o risco de desenvolver doenças mentais.

Por exemplo, as famílias de baixo nível socioeconómico têm maior probabilidade de sofrer níveis aumentados de stress, o que pode afectar os seus filhos numa idade precoce. O stress persistente pode reduzir os níveis de neurogénese – o crescimento de novas células nervosas – no hipocampo, o que pode prejudicar as capacidades de aprendizagem e ter um impacto negativo no nível de escolaridade e nas oportunidades de emprego mais tarde na vida.

O quadro unificador proposto pelos investigadores também ajuda a explicar a pobreza intergeracional, que pode fazer com que as crianças de famílias com baixo nível socioeconómico sejam incapazes de escapar à sua situação quando crescerem e se tornarem elas próprias pais. Pode ser difícil quebrar este ciclo vicioso.

Curiosamente, os investigadores oferecem uma extensa lista de estudos propostos que poderão testar a validade do seu quadro e encontrar novas formas de quebrar o ciclo da pobreza intergeracional. Estas incluem concentrar-se nos efeitos do baixo estatuto socioeconómico em áreas específicas do cérebro e identificar técnicas para melhorar o desempenho das crianças afectadas na escola.

A revisão chega num momento oportuno, à medida que a desigualdade na sociedade aumenta. A identificação de mecanismos específicos por detrás da pobreza geracional pode ajudar os investigadores e os decisores políticos a desenvolver novas intervenções precoces.

READ  Estudo diz que cervos infectados com o vírus Covid podem abrigar o vírus e infectar humanos

O novo quadro tem em conta a natureza multifactorial da pobreza intergeracional e pode abrir caminho para intervenções comunitárias mais abrangentes e sofisticadas que reconheçam esta complexidade.

“Esta investigação destaca as formas profundas como a pobreza e o estatuto socioeconómico afectam não só as actuais condições de vida dos indivíduos, mas também o seu desenvolvimento cognitivo, saúde mental e oportunidades futuras”, disse o Dr. Eid Abu Hamza da Universidade Al Ain. Emirados Árabes Unidos, que é o primeiro autor da revisão.

“Ao compreender estas relações, a sociedade pode abordar melhor as desigualdades e apoiar as pessoas que vivem em situações desfavorecidas, conduzindo potencialmente a intervenções que podem ajudar a quebrar o ciclo da pobreza.”

Sobre pobreza e notícias de pesquisa em neurodesenvolvimento

autor: Maurício Quiñones
fonte: De Gruyter
comunicação: Mauricio Quiñones-De Gruyter
foto: Imagem creditada ao Neuroscience News

Pesquisa original: Acesso livre.
O impacto da pobreza e do status socioeconômico no cérebro, no comportamento e no desenvolvimento: uma estrutura unificadoraEscrito por Eid Abu Hamza e outros. Críticas em neurociência


um resumo

O impacto da pobreza e do status socioeconômico no cérebro, no comportamento e no desenvolvimento: uma estrutura unificadora

Neste artigo, fornecemos pela primeira vez uma visão abrangente e um quadro unificador do impacto da pobreza e do baixo estatuto socioeconómico (SES) no cérebro e no comportamento.

Embora existam muitos estudos sobre o impacto do baixo status socioeconômico no cérebro (incluindo o córtex, o hipocampo, a amígdala e até mesmo os neurotransmissores) e os comportamentos (incluindo o nível educacional, o desenvolvimento da linguagem e o desenvolvimento de transtornos psiquiátricos comórbidos), estudos anteriores sobre comportamento e educacional não estão integrados. e achados neurológicos em um ambiente.

Aqui, confirmamos que os efeitos da pobreza e do baixo estatuto socioeconómico no cérebro e no comportamento estão interligados. Especificamente, com base em estudos anteriores, devido à falta de recursos, a pobreza e o baixo nível socioeconómico estão associados à má nutrição, a níveis mais elevados de stress nos cuidadores e nos seus filhos, e à exposição a riscos sociais e ambientais.

READ  Learn about miniature robots that dance automatically

Essas lesões psicológicas e físicas afetam o desenvolvimento normal de muitas áreas cerebrais e neurotransmissores.

O funcionamento prejudicado da amígdala pode levar ao desenvolvimento de transtornos psiquiátricos comórbidos, enquanto o funcionamento prejudicado do hipocampo e do córtex cerebral está associado ao atraso na aprendizagem e no desenvolvimento da linguagem, bem como ao baixo desempenho acadêmico.

Isto, por sua vez, perpetua a pobreza nas crianças, levando a um ciclo vicioso de pobreza e deficiências psicológicas/físicas. Além de prestar assistência económica às famílias economicamente desfavorecidas, as intervenções devem ter como objectivo abordar as anomalias neurológicas causadas pela pobreza e pelo baixo nível socioeconómico na primeira infância.

Mais importante ainda, reconhecer anomalias cerebrais causadas pela pobreza na primeira infância pode ajudar a aumentar a justiça económica. No estudo atual, fornecemos uma lista abrangente de estudos futuros para ajudar a compreender o impacto da pobreza no cérebro.

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *