O outro lado da sonda lunar Chang’e-6 da China inicia sua viagem de retorno

O outro lado da sonda lunar Chang'e-6 da China inicia sua viagem de retorno
Comente a foto, A Agência Espacial Chinesa disse que o veículo robótico agitou a bandeira chinesa após completar a coleta de amostras

  • autor, Francisco Mao
  • Papel, BBC Notícias

A China anunciou que a sua sonda lunar foi lançada com sucesso do outro lado da Lua para iniciar a sua viagem até à Terra, transportando as primeiras amostras alguma vez recolhidas naquela região.

A mídia estatal afirma que um módulo da espaçonave Chang’e-6, em homenagem à deusa da lua na mitologia chinesa, decolou com sucesso por volta das 07h38 de terça-feira (23h38 GMT de segunda-feira) para iniciar sua viagem de retorno.

No domingo, o veículo pousou próximo ao pólo sul da Lua, na primeira conquista global comemorada pela comunidade científica internacional.

A China é o único país que pousou no outro lado da Lua, e também o fez antes, em 2019.

A Administração Espacial Nacional da China descreveu a missão como “uma conquista sem precedentes na exploração humana da Lua”.

Este lado da Lua – que está sempre voltado para longe da Terra – é tecnicamente de difícil acesso devido ao seu terreno acidentado e crateras profundas.

A missão da China pretende ser a primeira a devolver amostras de rochas e solo da região, que, segundo os cientistas, podem ser muito diferentes das formações rochosas encontradas no lado próximo da Lua.

A mídia estatal publicou vídeos da agência espacial chinesa mostrando o veículo robô não tripulado esticando seu braço pequeno e agitando a bandeira chinesa após coletar as preciosas amostras.

“A missão resistiu ao teste de alta temperatura no outro lado da Lua”, disse a agência espacial.

Após a decolagem, o módulo entrou em uma “órbita predeterminada ao redor da Lua”.

Toda a sonda está programada para retornar em cerca de três semanas ao local de pouso na Mongólia Interior.

Os cientistas na China terão a primeira oportunidade de analisar as rochas e, mais tarde, os investigadores de todo o mundo também poderão candidatar-se a esta oportunidade.

A sonda pousou em uma cratera gigante conhecida como Bacia Antártica-Aitken no domingo. A cratera é uma das maiores crateras conhecidas no sistema solar.

O pouso foi arriscado porque é muito difícil se comunicar com as espaçonaves quando elas chegam ao outro lado da lua.

As autoridades espaciais chinesas descreveram a operação como envolvendo “muitas inovações de engenharia, altos riscos e grande dificuldade”.

Explicação em vídeo, O vídeo mostra a sonda chinesa pousando no outro lado da lua

A missão tem como objetivo coletar cerca de 2 kg (4,4 lb) de material por meio de furadeira e braço mecânico, segundo a CNSA.

Especialistas disseram anteriormente à BBC que existe a possibilidade da presença de novas rochas.

O professor John Burnett Fisher, especialista em geologia lunar da Universidade de Manchester, disse: “Todos estão muito entusiasmados por podermos dar uma olhada nessas rochas que ninguém jamais viu antes”.

Ele já analisou rochas lunares trazidas para a missão Apollo dos EUA e missões chinesas anteriores.

Mas ele diz que a oportunidade de analisar rochas de uma região completamente diferente da Lua poderia responder a questões fundamentais sobre como os planetas se formaram.

O Pólo Sul da Lua é a próxima fronteira nas missões lunares, com países interessados ​​em compreender a região porque há uma boa probabilidade de haver gelo.

O acesso à água aumentaria enormemente as possibilidades de estabelecer com sucesso uma base humana na Lua para investigação científica.

Esta é a segunda vez que a China lança uma missão para coletar amostras da Lua.

Em 2020, a Chang’e-5 devolveu 1,7 kg de material de uma região chamada Oceanus Procellarum, no lado próximo da Lua.

Em 2019, a China tornou-se o primeiro país a chegar ao outro lado com a aterragem do seu avião Chang’e-4.

A China está planejando mais três missões não tripuladas nesta década, enquanto procura água na Lua e investiga o estabelecimento de uma base permanente lá.

A estratégia mais ampla de Pequim visa ver um astronauta chinês caminhando na Lua por volta de 2030.

Os Estados Unidos também pretendem devolver os astronautas à Lua, com a NASA pretendendo lançar a missão Artemis-3 em 2026.

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *