O tempo vê…o estudante de filosofia

O tempo vê…o estudante de filosofia

A máquina de lavar, o carro, o fax, o celular… e agora a inteligência artificial. Todos estes maravilhosos desenvolvimentos tecnológicos deveriam, em princípio, poupar-nos muito tempo. e daí ?


“Em teoria, é verdade que a tecnologia pode libertar-nos de algumas tarefas dolorosas”, afirma Mario Ionos Maruchan, doutorando em filosofia política na Universidade de Montreal, que se mudou para Paris, onde continua os seus estudos. “Mas o que fazemos com esse tempo livre? Sempre há mais e mais coisas para fazer.”

O estudante cita o trabalho do filósofo alemão Hartmut Rosa, que estudou o fenômeno da “aceleração social”, conceito em cujo cerne está a necessidade de fazer mais coisas em menos tempo. Quanto mais forte for a aceleração, mais escasso se torna o tempo-mercadoria e maior é o stress que causa.

Mas “ao contrário da hipótese amplamente difundida, a tecnologia não é em si uma causa de aceleração social”, escreve Rosa no seu trabalho (especialmente Aceleração – uma crítica social do tempo, publicado em 2013). Na era industrial, tal como na era digital, as revoluções tecnológicas sempre tiveram como objectivo responder ao problema das restrições de tempo.

Rosa ressalta que a aceleração “técnica” (ou seja, o aumento da produção por unidade de tempo, por exemplo, o aumento do número de quilômetros percorridos em tantos minutos, o número de bytes baixados por segundo, o número de roupas lavadas em uma carga) deveria , em princípio, isso leva a um aumento do tempo livre. Se um indivíduo tiver mais tempo livre, o ritmo de sua vida desacelera e o estresse diminui.

No entanto, este não é o caso. Por que ? Porque o número de tarefas a realizar aumenta ao ritmo da aceleração técnica, e até ultrapassa isso. Se sua tarefa era processar 10 emails em 2 horas na década de 1990, você poderá processar 50 emails em 2024 usando email. Mas você ainda precisa dedicar duas horas por dia a isso, ou até muito mais.

READ  China: Dois altos funcionários da cidade de Xi'an demitidos após o surto de COVID-19

Então o ganho em tempo livre é…zero? Se você não tomar cuidado, isso acontece.

O que Hartmut Rosa sugere para reconsiderarmos nossa relação com o tempo? O filósofo não defende tanto a “desaceleração” ou uma forma de “fazer menos”, mas sim o conceito de “ressonância” ou uma forma de “fazer melhor”, como explica Mario Iono Marucán.

Ressonância, segundo Rosa, é estar atento ao que nos rodeia, sentir o barulho, caminhar na mata e prestar atenção à natureza. “É uma relação com o tempo que não é tão revolucionária quanto a relação com a histerese”, diz o estudante. “Uma desaceleração”, e até mesmo um “decrescimento”, diz Maruchan, “poderia levar a uma revolução política para a qual nem todos estão preparados…”

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *