Omicron em Nova York e partes da Costa Leste dos Estados Unidos

Algumas grandes cidades do nordeste dos EUA, incluindo Nova York, que foi atingida pela primeira vez por uma onda de COVID-19 ligada à variante Omicron, estão começando a ver a taxa de poluição diminuir, embora a tendência permaneça otimista nacionalmente.

• Leia também: Omicron: Devemos começar o tratamento novamente e trazer de volta a equipe apesar dos riscos, diz FMSQ

• Leia também: COVID: Vacinação infantil começa no Brasil

• Leia também: Polônia: 13 conselheiros médicos do governo renunciam e denunciam inação no COVID-19

Esses primeiros sinais parecem indicar que um pico foi atingido em alguns lugares, seguindo um padrão de rápida ascensão meteórica seguida de uma depressão, já observada na África do Sul ou no Reino Unido.

Assim, Nova York registrou uma média de 28.500 casos por dia em 10 de janeiro, em comparação com 42.000 casos há quase duas semanas, segundo dados oficiais da cidade.

A tendência também foi de desaceleração em Washington, DC, que foi duramente atingida pela Omicron.

O mesmo padrão está em Chicago ou em alguns estados como Nova Jersey ou Maryland.

No entanto, os especialistas fazem questão de tirar conclusões precipitadas, diante de um vírus imprevisível e a maioria dos países ainda registra curvas crescentes de casos.

Atualmente, o país registra uma média de 780.000 novas infecções por dia.

Os primeiros casos de Omicron foram identificados no início de dezembro nos Estados Unidos, e essa variante, que rapidamente se tornou a maioria, desencadeou uma quinta onda em níveis não vistos desde o início da pandemia.

Embora o omicron geralmente cause casos menos graves de doença do que a variante delta, também é mais contagioso e, portanto, leva a surtos de infecção. Portanto, a porcentagem de pessoas que adoecem gravemente não é insignificante em termos absolutos.

READ  O papel da formação | Washington aceita a retirada de suas forças de combate que ainda estão no Iraque

Assim, o país bate recorde de internações hospitalares, com quase 160 mil pessoas com COVID-19 ocupando atualmente um leito.

Em média, mais de 1.700 pessoas morrem da doença todos os dias nos Estados Unidos.

Veja também:

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *