Os cientistas resolvem o mistério da antiga “Árvore da Vida”.

Os cientistas resolvem o mistério da antiga "Árvore da Vida".
  • Escrito por Helen Briggs
  • Correspondente de Meio Ambiente

Fonte da imagem, Imagens Getty

Comente a foto, O baobá é conhecido como “árvore de cabeça para baixo” ou “árvore da vida”.

Os cientistas resolveram com sucesso o mistério das origens dos antigos baobás.

De acordo com estudos de DNA, as famosas árvores apareceram pela primeira vez em Madagascar há 21 milhões de anos.

Suas sementes foram posteriormente transportadas pelas correntes oceânicas para a Austrália e também para a África continental, e se desenvolveram em espécies distintas.

Os investigadores apelam a maiores esforços para preservar as árvores, que, segundo eles, podem estar mais próximas da extinção do que se pensava anteriormente.

Os baobás são conhecidos como a “árvore da vida” ou “árvore de cabeça para baixo” por suas formas bizarras e longevidade. Eles estão em apuros por causa das mudanças climáticas e do desmatamento generalizado.

Fonte da imagem, Imagens Getty

Comente a foto, O baobá africano cresce na maior parte do continente

A Dra. Elia Leach, do Royal Botanic Gardens, Kew, trabalhou no estudo, ao lado de seu marido, o professor Andrew Leach, da Queen Mary University of London.

Ela disse à BBC: “Conseguimos identificar a origem dos baobás, que são uma espécie-chave distinta que sustenta uma ampla gama de animais e plantas, bem como de humanos”.

“Os dados permitiram-nos fornecer novos conhecimentos importantes que irão informar a conservação para proteger o seu futuro.”

Os investigadores estudaram oito espécies de baobá, seis das quais são encontradas em Madagáscar, uma está espalhada por toda a África e outra no noroeste da Austrália.

Fonte da imagem, AlexAntonelli-royalbotanicgardenskew

Comente a foto, Os frutos são grandes e lembram bagas

Os baobás são considerados uma das árvores mais magníficas do planeta, profundamente entrelaçados com as culturas e tradições locais.

É também conhecida como a “Mãe da Floresta” em malgaxe, a “Árvore de Cabeça para Baixo” e a “Árvore da Vida”.

As árvores podem viver milhares de anos, crescendo até tamanhos enormes e armazenando grandes quantidades de água em seus troncos para sobreviver durante as estações secas.

Seu fruto é considerado um superalimento e seu caule pode ser usado para fazer fibras usadas em cordas ou roupas.

Produzem grandes flores brancas que se abrem ao entardecer, atraem morcegos como polinizadores, que percorrem grandes distâncias para se alimentar de seu néctar, e são importantes locais de nidificação para pássaros.

A pesquisa envolveu uma colaboração entre o Jardim Botânico de Wuhan (China), o Jardim Botânico Real (Kew, Reino Unido), a Universidade de Antananarivo (Madagascar) e a Universidade Queen Mary de Londres (Reino Unido).

Siga Helen no Twitter @hbriggs

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *