PAMMERZ. Livros Appameans, trinta anos de história, uma nova cara

PAMMERZ.  Livros Appameans, trinta anos de história, uma nova cara

Básico
Todos os anos a associação organiza uma feira do livro, que já mudou várias vezes. Appameans of the Book, criado por um grupo de romancistas e escritores, celebrará seu 30º aniversário na próxima primavera.

E no berço dos Apamitas dos Livros, durante a fundação da Sociedade, há quase trinta anos, concentrava-se um pequeno núcleo de bons escritores e historiadores locais, como Alan Rouch, George Patrick Gleizes, Louis Claeys, ou mesmo Christine Clairmont . “O objetivo era dar destaque à região e aos seus escritores”, lembra Alan Roche, que foi presidente da associação durante mais de uma década, até 2015. Mas a feira do livro mudou gradualmente ao longo dos anos.

Andarilho, de Capelles a Joie de Mel

E assim o salão mudou várias vezes de localização, da sala Jeu-du-Mail para o Lycée, passando pela Maison des Oeuvres, durante a pandemia… “O primeiro ano, pelo que me lembro, foi na sala Capelles”, Alain Roche continua: “E ainda não foi reformado.” “Ela estava em seu estado normal. E aqui recebemos a filha de Jean Giono! Ela não disse nada, mas acho que não achou isso bem-vindo.”
Pedra por pedra, todos contribuíram para a construção. Por exemplo, Alan Roche foi a origem do concurso de contos relançado em 2003, que anteriormente existia em caráter episódico. “Temos entre 80 e 220 respostas todos os anos”, continua Alan Roche. O ponto de partida será determinado no final do mês. Não impomos um tema específico, apenas as duas primeiras palavras do texto, e também a sua extensão… Ainda existem algumas limitações.

Nicole Bernard-Villa e Monique Etier querem dar um toque de beleza à sua feira de livros.
DDM – DDM

Tentando fazer uma reforma

O salão também mudou de natureza e se diversificou: “Hoje trabalhamos com escolas de ensino fundamental, até mesmo de ensino médio”, diz Alan Roche. A feira abriu-se a novos temas: “Para este ano escolhemos ‘L’Imaginaire’”, afirma Nicole Vella, que assumiu a presidência da associação em janeiro passado. como oferecer reuniões inovadoras.” Assim, uma mesa redonda poderia reunir muitos pesquisadores do Centro Nacional de Pesquisas Científicas sobre a construção da imaginação e suas raízes. Os organizadores contactaram também a editora “Les Moutons Électriques”, que publica livros “mas cujo conteúdo é muito moderno e contemporâneo sobre ‘cultura popular’, ‘cultura geek’, fantasia e ficção mitológica, directamente sobre o nosso tema”, continua Nicole Villa. “Essa editora tem como público-alvo um público amplo de adolescentes, jovens, jovens adultos. Claro que nada é certo ainda. Estamos apenas explorando, e é sempre um longo caminho da xícara até a boca.

Transformação em “Festival do Livro”

Principalmente porque a feira do livro planeja uma nova fase de transformação, “Temos que nos renovar”, afirma Monique Etier. A ideia é transformar o show em festival, diz Nicole Vella. Estamos pensando em trazer food trucks, por exemplo, para que o público e os escritores convidados possam compartilhar um momento de relaxamento, se assim desejarem. Uma novidade, mas sem velas, para esta 30ª edição da feira do livro. O evento, e a associação que o apoia desde o seu início, preferem abrir novas páginas de escrita.

A edição deste ano do Salão do Livro será aberta com um simpósio organizado por Pascal Cignard, romancista do Prémio Goncourt 2002, cujo livro “Les Heures Heureuses” foi recentemente publicado. Para contactar a associação: lesappamennesdulivre@gmail.com

READ  ChatGPT estará disponível no Android muito em breve

You May Also Like

About the Author: Genevieve Goodman

"Criador. Fã de café. Amante da Internet. Organizador. Geek da cultura pop. Fã de TV. Orgulhoso por comer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *