Para navegar: a pandemia é necessária, Jacques Fabre Transat vai ignorar o Brasil

Na quinta-feira, os organizadores da Transat, Jacques Vabre, revelaram a pista de 2021 para a popular corrida de duplas. Aberto a várias classes de barcos, partirá no dia 7 de novembro de Le Havre, como de costume, mas chegará pela primeira vez à Martinica, saindo do Brasil e oferecendo diversos roteiros. Para a décima quinta edição, a finalização será julgada em Fort-de-France, após completar duas cópias em Salvador da Bahia.

“A situação de saúde e o nível de comprometimento dos portos no Brasil não nos parecem em linha com nosso objetivo absoluto de iniciar uma transação”, disse à AFP o diretor da prova, Francis Le Gove. A candidatura da Martinica é excelente. Vemos todas as vantagens. No final da corrida, todos ficarão satisfeitos. “

Um paraíso na costa do Brasil para os barcos mais rápidos

O prefeito de Le Havre, Edward Philip, também concorda. “Quer seja no início onde tentamos organizar um roteiro que nos permita desde Le Havre ver os barcos, e na chegada, é bom que me atrevo a garantir o espetáculo, de qualquer maneira fazê-lo para que seja um momento de partilha e de admiração. “de-France visivelmente se presta a isso. Isso é algo a que estivemos muito atentos e estaremos mais atentos. O desafio é fazer com que aqueles que permanecem na Terra cheirem a maresia e cheirem um pouco mordeu. “

A Martinica ainda não sediou uma corrida dessa escala. A ilha vizinha de Guadalupe é a parada final da Route de Rum, uma corrida de solteiros que começa em Saint-Malo a cada quatro anos.

Todos os barcos, vindos em quatro classes (Classe40, Imoca, Multi50 e Ultimes), deixarão Le Havre ao mesmo tempo e descerão em direção à Baía de Biscaia, em direção ao sul. Uma vez em Cabo Verde, a classe mais lenta (classe 40) partirá para a Martinica, enquanto as outras irão para o sul ao atravessar a terrível recessão.

READ  Suécia vence Argentina e Brasil é eliminado pela Jamaica

O mais rápido (Ultimate) mergulhará para a Ilha da Ascensão enquanto Imoca e Multi50 passarão do arquipélago brasileiro Fernando de Noronha, antes de voltar para Fort-de-France, onde a linha de chegada será visível do solo. A regata deverá ser realizada em até 14 dias de acordo com o diretor de regata, na qual os 70 barcos participantes serão “extraordinários”.

as notícias Fundamentos da manhã

Um tour pelas novidades para começar o dia

Em 2019, Yann Eliès e Charlie Dalin, a bordo do novo monoplaneta “Apivia”, venceram o evento na categoria carro-chefe Imoca.

You May Also Like

About the Author: Winona Wheatly

"Analista. Criador. Fanático por zumbis. Viciado em viagens ávido. Especialista em cultura pop. Fã de álcool."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *