Paris Saint-Germain: Na Copa América, Marquinhos também lidera o Brasil

Desde que herdou a braçadeira de capitão no Paris Saint-Germain, depois de Thiago Silva, Marquinhos usa a braçadeira do Brasil com uma legitimidade que não sofre qualquer disputa. Este não é um feito pequeno para o defensor central escolher, uma vez que esta característica mudou frequentemente. Na primavera de 2019, Neymar perdeu a braçadeira de capitão após uma bofetada contra um espectador após perder a final da Copa da França para o Rennes.

Na noite de sexta-feira (sábado às 2h, horário da França, ao vivo no L’Equipe), Marquinhos será mais uma vez o esteio do Brasil que enfrentará o Chile nas quartas-de-final da Copa América. Nos quatro confrontos da fase de grupos que se seguiram às eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022, Marquinhos, de 27 anos, jogou três vezes no centro da defesa, duas ao lado de Eder Militão e uma contra a Colômbia (2-1) com… Thiago Silva, ex-titular do braçadeira, principalmente durante o fracasso da Copa do Mundo de 2014.

Este não deixou de dizer tudo de bom que pensa do ex-companheiro que não esperou realmente para vestir a braçadeira para assumir uma posição de liderança. “Marquinhos? Ele fala por si … brinquei com ele sete anos, ele me ensinou muito mesmo sendo mais novo que eu! Parece ter a minha idade (Nota do editor: 36 anos) Ele é muito esperto. Ele é um dos 3 melhores defensores do mundo. Ele deveria estar na equipe FIFA. Ele faz coisas que jogadores de sua idade não costumam fazer. “

A Copa do Mundo está no fundo de sua mente

Depois de acenar para o Coupe de France, ele se juntou à sua escolha com inveja, depois de ter sido negado uma reunião em fevereiro passado devido a problemas de saúde. Chegou até a se tornar artilheiro, como já fez várias vezes nesta temporada, na primeira partida contra a Venezuela (3-0).

READ  Cafu III, Dani Alves IV, Top 10 melhores defensores do mundo durante o século 21 (90 min)

Muitas vezes referido como o capitão “perfeito”, Marquinhos usou a braçadeira pela primeira vez com o Brasil em 2017. Ele então se tornou o mais jovem de treze capitães nomeados por Tito. Se mais tarde ele desistiu durante as competições e os altos e baixos da vida muitas vezes tumultuados para escolher Auriverde, e mesmo que no início de junho ainda fosse Casemiro quem carregava a braçadeira nas duas primeiras partidas das eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022, foi o parisiense quem Foi então restaurado. Naturalmente, foi ele quem falou em nome do grupo para justificar o abandono de um possível boicote à Copa América.

Enquanto espera as férias antes de voltar ao Paris Saint-Germain, onde Sergio Ramos o espera, Marquinhos fica feliz em disputar as eliminatórias nas quais garante que o Brasil chegue com “confiança e experiência”. Ele gostaria de suceder o ex-capitão parisiense Dani Alves, que conquistou a Copa América em 2019 contra o Peru (3-1). Aí ele poderá pensar na temporada 2021-2022 em que sonha em ser o primeiro a ganhar a Liga dos Campeões e depois a Copa do Mundo. Programa Inferno. Mas podemos contar com ele para nos prepararmos para este desafio.

You May Also Like

About the Author: Winona Wheatly

"Analista. Criador. Fanático por zumbis. Viciado em viagens ávido. Especialista em cultura pop. Fã de álcool."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *