Premier League Europeia | Autópsia de falha fatal


Alexander PrattAlexander Pratt
Jornalismo

Três grandes potências dominam o mundo: estupidez, medo e ganância. ”

Albert Einstein

estupidez

Esta é uma história de fracasso completa. Um fracasso miserável. de berezina. A ambiciosa liga de futebol criada no domingo, conspirou na segunda-feira e partiu para morrer na terça-feira, tendo como pano de fundo gritos de rebelião de torcedores, jogadores e treinadores. Um caso da escola do capitalismo brutal que será ensinado no HEC pelos próximos vinte e cinco anos.

mínimo !

Eu sumarizo.

Na noite de domingo, 12 grandes clubes da Europa estabeleceram uma nova competição. Liga Premiada. Estamos falando sobre o fim do fim aqui. Colha a manteiga ou a nata da safra. Equipes que até os não iniciantes conhecem: Barcelona, ​​Real Madrid, Manchester United …

Promete esta Premier League? Um maravilhoso. Muitos e muitos grandes. Super estrelas. Super duelos. Estádios maravilhosos. Excelente tecnologia. Todas as quartas-feiras à noite, horário nobre. Em vez da outra grande competição, a Liga dos Campeões, que é aproximadamente equivalente às eliminatórias do futebol europeu.

Isso não é legal?

Bem, não, especificamente. É uma má idéia. Um dos mais idiotas da história dos esportes. Porque ao contrário da Champions League, que premia os clubes com melhor desempenho nas ligas nacionais, a Premier League não era uma meritocracia, mas sim a mais rica.

O que ?

plutocracia. Uma liga exclusiva dedicada às equipes mais ricas. Os 12 clubes fundadores certamente farão parte disso. para sempre. sem a necessidade de se qualificar. Em seguida, eles convidaram alguns outros clubes ricos, a cada ano, de acordo com seu humor. Um pouco como um carregador pegando clientes na entrada de um bar.

READ  Pelé apóia Neymar para quebrar o recorde de gols do Brasil

Este plano irritou dezenas de milhões de apoiadores. com razão. É escandaloso. Os doze clubes se defenderam apresentando seu draft como cópia e cola das ligas norte-americanas. Veja a NBA. American Football Association. Liga Principal de Beisebol. NHL. São todas ligas “fechadas”, como a nossa. Isso significa que o Sorrell Falcons, apesar de sua qualidade, não poderá jogar na NHL.

Foto de Adrien Denis, AFP

Uma manifestação contra a criação da Premier League, em frente ao estádio do clube inglês Chelsea, terça-feira

boa tentativa. No entanto, a comparação é enganosa. O plano da Premier League não é apenas criar uma liga “fechada”. É também para limitar o acesso às eliminatórias – atualmente abertas – para toda a Europa!

Quer uma comparação mais justa? É como se o Montreal Canadiens, o Toronto Maple Leafs, o New York Rangers, o Boston Bruins, o Detroit Red Wings, o Chicago Blackhawks, o Philadelphia Flyers e o Los Angeles Kings residissem nele. Mas na primavera, eles tiveram seus próprios playoffs. apenas entre eles. todo ano. Deixando outros clubes para lutar pela profana Copa Stanley.

Você ficará feliz?

Se você é fã de canadenses, talvez. Porque as chances de vitória no Hab aumentarão. Agora imagine o mesmo cenário. Mas com o lugar canadense Dallas Stars. Majeed será desclassificado do torneio mais famoso. para sempre. como vai ser sua reação? Definitivamente um erro. Muito ruim. Você pode até queimar o lixo. ou dois. ou três.

Essa é a atmosfera que prevaleceu na Europa por 48 horas. Diante da raiva dos torcedores, os seis clubes ingleses, na noite de terça-feira, deixaram a Premier League. O Inter de Milão fez o mesmo. Milão, Barcelona e Atlético de Madrid se preparavam para imitá-los. O bloco dos 12 estava desintegrando rapidamente o império soviético no final. No momento em que este artigo foi escrito, o epitáfio estava inscrito no túmulo da Premier League.

READ  Jasly está comprometida com a Fundação Sina

o medo

Retorne ao projeto. Por que os 12 clubes inicialmente quiseram criar esta Premier League? Por duas razões. intrinsecamente ligado.

Medo e ganância.

Primeiro, medo. Nos últimos anos, devido à falta de bons resultados, os principais clubes europeus viram frequentemente negada a Liga dos Campeões. Principalmente na Inglaterra. Por um motivo muito simples: para se qualificar, o clube inglês deve terminar entre os quatro primeiros do campeonato nacional.

Agora, na Inglaterra, existem seis clubes muito, muito ricos. E outras formações capazes de surpreender. Portanto, nesta temporada, quatro clubes fundadores da Premier League Chelsea (5e), Liverpool (6.)e), Tottenham (7.)e) e Arsenal (9.)e), o risco de exclusão da Liga dos Campeões, em favor de gatinhos como o Leicester e o West Ham.

É irritante.

Porque a ausência na Liga dos Campeões priva esses grandes clubes de dezenas de milhões de receitas. No entanto, menos dinheiro, menos empregos. Menos contratações, menos vitórias. Menos vitórias, nenhuma Liga dos Campeões. O ciclo começa novamente. O Arsenal caiu nessa espiral descendente. E não goste.

Beleza da Premier League? Ela eliminou completamente esse medo da exclusão. Porque agora, o lugar foi comprado em uma “rede”. pago. segurado. Literalmente.

Outra vantagem da Premier League: Chega de jogos da primeira fase contra campeões de países menores. e riscos associados. No outono passado, por exemplo, o Real Madrid foi derrotado pelo jogador de Donetsk, o Shakhtar. Há dois anos, a Juventus perdeu o Torino para o clube suíço Young Boys. É embaraçoso. insultante. Em seguida, as críticas dos jornalistas devem ser respondidas. Livro da coluna. Ultras.

Isso pode ser assustador. Sem falar que é desagradável. Os problemas de uma vaga garantida na Premier League desaparecerão imediatamente.

READ  Pelé ou Ronaldo? Uma polêmica sobre uma cabra divide o vestiário do Manchester United

Exceto como bem afirmou o treinador do Manchester City, Pep Guardiola, que se opôs ao projeto: “Se você não pode perder, não é um esporte.”

Ambição

Finalmente, o ponto crucial da questão.

Capital.

Os super clubes sempre querem mais. Direito. É assim que funciona o capitalismo. Pois foi, o JPMorgan Chase estava pronto para assinar um cheque de 3,5 bilhões de euros (cerca de 5,3 bilhões de tesouros) para lançar a Premier League. O suficiente para ajudar o Barcelona e o Real Madrid a reduzir suas dívidas massivas que ultrapassam um bilhão de dólares.

Mas, como vários colunistas antes de mim apontaram, capitalismo é uma coisa. O capitalismo brutal é outra coisa.

A Premier League veio de segundo lugar. Sua estada destacaria as já grandes disparidades entre os clubes. Isso enriqueceria um punhado de proprietários gananciosos, às custas de outros. Isso prejudicaria o esporte. No espírito de competição. Isso abafaria as esperanças dos torcedores de Donetsk, Lyon, Leicester, Belgrado ou RB Leipzig de ver o time da casa avançar na classificação, se qualificar para a Liga dos Campeões e receber as maiores estrelas do futebol em seu estádio.

Como um historiador de guardião Jonathan Liu: “Só quem odeia tanto o futebol pode se esconder atrás da Premier League.”

Felizmente, as horas da Premier League parecem contadas. E o futebol salvo.

You May Also Like

About the Author: Winona Wheatly

"Analista. Criador. Fanático por zumbis. Viciado em viagens ávido. Especialista em cultura pop. Fã de álcool."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *