Presidência na França: a contagem regressiva começou

Dentro de uma semana, a França terá escolhido a quem confiar as chaves do Eliseu por cinco anos. Enquanto isso, o presidente cessante Emmanuel Macron e a candidata de extrema-direita Marine Le Pen colocarão todas as suas forças na briga, com um clímax há muito esperado, o debate supostamente se opondo a eles na quarta-feira.

• Leia também: Assessores dizem que proibição do véu não é mais prioridade de Le Pen

• Leia também: Presidência: Em D-7 ou Macron-Le Pen ou “Escolha da Civilização”

• Leia também: A ativista ambiental de Macron, “Mãe” Le Pen

Com apenas uma pausa para o domingo de Páscoa, os dois candidatos estão de volta aos trilhos na segunda-feira, embora com pequenos passos, a fim de se preparar para o debate televisionado de quarta-feira que pode marcar um ponto de virada no segundo turno da campanha.

Aumenta a pressão sobre o candidato do Rally Nacional que em 2017 afogou Emmanuel Macron (La République en Marche, LREM). E não há dúvida de que seu oponente, mesmo que tenha uma pequena vantagem nas pesquisas de opinião, não recuará em seus golpes.

Ele vencerá no domingo em uma faixa de 53 a 55,5% contra 44,5 a 47% de Marine Le Pen, a candidata presidencial com um leve avanço, mas dentro da margem de erro e, portanto, não a salvo de um movimento errado ou forte mobilização de eleitores anti-Macron.

Desta vez Marine Le Pen acha que está melhor preparada para a discussão e diz que está “muito calma”.

Para a candidata de extrema-direita, que está tentando consolidar sua credibilidade e suavizar sua imagem, “é um momento importante porque há muitos franceses assistindo”.

READ  A Organização Mundial da Saúde monitora uma das subvariáveis ​​da variável delta

“Li muitas inconsistências sobre meu projeto por alguns dias, muitas charges, até notícias falsas, e é muito importante que eu passe um momento com todos os franceses interessados ​​(…) no sábado.

Durante as duas voltas, realizou duas grandes conferências de imprensa sobre questões soberanas, instituições e diplomacia, interveio muito nos meios de comunicação e realizou uma manifestação, em Avignon (sul), na quinta-feira à noite.

Diante do apoio que sua adversária conquistou, da esquerda e da direita, ou da sociedade civil, ela mantém o tema do poder de compra ao invés de sua primeira identidade, a imigração, e tenta persuadir o partido que é popular entre o eleitorado.

Seus assessores trabalharam novamente no domingo para desminar o tema delicado, o uso do véu, ressaltando que interdá-lo no espaço público que a candidata deseja não é mais uma de suas prioridades na luta contra os islamistas.

Eles também subiram à lousa diante de novas acusações de seu candidato, denunciando uma “bola fedorenta”.

O Escritório Europeu Antifraude acusou Marine Le Pen e seus parentes de desviar cerca de 600.000 euros em fundos públicos europeus durante seu mandato como membros do Parlamento Europeu, de acordo com um novo relatório apresentado em março à justiça francesa.

Para Emmanuel Macron, o debate de quarta-feira será um “momento de esclarecimento”. “Acho que tenho um projeto que merece ser conhecido e tenho a sensação de que na extrema direita há um projeto que merece ser esclarecido”, disse ele em entrevista transmitida pela TF1 TV no domingo. Canal.

No modelo, “o desafio é ser persuasivo e persuasivo sem assumir um tom excessivamente profissional”, assegura os que o rodeiam.

READ  Xangai também está isolando casos negativos

Aprendendo as lições de 2017, quando chegou ao debate despreparada e exausta, depois de duplicar o número de viagens, Marine Le Pen limitar-se-á no início da semana a uma segunda-feira de manhã incursão na Normandia (Noroeste), sob o tema “Conheça o Francês: Uma Missão de Persuasão”. Antes de concordar em se aposentar um dia e meio no Ocidente para estudar seus arquivos.

Deve realizar seu último grande comício na quinta-feira em Arras, cidade de Pas-de-Calais (Norte) onde Emmanuel Macron ficou em primeiro lugar no primeiro turno com 29,48% dos votos, seguido em segundo lugar (24,03%) por Jean -Luc Melenchon de La France Insoumise (22,86%).

Emmanuel Macron organizou a primeira reunião de ida e volta no sábado em Marselha (sul), em grande parte dedicada ao meio ambiente e às mudanças climáticas, enviando sinais aos eleitores de esquerda que ele espera reunir.

Ele estará na rádio France Culture na segunda-feira de manhã e será um convidado no programa “C à vous” à noite no canal de TV France 5.

Ele pode fazer uma curta viagem a Ile-de-France na terça-feira e chefiará o Gabinete na manhã de quarta-feira. Quanto ao pós-debate, ele deve fazer uma última viagem ao distrito, concluindo com um comício lotado de sexta-feira.

Ele resumiu em sua entrevista no TF1: “Conecte, explique, compartilhe e, às vezes, alegrias, raiva e medos”.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *