Presidente brasileiro Jair Bolsonaro durante uma operação de sedução em Davos

Presidente brasileiro Jair Bolsonaro durante uma operação de sedução em Davos

O presidente brasileiro tentou na terça-feira atrair industriais reunidos em Davos, na Suíça, para participar do Fórum Econômico Mundial. Mesmo que isso signifique colorir seu discurso com um pouco de verde para agradar seu público e atrair investimentos.

Publicado em: uma média :

Jair Bolsonaro, um notório céptico climático, adoptou um tom algo conciliatório perante o público do Fórum Económico Mundial, geralmente empenhado no combate ao aquecimento global, mas também ligado aos seus jactos privados. O novo presidente brasileiro aproveitou a sua visita a Davos, terça-feira, 22 de janeiro, para esmagar a esquerda e atrair a simpatia dos principais líderes e tomadores de decisão do mundo.

“O Brasil precisa de vocês, e o oposto também é verdadeiro”, disse o presidente de extrema-direita durante a sua cerimónia internacional de baptismo de fogo diante dos principais líderes económicos e políticos reunidos, como todos os anos, numa estância de esqui nos Alpes Suíços.

Prometendo cortes de impostos, bem como redução de barreiras regulatórias e melhoria do clima de negócios, ele disse que queria “apresentar o novo Brasil” em um breve discurso. O novo líder brasileiro parecia relativamente nervoso, mantendo-se fiel às suas observações, durante o seu discurso e na curta sessão de perguntas e respostas que se seguiu.

Registre um jato particular

Um novo recorde de 1.500 voos privados é esperado esta semana nos aeroportos ao redor de Davos, de acordo com um comunicado de imprensa da Air Charter Service (ACS), ou 200 a mais que no ano passado. Jair Bolsonaro sublinhou que “os esforços ambientais e de desenvolvimento devem andar de mãos dadas”, enquanto o seu programa económico faz estremecer muitos ativistas ambientais.

READ  Pelo nome dos treze embaixadores que se preparam para receber suas credenciais

O organizador da história do Fórum da Economia Mundial, Klaus Schwab, tem uma assinatura para o auditório e souhaitant “o melhor” do novo presidente do Bresilien, e entre as “grandes oportunidades” em que se encontram.

Jair Bolsonaro também aproveitou a sua aparição perante uma audiência comprometida com o liberalismo económico para esmagar a esquerda na América Latina, uma retórica familiar aos brasileiros, mas inesperada no cenário internacional. Sublinhou que “a esquerda não se imporá na região, o que é bom do meu ponto de vista”, considerando que se recusa a permitir que a região se torne “bolivariana”.

O seu comentário político também foi feito por Mike Pompeo, que foi persuadido pelos organizadores do Fórum Económico Mundial a falar por vídeo na ausência de Donald Trump e de toda a sua comitiva devido ao “lockdown”.

Falando de “perturbação positiva”, o Ministro dos Negócios Estrangeiros disse: “Ao longo dos últimos anos, em todo o mundo, os eleitores enviaram para casa políticas e alianças políticas que acreditam não representar os seus interesses”.

Ele citou como exemplos “novos rumos escolhidos pelo povo”, o Brexit, “a ascensão do Movimento 5 Estrelas na Itália” e as eleições de Jair Bolsonaro e Donald Trump. Mas também Emmanuel Macron. É uma comparação surpreendente, numa altura em que o próprio presidente francês enfrenta um protesto social, nomeadamente o protesto dos coletes amarelos.

Chato Davos

Mas estas intervenções não perturbaram a reunião especial em Davos, este ano, entre as principais figuras que acolheram a edição de 2018, liderada por Donald Trump e Emmanuel Macron.

A atmosfera entre os quase 3.000 principais líderes e legisladores reunidos até sexta-feira em Davos, que todos os anos se transformam num campo entrincheirado, é “quase monótona. Há uma falta de energia, uma falta de convicção”, diz o economista Kenneth Rogoff. especialista econômico. Ótimo regular aqui.

READ  E um aumento de 30% em 2022 fortalece as relações económicas

Caberá, portanto, aos europeus – à chanceler alemã, Angela Merkel, acompanhada pela sua herdeira designada, Annegret Kramp-Karrenbauer, e ao primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte – ou à grande delegação chinesa, animar o resto da semana.

Com a Agência France-Presse

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *