Tênis de mesa, um esporte típico húngaro

O tênis de mesa mantém uma mania de respeito em seu país natal, a Hungria, onde os jovens, por sua vez, se encaixam neste jogo centenário que requer estratégia e engenhosidade.

Este primo longe do pingue-pongue não se confunde com o pai brilhante: mais discreto, é jogado sobre uma grande mesa lisa e polida, obviamente verde, que representa um campo em miniatura. Os dois jogadores em competição têm pontos circulares coloridos que devem ser movidos para marcar gols usando uma régua ou um dedo simples usado para empurrá-los em direção à bola.

“É realmente o nosso esporte nacional, um pouco como a petanca para os franceses ou o beisebol para os americanos”, explica Átila Bix, de quem participa desde a infância. “Quando o futebol chegou à Hungria, pegamos a prancha tática e reformulamos o jogo com os dedos em casa”, diz o jogador de 60 anos. “Naquela época, usávamos botões reais que deslizavam bem”, diz ele, e pega uma cópia valiosa e gasta.

Na década de 1950, o futebol viveu sua época de ouro na Hungria comunista, que então dominava todos os rankings mundiais. “Botões de futebol” são produzidos em massa lá e os fãs colam fotos de seus heróis favoritos neles. Aos oito anos, Átila Bex começou a colecioná-los. Agora aposentado, ele ainda gosta tanto do esporte indoor que abriu um museu perto de Budapeste, em Szigetszentmiklos. “Única pessoa no mundo dedicada a ele”, diz com orgulho, embora o sistema também tenha seguidores no Brasil. As paredes são cobertas por lenços em leque e retratos das maiores estrelas apoiadas na mesa, como o excepcional atacante Ferenc Puskas ou o lendário Pelé.

Segundo a federação húngara, o minifutebol, transmitido de geração em geração, tornou-se um pouco obsoleto após a queda do muro, sendo agora praticado por mil licenciados distribuídos por cerca de trinta clubes.

READ  David é eficiente, Gerson faz a pergunta

Mas o que ainda atrai os jovens na era dos jogos para smartphones de última geração? “Para nós, é como jogar FIFA no console, mas analógico”, ri Edward Katona, de 28 anos.

Fonte: Agence France-Presse

O tênis de mesa mantém um frenesi de respeitabilidade na Hungria, seu berço, com os jovens se encaixando neste jogo centenário que exige estratégia e engenhosidade. Este primo não deve ser confundido com pingue-pongue. Com o seu ilustre pai: mais discreto, é praticado sobre uma mesa grande, lisa e polida, evidentemente verde, …

You May Also Like

About the Author: Winona Wheatly

"Analista. Criador. Fanático por zumbis. Viciado em viagens ávido. Especialista em cultura pop. Fã de álcool."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *