Transmita sua cultura em modo híbrido como um especialista em gerenciamento de comunidade

Transmita sua cultura em modo híbrido como um especialista em gerenciamento de comunidade

“Eles se esforçam para criar 'acaso' e coincidências felizes. Isso acontece por meio da socialização”, traduz a autora e especialista em gestão comunitária, Rachel Hood Simard.

RHéveil-matin é uma coluna diária na qual oferecemos aos gestores e seus colaboradores soluções inspiradoras para começar bem o dia. Enquanto saboreia sua bebida favorita, descubra novas dicas para tornar seu 9@5 produtivo e motivado.


Acordar de manhã. paraAs organizações já possuem todos os cartões necessários para ter sucesso no mundo do trabalho híbrido, confirma Rachel Hood-Simard, que tem quase trinta anos na área de comunicação de marketing na web.

A chave é criar uma comunidade e um ambiente onde os seus membros — ou funcionários — possam nutrir os laços que os unem. Por outras palavras, para os leitores do seu livro de setembro de 2023, Sociable, Building a Strong Corporate Culture in a Hybrid World, os líderes devem inspirar-se na abordagem dos gestores comunitários às redes sociais.

“No início de 2018, comecei a fazer esta analogia. Muitas vezes, quando acompanhava líderes que tinham acabado de contratar funcionários beduínos e que não tinham oportunidades de socialização, lembrava-lhes que, se pudéssemos fazê-lo online, havia uma forma de o fazer. em business.line.

Independentemente da natureza da comunidade pela qual são responsáveis, estes gestores devem garantir que a cultura e o vínculo entre os membros sejam realmente transferidos para lá. Escusado será dizer que o trabalho remoto e a modalidade híbrida não facilitaram a tarefa das equipas de gestão corporativa, como admite a autora no seu livro, que não estavam habituadas a fazê-lo virtualmente antes de março de 2020.

Ela os convida a seguir a fórmula que desenvolveu ao longo dos anos para a gestão de comunidades virtuais, que é encontrar um equilíbrio entre as “quatro dimensões socioculturais”.

READ  Da Estação Espacial Internacional, Thomas Pesquet posta fotos de Toulouse

Portanto, os líderes devem compreender “as relações entre os membros da comunidade, as experiências que os unem, as histórias partilhadas pelos membros que transmitem valores, morais e interesses comuns, e os espaços em que os membros interagem”.

Ela ressalta que o que muitas vezes tropeça nessa matriz é a compreensão do papel dos espaços. “Não somos treinados para pensar o digital como um espaço. Temos que mudar nossa perspectiva e nos perguntar como posso adaptar esse ambiente para que relacionamentos, experiências e histórias sejam compartilhadas.”

O livro serve como ponto de partida para iniciar esse pensamento, como aponta Rachel Hood-Simard, para entender melhor a cultura de alguém, como ela é vivenciada pelos funcionários e como é transmitida, não importa onde eles estejam.

Sinergia virtual

Para os empregadores que desejam trazer os membros de sua equipe de volta ao escritório porque sentem falta da sinergia do contato presencial, ela diz que é perfeitamente possível encontrá-los remotamente.

“Eles lutam para criar o acaso e as coincidências felizes. Isso acontece através da socialização, dos momentos fora da cooperação e dos compromissos agendados”, traduz o especialista.

Ela cita, como exemplo, aqueles funcionários que se reúnem virtualmente para trabalhar, com câmera e microfone desligados. “Nossos neurônios-espelho são ativados e isso nos permite focar”, diz ela. “É uma ‘contra-reunião’, onde permite ter pequenos momentos no início e no final para discutir na máquina de café e criar essa sinergia.”

O especialista destaca que o verdadeiro desafio – e é o mesmo para todas as comunidades virtuais – é que ainda lutamos para sermos “sociais” virtualmente. O problema é que esta aprendizagem raramente está entre as prioridades dos líderes.

READ  Epimeride: golfe na superfície da lua

Liderando pessoas

Para que uma organização se destaque e crie um sentimento de pertencimento entre seus colaboradores, mesmo em uma situação híbrida, nem é preciso dizer que o estilo de gestão adotado vale seu peso em ouro, lembra Rachel Hood-Simard.

É por isso que ela incentiva os líderes a aplicarem a “liderança social”, uma abordagem baseada na empatia, gentileza e hospitalidade, qualidades que os gestores comunitários devem demonstrar.

Isto envolve particularmente “adotar uma postura de doador em vez de uma postura de tomador”, ser humilde, mas também preocupar-se com os seus colegas, explica ela no seu livro.

Assim, para além das ferramentas utilizadas para permitir que os funcionários colaborem remotamente, a chave será garantir que comportamentos encorajadores e valores partilhados “permitam que todos os membros do grupo se sintam incluídos e valorizados”, como escreve Rachel Hood-Simard.

Trabalhar remotamente ou não trabalhar remotamente, essa é a questão que está causando turbulência em muitas empresas.

Compartilhe sua opinião com nossos leitores preenchendo este formulário.


You May Also Like

About the Author: Genevieve Goodman

"Criador. Fã de café. Amante da Internet. Organizador. Geek da cultura pop. Fã de TV. Orgulhoso por comer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *