Um júri completo foi selecionado no histórico julgamento de Donald Trump

Um júri completo foi selecionado no histórico julgamento de Donald Trump

Um júri de doze e seis suplentes se reuniu na sexta-feira no histórico julgamento de Donald Trump em Nova York, então eles chegarão ao mérito do caso na segunda-feira.

• Leia também: [IMAGES] Alguém tenta atear fogo em si mesmo do lado de fora do tribunal de Trump

• Leia também: Ajuda à Ucrânia: o comentário de Trump ofende a Europa, que deve “esclarecer os factos”

• Leia também: Julgamento de Trump: já difícil e seleção do júri complicada pela regra do anonimato

Esta fase final da seleção do júri foi interrompida por uma cena horrível, quando um homem tentou atear fogo a si mesmo em frente ao tribunal de Manhattan onde o julgamento estava sendo realizado, diante das lentes e câmeras de toda a mídia mundial.

Posteriormente, a polícia identificou o autor deste ato, sem qualquer ligação aparente com o caso, como Maxwell Azzarello, promotor de teses sobre uma conspiração financeira em grande escala, cujo estado era “crítico” segundo os bombeiros.

O primeiro ex-presidente dos EUA a comparecer num julgamento criminal, Donald Trump, está a ser julgado por ocultar fundos destinados a comprar o silêncio da ex-atriz pornográfica Stormy Daniels, poucos dias antes das eleições de 2016 que foram vencidas contra ele. Candidata democrata Hillary Clinton.

O candidato republicano voltou a protestar, ao chegar ao tribunal na manhã de sexta-feira, contra um “julgamento fraudado” que o impede de fazer campanha.

Ele também criticou o juiz Merchan, “o pior de todos”, por proibi-lo de quaisquer comentários públicos dirigidos a testemunhas ou jurados, um ataque, segundo Donald Trump, ao seu “direito constitucional de se expressar” livremente, embora seja conhecido por suas declarações contundentes. . Ataques verbais. Ao final da sessão, ele denunciou a “gigante caça às bruxas”.

READ  Um grande aeroporto internacional que permite viajar sem passaporte
Sete homens e cinco mulheres

O processo de seleção de mais de 200 potenciais jurados oferecido desde segunda-feira está agora concluído, com mais de metade tendo sido dispensados ​​depois de se declararem incapazes de julgar de forma justa o ex-presidente, e outros sendo contestados pela defesa ou acusação.

Na quinta-feira, doze jurados, sete homens e cinco mulheres que residem em Manhattan, prestaram juramento depois que suas vidas foram examinadas e muitas perguntas respondidas.

Na sexta-feira, seus seis substitutos foram nomeados.

Trabalhando nas áreas de finanças, direito, comércio, educação ou saúde, os jurados, aos quais o juiz prometeu anonimato, representam um retrato da sociedade nova-iorquina. Num sinal da escala dos riscos que se avizinham, duas mulheres que não foram finalmente seleccionadas começaram a chorar ao responder às perguntas do tribunal.

“Me desculpe, pensei que conseguiria (…). É muito mais estressante do que pensei”, disse um deles.

Mais três arquivos

Mais de três anos depois de ter deixado a Casa Branca no caos, Donald Trump enfrenta teoricamente uma pena de prisão. Isto não o impedirá de enfrentar Joe Biden em novembro, para se vingar das eleições de 2020, mas direcionará a campanha para o desconhecido.

Mas se for provado que ele é inocente, seria um grande sucesso para o candidato republicano.

Especialmente porque ele conseguiu adiar seus outros três julgamentos criminais, dois em Washington e na Geórgia (sudeste) sob a acusação de tentativas ilegais de reverter os resultados das eleições de 2020, e um na Flórida (sudeste) devido ao tratamento não oficial de documentos secretos.

No caso perante os tribunais do estado de Nova Iorque, Donald Trump foi acusado de falsificar documentos contabilísticos para a sua empresa, a Organização Trump, com a intenção de esconder, sob o pretexto de “honorários legais”, um pagamento de 130.000 dólares a Stormy Daniels da sua então- advogado pessoal, Michael Cohen.

READ  Julho foi o mês mais quente do mundo

Em troca, o ex-

Mas o promotor Alvin Bragg pretende provar que se trata, na verdade, de manobras fraudulentas para ocultar informações dos eleitores poucos dias antes da votação.

Se for eleito novamente, Donald Trump poderá, uma vez empossado em janeiro de 2025, ordenar o abandono dos processos federais contra ele, em Washington e na Flórida.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *