Um negro foi espancado até a morte no Brasil: seis suspeitos acusados

Postado na sexta-feira, 11 de dezembro de 2020, 15:54

Na sexta-feira, a polícia brasileira pediu o julgamento de seis pessoas envolvidas no assassinato de um negro espancado por guardas brancos em um supermercado do Carrefour em Porto Alegre (sul).

Os investigadores disseram ter provas suficientes para que a justiça processasse os guardas, bem como contra quatro pessoas que testemunharam o ataque sem interferência.

“Os depoimentos mostraram a indiferença dos funcionários do Carrefour e da relojoeira Vector diante das atrocidades”, pode-se ler no relatório do inquérito policial.

Um dos alvos é um supervisor do Carrefour, que tentou impedir uma testemunha de filmar a cena que chocou o Brasil depois de ter sido amplamente divulgada nas redes sociais.

“Me ajude”, a voz da vítima pode ser ouvida gritando no vídeo, com o supervisor parado a alguns passos de distância. “É doloroso, vou morrer”, disse o jogador de 40 anos.

O supervisor foi preso no dia 24 de novembro, após quatro dias de vigílias.

Em 19 de novembro, véspera do Dia da Consciência Negra no Brasil, João Alberto Silvera Freitas foi espancado até a morte no estacionamento de um supermercado. Um vídeo filmado por uma das testemunhas mostra um dos seguranças dando um soco no rosto dele, enquanto o outro o congela.

Os apelos para boicotar o Carrefour se multiplicaram e houve várias manifestações em frente às lojas do grupo.

Desde então, a gigante do varejo anunciou que se encarregará da segurança de suas lojas no próprio Brasil e deixará de terceirizar essa tarefa para empresas de vigilância.

O grupo francês também anunciou a criação de um fundo de 25 milhões de reais (cerca de 4 milhões de euros) para promover medidas contra o racismo no Brasil.

READ  Bisão das planícies, lobo cinzento, gorila da montanha... espécies recalcitrantes ameaçadas de extinção - Libertação

Fornecedores do Carrefour – incluindo gigantes como Coca Cola, Danone, Pepsico, Heineken, Kellogg’s, L’Oréal e até a Nestlé – também prometeram se unir para tomar iniciativas para “combater o racismo estrutural” no país, o último das Américas que aboliu escravidão em 1888.

You May Also Like

About the Author: Echo Tenny

"Evangelista zumbi. Pensador. Criador ávido. Fanático pela internet premiado. Fanático incurável pela web."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *