Xi Jinping apela a Merkel e à União Europeia para fazerem “esforços positivos” em relação à China

O presidente chinês, Xi Jinping, disse à chanceler Angela Merkel em um telefonema na quarta-feira que espera que “a Europa faça esforços positivos em relação à China” após a polêmica sobre o tratamento dado aos uigures, informou a mídia estatal chinesa.

Leia também: Um império cada vez mais preocupante

Leia também: Aqui estamos nós novamente no meio da Guerra Fria

Leia também: China, um gigante fora de controle: uma série de análises a seguir

Este apelo foi o primeiro contato de um chefe de estado chinês com um líder europeu desde a adoção de sanções mútuas no mês passado por denúncias de violações dos direitos humanos na região de Xinjiang, o que deteriorou consideravelmente as relações entre a China e a União Europeia.

“As relações entre a China e a União Européia estão enfrentando um novo estágio de desenvolvimento, bem como vários desafios”, disse Xi à agência estatal de notícias New China, acrescentando que estava pedindo à União Européia que fizesse um “julgamento correto de forma independente”. “

A China está preocupada com os esforços dos EUA para fortalecer alianças em todo o mundo – inclusive com a Europa – enquanto o presidente Joe Biden busca conter a influência crescente de Pequim e defender uma democracia liberal fraca durante o governo Trump.

“É de extrema importância que entendamos plenamente a tendência geral de desenvolver as relações sino-europeias (…) de um ponto de vista estratégico, respeitarmos uns aos outros e eliminarmos as interferências”, disse a chanceler Merkel na reunião.

O presidente chinês acrescentou que seu país quer “praticar o multilateralismo” com a União Européia e cooperar com a Europa em questões como as mudanças climáticas.

A China e a União Europeia concluíram as negociações em dezembro sobre um importante acordo comercial, que ainda não foi ratificado pelo Parlamento Europeu.

READ  Rescuers in Norway lose hope of finding landslide survivors

No entanto, este acordo pode ser questionado após a União Europeia impor sanções à China, acusada de cometer violações dos direitos humanos em Xinjiang.

A China respondeu impondo sanções a vários membros do Parlamento Europeu, acadêmicos e ao think-tank alemão MERICS.

Em seguida, a União Europeia, os Estados Unidos, o Canadá e a Grã-Bretanha impuseram sanções coordenadas a altos funcionários chineses suspeitos de envolvimento na repressão em Xinjiang, o que levou Pequim a adotar outras sanções.

Logo depois, a gigante sueca da moda H&M foi alvo de um boicote aos consumidores chineses, após se comprometer, no ano passado, em não usar o algodão de Xinjiang, suspeito de ter sido parcialmente colhido por uigures e que foram submetidos a trabalhos forçados.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *