A Sétima Arte – A décima segunda edição do “Festival Internacional de Cinema e Memória Compartilhada” arranca na segunda-feira em Nador

A Sétima Arte – A décima segunda edição do “Festival Internacional de Cinema e Memória Compartilhada” arranca na segunda-feira em Nador

A décima segunda edição do Festival Internacional de Cinema e Memória Compartilhada de Nador (Fikmik Marrocos) será realizada de 23 a 28 de outubro de 2023 sob o tema “Migração e Memória”. Embora esse assunto deva ser respeitado em documentários, longas-metragens e curtas-metragens estão isentos.

Deixar o país de origem em busca de uma vida melhor é o desejo de imigrantes de vários países, como Marrocos e Espanha. Mas ao longo dos anos, alguns deles fizeram uma escolha deliberada ou foram forçados a retornar aos seus países de origem. Esta é uma questão atual que Sua Majestade o Rei Mohammed VI, Rei do Marrocos, levantou recentemente em um discurso oficial.

De um total de 560 filmes recebidos pela direção do festival, 27 foram selecionados com base em critérios objetivos, artísticos e estéticos por uma comissão presidida por Carlos Coelho, Diretor Artístico do FICMEC, assim distribuídos: 7 longas, 7 documentários e 13 curtas-metragens de 15 nacionalidades diferentes e de 4 continentes: Bélgica, Brasil, Canadá, Chile, China, Cuba, Egito, Espanha, Grã-Bretanha, Iraque e Polônia.

Vão concorrer aos prestigiados prémios da 12ª edição do FICMEC, evento cinematográfico e cultural que se destaca pela defesa e promoção dos valores humanos universais.

Este ano, a China é o país convidado de honra. Ela vai co-produzir duas produções nas seções de longa e curta, além da presença do proeminente diretor Ning Ying como presidente do júri de longas-metragens. O festival conta com a presença de outras personalidades chinesas do mundo do cinema, bem como do Embaixador da China em Marrocos, Sr. Li Changlin, estando previsto no programa um fórum paralelo sobre a cinematografia chinesa.

+ Personagens da Alemanha, Bulgária, Espanha, França, Itália, Portugal e Marrocos +

READ  Um filme que faz jus ao nome: 40 espectadores esquecidos num cinema brasileiro! : Cinema e séries

Se a diversidade geográfica está presente nos filmes, o cosmopolitismo também permeia a composição dos júris das três seções oficiais, que contam com personalidades do cinema mundial da Alemanha, Bulgária, Espanha, França, Itália, Portugal e Marrocos.

O júri será presidido pelo realizador chinês Ning Ying (longas-metragens), pelo brilhante jornalista marroquino Reda Benjelloun (documentários) e pelo jovem jornalista e escritor marroquino Mohamed Lamrabet (curtas-metragens). Você será homenageado em 2023 pelo diretor búlgaro Georgi Balabanov, além de Donia Hamidi, Fatima Atef e Rachid Amghtoug (atores marroquinos) e o Pisac International Film Festival for History (França).

A FICMEC não se limita ao cinema, preocupando-se também com as grandes questões da atualidade, sempre ligadas aos direitos humanos, à interculturalidade, ao diálogo como resolução de conflitos, à democracia e à paz. Aliás, este ano será organizada uma mesa redonda em torno do tema “Reimigração e Memória”, que é o tema unificador do festival.

Por fim, a cerimónia de abertura do FICMEC a realizar na segunda-feira, 23 de outubro de 2023, será uma oportunidade para atribuir ao(s) laureado(s) ainda não eleito(s) o Prémio Internacional Memória para a Democracia e a Paz, instituído pelo Shared Memory Center for Democracy and Peace, presidido por Abdeslam Boutayeb e que chega à sua sexta edição.

Quanto às sessões anteriores, este prêmio foi para Hussein Abbasi, secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores da Tunísia. José Manuel Cervera, Diretor da Fundação Três Culturas Mediterrâneas de Sevilha; José Luis Rodríguez Zapatero, ex-chefe do governo espanhol; Juan Manuel Santos, ex-presidente colombiano e Najat Belkacem Vallou, político francês, originário do Marrocos.

O Centro de Memória Compartilhada para Democracia e Paz concede este prêmio a uma personalidade ou instituição reconhecida internacionalmente por sua contribuição efetiva na luta pelos direitos humanos, democracia e paz no mundo.

READ  A maioria dos brasileiros em terapia intensiva tem menos de 40 anos

De referir ainda que a FICMEC tem muitos parceiros, patrocinadores e colaboradores, marroquinos e espanhóis, que os podem apoiar na continuação da sua nobre missão, que é a defesa dos direitos humanos através da promoção do cinema.

Assim, o FICMEC Nador, organizado por uma equipe de profissionais de diferentes áreas, encabeçada pelo Presidente Honorário Abdeslam Seddiki e CEO Abdeslam Boutaib, chega à sua décima segunda edição. Seus organizadores esperam continuar trabalhando pela democracia, pela paz, pelo respeito aos direitos humanos e pelo desenvolvimento do cinema.

Artigo 19.ma

You May Also Like

About the Author: Echo Tenny

"Evangelista zumbi. Pensador. Criador ávido. Fanático pela internet premiado. Fanático incurável pela web."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *