Ataque em Moscou: Putin reconhece um ataque “islâmico”, mas ainda aponta para Kiev

Ataque em Moscou: Putin reconhece um ataque “islâmico”, mas ainda aponta para Kiev

Vladimir Putin admitiu esta segunda-feira pela primeira vez que o ataque perto de Moscovo, reivindicado há três dias pelo grupo jihadista Estado Islâmico, foi perpetrado por “extremistas islâmicos”, embora ainda indique uma ligação à Ucrânia.

• Leia também – Ataque em Moscou: primeiros suspeitos levados a tribunal

• Leia também – Numa cidade enlutada, os residentes de Moscovo ficaram divididos sobre as acusações contra a Ucrânia

• Leia também – Luto nacional na Rússia após o massacre da Prefeitura de Crocus

Kiev e o Ocidente negaram veementemente qualquer relação entre as autoridades ucranianas e os autores deste ataque, que, segundo um novo relatório anunciado na noite de segunda-feira, deixou pelo menos 139 mortos e 182 feridos.

No entanto, Putin, mais de dois anos depois do seu ataque em grande escala contra Kiev como um conflito existencial, levantou esta ideia, que tinha mencionado anteriormente neste fim de semana, sem mencionar o envolvimento de jihadistas.

“Sabemos que (este) crime foi cometido por extremistas islâmicos que seguem uma ideologia que o próprio mundo islâmico combate há séculos”, disse ele numa reunião governamental.

E acrescentou: “O que nos preocupa é o pastor”, apelando a uma investigação “profissional”.

  • Ouça o debate político americano com Stéphane Perrault pelo microfone de Alexandre Dube QUB :

Ele perguntou-se: “Porque é que os terroristas tentaram partir para a Ucrânia depois do seu crime?” Quem estava esperando por eles lá? Ele acrescentou: “Aqueles que apoiam o regime de Kiev não querem ser parceiros no terrorismo e apoiantes do terrorismo, mas surgem muitas questões”.

“Perguntamo-nos quem beneficia com isto?” Ele acrescentou: “Estas atrocidades podem ser um novo elo na cadeia de tentativas daqueles que têm lutado contra o nosso país desde 2014 através do regime neonazi em Kiev”.

READ  Canadá retira funcionários 'não essenciais' de sua embaixada na Ucrânia

“É sabido que os nazis nunca se abstiveram de usar os métodos mais sujos e brutais para atingir os seus objectivos”, disse ele, repetindo a sua história e afirmando que o ataque na Ucrânia tinha como objectivo derrubar o regime neonazi.

Questões pendentes

Anteriormente, o Kremlin recusou-se a comentar as alegações do ISIS. Três dias depois da tragédia, muitas questões permanecem sem resposta, especialmente no que diz respeito à identidade e aos motivos dos quatro principais suspeitos.

  • Ouça a entrevista com Pierre St. Cyr, coronel aposentado e ex-adido militar canadense na Rússia e Ucrânia no Alexandre Dube via QUB :

Estes últimos, dos quais pelo menos um é do Tajiquistão, na Ásia Central, já foram colocados em prisão preventiva até 22 de maio. Eles enfrentam prisão perpétua.

Outros três suspeitos foram presos na segunda-feira na mesma data. Segundo a agência de notícias RIA Novosti, o assunto diz respeito a um pai e dois dos seus filhos, um dos quais nasceu no Tajiquistão e possui cidadania russa.

No sábado, as autoridades russas anunciaram que prenderam um total de 11 pessoas.

O grupo Estado Islâmico, contra o qual a Rússia combate na Síria e ativo no Cáucaso russo, assumiu a responsabilidade pelo ataque, mas as autoridades russas confirmaram que os supostos assassinos tentavam chegar ao território ucraniano após o ataque.

Kiev negou qualquer “ligação com o incidente”. Os Estados Unidos também rejeitaram a versão do presidente russo.

Ataque de 13 minutos

O chefe do Comité de Investigação, Alexander Bastrykin, indicou na noite de segunda-feira, durante a reunião do governo com o Presidente russo, que o número de pessoas infectadas, com toda a sua gravidade combinada, atingiu 182.

Segundo ele, e de acordo com os primeiros elementos da investigação, 40 pessoas foram mortas por balas e outras 45 em consequência do incêndio. O ataque durou apenas treze minutos, entre 19h58 e 20h11, antes de os agressores partirem, novamente de acordo com Bastrykin.

READ  Agentes do FBI apreendem telefones do prefeito de Nova York

Surgiram alegações de tortura contra os suspeitos detidos depois de terem surgido vídeos que os mostravam com rostos ensanguentados.

Outro videoclipe, cuja autenticidade não foi confirmada, mostra um dos suspeitos tendo a orelha cortada com uma faca.

Durante a audiência dos suspeitos num tribunal de Moscovo, no domingo à noite, um deles usava uma ligadura branca na orelha, enquanto outro chegou numa cadeira de rodas.

“Deficiência” e “Fracasso”

Um dos dissidentes russos no exílio, Leonid Volkov, denunciou na segunda-feira a tentativa dos serviços de segurança russos de “distrair a atenção da sua incapacidade e fracasso”, mostrando estes clipes.

O ataque ocorreu poucos dias depois de ele ter sido reeleito sem oposição para um mandato de seis anos, quando prometeu fornecer segurança aos seus cidadãos em meio à escalada de ataques da Ucrânia em território russo.

Dmitry Peskov disse na segunda-feira que a luta contra o terrorismo “requer total cooperação internacional”, mas isso “não existe de forma alguma”.

Por seu lado, o Presidente francês, Emmanuel Macron, confirmou ter oferecido a Moscovo “maior cooperação” nesta questão, explicando que a filial do ISIS “envolvida” no ataque de sexta-feira realizou “várias tentativas” nos últimos meses em território francês.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *