Eficácia confirmada da vacina Covaxin indiana

A Covaxin, a primeira vacina desenvolvida na Índia contra o COVID-19, mostrou claramente pegar a doença, mostra um estudo divulgado na quinta-feira, enquanto a Organização Mundial da Saúde (OMS) já aprovou essa vacina promissora para os países pobres.

• Leia também: COVID-19: Israel conduz um exercício sobre a mesa contra a nova alternativa

• Leia também: COVID-19: 663 novos casos e 4 mortes adicionais em Quebec

Esta vacina é “altamente eficaz contra os sintomas de COVID-19 (…) em adultos”, resume este estudo publicado em bisturi, acrescentando que é “bem tolerado”, sem efeitos colaterais graves perceptíveis.

Esta vacina já foi aprovada com urgência pela Organização Mundial da Saúde há alguns dias e foi claramente baseada neste estudo – citando os mesmos números de eficácia – mas ainda não foi anunciada.

Produzida pelo Bharat Biotech Group, a Covaxin junta-se às vacinas COVID da Pfizer / BioNTech, Moderna, AstraZeneca, Johnson & Johnson, Sinopharm e Sinovac na lista da OMS.

O estudo, com 25.000 pessoas que receberam a vacina ou o placebo, mostrou que havia cerca de três quartos a menos de casos de COVID entre os vacinados.

Esta eficácia é inferior à observada inicialmente para as vacinas de mRNA da Pfizer e Moderna, mas permanece alta.

Esta vacina é especialmente interessante para países pobres e em desenvolvimento, pois requer menos logística do que aquelas com RNA mensageiro. Deve ser armazenado em temperaturas muito baixas, o que requer grandes capacidades logísticas.

Assim, a chegada da Covaxin poderia “melhorar o fornecimento inadequado de vacinas que afetam desproporcionalmente os países de baixa e média renda”, comentaram os pesquisadores chineses Jing-Xin Li e Feng-Cai Zhu, que não estiveram envolvidos no estudo.

READ  Dirigir embriagado: dois jovens pais foram mortos poucas semanas antes do Natal

No entanto, eles observam algumas limitações: os testes foram conduzidos apenas na Índia, “o que torna o grupo estudado menos diverso etnicamente e limita a generalização desses resultados para outras populações”.

Acima de tudo, o estudo foi realizado de novembro de 2020 a janeiro de 2021, antes da generalização da variante delta, que é mais contagiosa e, portanto, potencialmente mais resistente à vacinação.

Apesar da data inicial dos ensaios, os pesquisadores foram capazes de identificar os pacientes que realmente tinham a variante delta na época. No grupo vacinado, sua proporção é dois terços menor do que no grupo placebo, indicando anteriormente que a vacina é menos eficaz contra essa alternativa, mas permanece protetora.

Para ver também …

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *