Lidl busca alternativas para a soja brasileira até outubro

Postado em 6 de julho de 2021 às 8h

Para suas necessidades de criação, a França importa 3,5 milhões de toneladas de soja por ano, incluindo 600.000 a 700.000 do Brasil, onde é parcialmente responsável pelo desmatamento na Amazônia. Diante da responsabilidade ambiental por parte dos consumidores, produtores e distribuidores procuram se livrar dessa dependência.

É o caso da marca Lidl que, em colaboração com a Fundação Earthworm, lançou uma iniciativa para promover alternativas à soja brasileira, recorrendo a proteínas vegetais: ervilha protéica, vagem, alfafa, soluções ainda mais inovadoras como óleo de inseto.

Fornecedores piloto

Um grupo de trabalho reuniu a Câmara de Agricultura de Hauts-de-France e vários produtores de rações para gado de Nord-Picardie, incluindo Novial, uma subsidiária da cooperativa Noriap, Metex Noovistago e InnovaFeed, especialista em base de insetos.

Cinco fornecedores “pilotos”: LDC, Galline, Loeuf, Lact’Union e Cirhyo são responsáveis ​​por estudar todas as soluções para substituir, em longo prazo, metade da soja brasileira na dieta de suínos, poedeiras e frangos. na carne e, no total, na alimentação de vacas leiteiras. Diretores da Lidl admitem que a meta é ambiciosa, já que a marca estima em 160 mil toneladas a quantidade de soja utilizada na fabricação de seus produtos. No entanto, na França, a produção desta leguminosa não ultrapassa 400.000 toneladas no total.

Incentive alternativas

O desafio é, portanto, estimular o uso de alternativas pelos criadores, sem comprometer o muitas vezes frágil equilíbrio econômico das propriedades. “Estamos empenhados em suportar o custo adicional dessas mudanças. Nossos parceiros e fornecedores piloto também estavam ansiosos para apoiar financeiramente os agricultores e monitorar as mudanças na produtividade ”, destaca Michel Biero, diretor executivo de compras e marketing da Lidl França.

READ  Jogos Olímpicos. Viver. Os jogadores de handebol jogam sua sobrevivência contra o Brasil

Esta mudança de prática representa um compromisso de “várias centenas de milhares de euros”, segundo o distribuidor, para cada um dos sectores em causa, em particular a suína. Os primeiros quatro produtos de origem animal (ovos, frango, carne suína e leite), feitos com soja local ou proteínas alternativas, serão comercializados a partir de outubro em supermercados selecionados.

L’initiative

Lidl

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *