No Brasil, dez favelas montaram banco próprio

No Brasil, dez favelas montaram banco próprio

“Não somos um banco comunitário, somos um banco”, Identifica imediatamente Gilson Rodriguez, CEO do banco “G10”. Em seu escritório com ar-condicionado aos pés da favela Paraisópolis, em São Paulo, o presidente da União da População quer falar sobre a riqueza produzida nesses bairros estigmatizados.

São 125 mil empresas nos dez maiores bairros do Brasil. Mais de 14 mil trabalhadores trabalham somente em Paraisópolis. Mas, segundo estudo do Instituto Lokomotiva, 45 milhões de brasileiros, a maioria na periferia, foram excluídos dos serviços bancários.

→ Consulta. Brasil está falido, os mais pobres são privados de assistência social

« Existem bancos aqui, mas eles não dão ouvidos à nossa realidade econômica. ” Sinto muito pelo Gilson Rodrigues. A conta deixa de ser paga em poucos meses, devido aos juros exorbitantes de cerca de 3%, dívidas impagáveis ​​e um registro de “mau pagador” da SPC que proíbe o acesso ao crédito vitalício.

Crédito e acompanhamento

O banco, que deve entrar em funcionamento no final de fevereiro, tem como meta facilitar o acesso ao microcrédito, para o desenvolvimento ou manutenção de atividades. “Preciso de matéria-prima e esse empréstimo vai me permitir investir para montar um estoque de tecidos”Diz um animador em uma oficina de costura Sonhos de costura (“Sonhos da Alfaiataria”) Maria Neldi Santos, 56 anos.

relatório. Brasil: 200.000 mortos, duas vacinas ao alcance

Além de um empréstimo que pode ir de 1.000 a 15.000 riais (150 a 2.300 euros), a instituição financeira oferecerá um cartão de crédito e acompanhamento dentro da “Escola de Transformação de Líderes”.

Seja o primeiro unicórnio da favela

Até o dia 26 de fevereiro, quando será inaugurada a agência, serão analisados ​​dez processos. É imprescindível que neste aparato especialmente desenhado, os 758 “chefes de rua”, que coordenam cada um cerca de cinquenta famílias, sugerissem potenciais beneficiários. As mulheres representam mais de 85%, e o Banco do Futuro pretende priorizá-las.

READ  BNP Paribas Cardif atinge receita recorde

“Eles não devem ser deixados de lado porque são negros, pobres e às vezes endividados, Defende Gilson Rodriguez, terceiro em uma família de 14 filhos. Temos tudo para fazer funcionar: o público aqui é cativo, consome na hora, e nosso negócio não faliu apesar da crise de saúde.Ele está animado.

O projeto está sendo criado em um momento em que cada vez mais brasileiros estão caindo na confusão. Na esteira da flexibilização da legislação trabalhista em 2017, ainda mais intensificada pela política ferozmente liberal do ministro da Economia, Paulo Guedes, mais de 40 milhões de brasileiros tornaram-se trabalhadores informais ou autônomos, recebendo diariamente salários e sem proteção social. A crise de saúde não ajudou. O fim da ajuda de emergência de 600 riais por mês (90 euros) pagos de abril a agosto e depois de 300 riais (46 euros) até dezembro deixa 14 milhões de desempregados sem recursos.

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *