No Brasil, Lula impõe silêncio no 60º aniversário do golpe de Estado

No Brasil, Lula impõe silêncio no 60º aniversário do golpe de Estado

Há sessenta anos, em 31 de março de 1964, o Brasil afundou na ditadura militar por mais de duas décadas. Por ocasião deste aniversário, foram planejados eventos oficiais. Mas o presidente Lula, preocupado em não ofender os militares, vetou essas comemorações. Somente a sociedade civil marchará por “ não esqueça “.

Sessenta anos depois, as feridas abertas pelo golpe de Estado de 31 de março de 1964 não cicatrizaram no Brasil. Enquanto a esquerda, ao regressar ao poder em janeiro de 2023, após quatro anos de presidência de extrema-direita com Jair Bolsonaro, pretendia comemorar o acontecimento, o chefe de Estado decidiu o contrário: Lula vetou todas as comemorações oficiais. Para grande consternação de alguns dos seus ministros, incluindo Silvio Almeida, responsável pelos direitos humanos, que pretendiam fazer um discurso em homenagem às vítimas do regime militar.

A sombra de Jair Bolsonaro e os motins de Brasília

Para Lula, ex-sindicalista que está na origem de uma greve histórica contra o governo militar, é urgente virar a página: para ele, o golpe de Estado de 1964 “parte da história”. Snosso governo, portanto, não tem razão para “concentre-se na questão”. Ao passado, ele opõe o presente e seus imperativos. “É preciso aproximar a sociedade brasileira e as Forças Armadas: elas não podem ser tratadas como inimigas”ele disse à imprensa local no final de fevereiro.

Desde que regressou ao poder, em 1 de janeiro de 2023, Lula não escondeu a preocupação com a democracia brasileira, enfraquecida pela presidência de Jair Bolsonaro. Os tumultos em Brasília em 8 de janeiro do mesmo ano, uma resposta ao ataque ao Capitólio em Washington por apoiadores de Donald Trump dois anos antes, confirmaram as intenções sediciosas de parte da extrema direita brasileira.

READ  Um jogo da NFL no Brasil

Jair Bolsonaro é suspeito pela Justiça de ter instigado junto a pessoas próximas a ele, incluindo ministros e militares de alta patente, uma “tentativa de golpe” para evitar sua derrota eleitoral em 2022. “Estou mais preocupado com o golpe de 8 de janeiro de 2023 do que com o de 1964”, disse Lula. Daí um claro desejo de não roubar o exército.

Uma decisão que decepciona a esquerda

Mas para a esquerda brasileira, os tumultos em Brasília são, pelo contrário, mais um motivo para comemorar o 60º aniversário do Golpe de Estado. A Coalizão Brasil Memória, Verdade e Justiça, que reúne mais de 150 associações, julga assim: errado » a decisão do presidente. Em comunicado à imprensa, ela afirma que “Repudiar veementemente o golpe de 1964 é uma forma de reafirmar nosso compromisso de punir também os golpes atuais e quaisquer tentativas futuras”. “Não aceitaremos que mais uma vez os governos negociem ou abdiquem dos direitos das vítimas para apaziguar os militares”Ela adiciona.

Se as manifestações oficiais forem canceladas, as da sociedade civil ocorrerão conforme planeado. Para as associações de direitos humanos, trata-se também de pedir ao governo o restabelecimento da Comissão de Mortos e Desaparecidos, criada em 1995 para investigar crimes políticos entre 1961 e 1979, e abolida por Jair Bolsonaro durante o seu último ano no poder.

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *