O governo Biden afirma que quer fechar a prisão de Guantánamo

(Washington) Uma porta-voz da Casa Branca disse na sexta-feira que o presidente dos EUA, Joe Biden, deseja fechar a infame prisão de Guantánamo antes que seu mandato expire.


France Media

Assim, o democrata assumiu a promessa de campanha de Barack Obama, que este último não pôde cumprir devido à falta de acordo com o Congresso.

Em resposta a uma pergunta em uma entrevista coletiva sobre um possível fechamento da Baía de Guantánamo durante a presidência de Joe Biden, a porta-voz da Casa Branca Jane Sackey disse: “Este é definitivamente nosso objetivo e intenção.”

Então, iniciamos um processo com o Conselho de Segurança Nacional […] Para trabalhar com várias agências federais e avaliar a situação atual […]Nós herdamos do governo anterior.

Durante sua campanha presidencial de 2016, Donald Trump demonstrou sua vontade de manter a prisão de Guantánamo aberta e “cheia de bandidos”. O republicano manteve esta posição depois de ser eleito.

Alguns dos detidos foram prometidos a libertação de Guantánamo sob seu antecessor, Barack Obama.

A prisão militar mantém presos ligados à “guerra ao terror”, incluindo o paquistanês Khaled Sheikh Muhammad, o mentor dos ataques de 11 de setembro de 2001.

Ainda mantém cerca de 40 detidos, 26 dos quais são considerados muito perigosos para sua libertação, mas os procedimentos legais estão atrasados ​​devido à complexidade de seus casos.

Logo o Exército dos EUA, sob George W. Bush, construiu este centro de detenção em uma base naval de propriedade dos EUA na ponta leste da ilha de Cuba.

Este jipe ​​tem 117 km de comprimento2 (Dos quais, apenas 49 km2 de terre) foi cedido por Cuba aos Estados Unidos em 1903, para agradecer a seu poderoso vizinho por sua ajuda na guerra contra os espanhóis.

READ  Organização Trump | CFO se declara inocente de evasão fiscal

Os primeiros vinte detidos chegaram lá em 11 de janeiro de 2002, poucas semanas depois dos ataques de 11 de setembro de 2001.

Desde aquela época, esta prisão tem, em todo o mundo, exemplificado os excessos do contraterrorismo dos Estados Unidos. As fotos de prisioneiros com roupas laranja, atrás de cercas de arame farpado, eram horríveis, pois a alimentação forçada era imposta aos que se recusavam a comer.

No auge de seu ativismo, nas brasas da “guerra ao terror” de George W. Bush, 780 pessoas foram presas em Guantánamo por supostas ligações com a Al Qaeda e o Talibã.

Desde então, centenas de detidos foram libertados ou transferidos para seu país ou para terceiros países.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *