O meio ambiente no centro da visita de Macron ao Brasil

O meio ambiente no centro da visita de Macron ao Brasil

Rio de Janeiro (Brasil), correspondência privada.

Passeio de barco, visita a um local de produção de cacau no coração da floresta e encontro com lideranças de comunidades indígenas locais: aqui está o programa da visita de Emmanuel Macron a Belém, porta de entrada da Amazônia brasileira e futura sede da COP 30 em 2025, onde decidiu inaugurar sua visita oficial de três dias ao Brasil. Essa escolha, longe de ser trivial, anuncia o tema que estará no centro das discussões com seu homólogo brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva: a proteção ambiental.

Desde o retorno de Lula à presidência do Brasil em janeiro de 2023, o país se consolidou como um ator-chave na questão climática no cenário internacional. “ O presidente Lula busca sair do isolamento que viveu sob o governo extremista de Jair Bolsonaro », analisa Sabrina Fernandes, diretora do Instituto Alameda, especializado em investigação em ecologia.

Uma transição ecológica justa

Um dos objetivos do presidente é “garantir uma transição ecológica justa para os países do Sul » , continua o pesquisador. Como pilar dos BRICS e presidente do G20, o Presidente Lula mobiliza-se prioritariamente para democratizar a arquitetura financeira global, atualmente dominada pelos países ricos.

Não podemos aceitar o neocolonialismo verde“, alertou Lula durante a cúpula do BRICS em 24 de agosto de 2023 em Joanesburgo, apelando aos países das grandes potências que encontrem mecanismos para compensar financeiramente os países em desenvolvimento”. de forma justa e equitativa » pelos seus esforços para proteger as florestas tropicais.

Segundo o Eliseu, o presidente Emmanuel Macron apoia a abordagem do seu homólogo brasileiro. Ele defende ” este desejo de compromisso dos principais países emergentes [pour le climat ] » bem como um “ esforço de solidariedade internacional muito maior para com os países mais pobres », garantiu documento enviado à imprensa um dia antes da chegada do presidente ao Brasil.

READ  “Provavelmente perderemos todos os nossos rendimentos e teremos que fechar os nossos escritórios”… Elon Musk e X sob pressão no Brasil por obstrução à justiça

Atrito entre Paris e Brasília

A imprensa brasileira, porém, parece cética. Segundo matéria publicada em 23 de março no diário Folha de São Paulo, a França já “frustrou as autoridades brasileiras » ao se recusar a doar para o Fundo Amazônia, que visa financiar a preservação da floresta tropical no Brasil.

Este fracasso acrescenta assim novos atritos entre Paris e Brasília. Em agosto de 2023, o presidente francês já tinha decepcionado o seu homólogo, ao perder uma cimeira sobre a Amazónia organizada por Lula em Belém, apesar da insistência do ex-metalúrgico. Todos os países amazônicos (Brasil, Bolívia, Peru, Equador, Colômbia, Venezuela, Guiana, Suriname e França) foram convidados.

Em setembro, Lula também foi “ insultado » pelas novas exigências ambientais que a União Europeia introduziu na última versão do acordo comercial entre o bloco e o Mercosul. O texto, que previa sanções caso não fosse respeitado, “nos trataram como seres inferiores, como se ainda fôssemos colônias » , Lula foi então castigado.

Brasil, uma futura potência verde?

A viagem de Emmanuel Macron permitirá aos dois chefes de Estado encontrar pontos de entendimento? Segundo o Eliseu, a França, que é o quarto investidor estrangeiro no Brasil, busca sobretudo participar do “ ecologização da economia ” Brasileiro. Um Fórum Econômico em torno deste tema será organizado no dia 27 de março em São Paulo, a capital econômica e financeira. Espera-se a participação de 140 empresários franceses.

Este último estaria particularmente interessado na multiplicação de investimentos no setor brasileiro de energias renováveis, que “ tem um enorme potencial », Segundo Maria Netto, presidente do Instituto Clima e Sociedade, que apoia projetos dedicados ao combate às alterações climáticas. Em 2023, o Brasil, que tem uma das matrizes energéticas mais livres de carbono do mundo, “ duplicou a sua produção de energias renováveis », lembra Maria Netto.

READ  Copa América: Brasil derrota Colômbia aos 100 minutos - rts.ch

E o presidente Lula pretende ir ainda mais longe. Na Cop 28, em Dubai, ele prometeu triplicar a produção de energia renovável até 2030, por meio do desenvolvimento de energia solar e eólica na região Nordeste. Seu objetivo é aproveitar o excedente energético do país para produzir hidrogênio verde. “Vamos exportar para todo o mundo » alegrou o presidente em 11 de agosto de 2023, prometendo que o Brasil se tornaria “em breve uma energia verde“.


Não foi possível confirmar seu cadastro.


Sua inscrição está confirmada.

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *