O telescópio da NASA detecta planetas “flutuantes” misteriosos

Compartilhe Kepler-452b, também conhecido como

A missão Kepler avistou milhares de exoplanetas desde 2014, com 30 planetas com menos do dobro do tamanho da Terra agora conhecido por orbitar dentro das zonas habitáveis ​​de suas estrelas.

Lançado do Cabo Canaveral em 7 de março de 2009, o telescópio Kepler ajudou na busca por planetas extrasolares.

Sua última foto foi tirada em 25 de setembro de 2018 e ela ficou sem combustível cinco dias depois.

Quando lançado, pesava 2.320 lb (1.052 kg) e tinha 15,4 pés de comprimento e 8,9 pés (4,7 m x 2,7 m) de largura.

O satélite normalmente procura por planetas “semelhantes à Terra”, o que significa que são rochosos e orbitam dentro dessa órbita dentro da zona habitável ou região “goldilocks” da estrela.

No total, o Kepler encontrou cerca de 5.000 exoplanetas “candidatos” não confirmados, bem como 2.500 exoplanetas “confirmados” que os cientistas já mostraram ser reais.

Kepler está atualmente em uma missão “K2” para descobrir mais exoplanetas.

K2 é a segunda missão da espaçonave e foi necessariamente realizada por desejo, já que duas rodas de reação da espaçonave falharam.

Essas rodas controlam a direção e a altura da espaçonave e ajudam a orientá-la na direção certa.

A missão modificada examina exoplanetas ao redor de estrelas anãs vermelhas.

Embora o planeta tenha encontrado milhares de exoplanetas durante sua missão de oito anos, cinco em particular foram descontinuados.

Kepler-452b, apelidado de “Terra 2.0”, compartilha muitas características com nosso planeta, apesar de estar localizado a 1.400 anos-luz de distância. Encontrado pelo telescópio Kepler da NASA em 2014

1) “Earth 2.0”

Em 2014, o telescópio fez uma de suas maiores descobertas ao descobrir um exoplaneta Kepler-452b, apelidado de “Terra 2.0”.

READ  Nave espacial chinesa envia tiros de Marte pela primeira vez | Notícias de ciência e tecnologia

O objeto compartilha muitas características com nosso planeta, apesar de estar localizado a 1.400 anos-luz de distância.

Ele tem uma órbita semelhante à da Terra, recebe aproximadamente a mesma quantidade de luz solar e tem a mesma duração do ano.

Os especialistas ainda não têm certeza se o planeta hospeda vida, mas dizem que, se as plantas fossem transferidas para lá, provavelmente sobreviveriam.

2) O primeiro planeta orbitando duas estrelas foi encontrado

Kepler descobriu um planeta orbitando duas estrelas, conhecido como sistema estelar binário, em 2011.

O sistema conhecido como Kepler-16b está a cerca de 200 anos-luz da Terra.

Os especialistas compararam o sistema ao famoso “pôr-do-sol duplo” representado na Tatooine de Luke Skywalker em Star Wars: A New Hope.

3) Encontrar o primeiro planeta habitável fora do sistema solar

Os cientistas descobriram o Kepler-22b em 2011, o primeiro planeta habitável descoberto por astrônomos fora do sistema solar.

A Terra superhabitável parece ser um grande planeta rochoso com uma temperatura de superfície de cerca de 72 ° F (22 ° C), semelhante a um dia de primavera na Terra.

4) Descubra a “Super-Terra”

O telescópio encontrou seu primeiro superplaneta terrestre em abril de 2017, um enorme planeta chamado LHS 1140b.

Ele orbita uma estrela anã vermelha a cerca de 40 milhões de anos-luz de distância, e os cientistas acreditam que contém oceanos gigantes de magma.

5) Encontrando o sistema estelar “Trapist-1”

O sistema estelar Trappist-1, que hospeda sete planetas semelhantes à Terra, foi uma das maiores descobertas de 2017.

Ambos os planetas, orbitando uma estrela anã a apenas 39 milhões de anos-luz de distância, provavelmente carregam água em sua superfície.

Três dos planetas têm condições tão boas que os cientistas dizem que a vida já pode ter evoluído neles.

READ  SpaceX lands its first Falcon 9 rocket in 2021 as if it were nothing

O Kepler descobriu o sistema em 2016, mas os cientistas revelaram a descoberta em uma série de trabalhos de pesquisa divulgados em fevereiro deste ano.

O Kepler é um telescópio que contém um instrumento extremamente sensível conhecido como fotômetro, que detecta as menores mudanças na luz emitida pelas estrelas

O Kepler é um telescópio que contém um instrumento extremamente sensível conhecido como fotômetro, que detecta as menores mudanças na luz emitida pelas estrelas

Como o Kepler descobre planetas?

O telescópio possui um instrumento extremamente sensível conhecido como fotômetro, que detecta as menores mudanças na luz emitida pelas estrelas.

Ele rastreia 100.000 estrelas de uma vez, procurando por quedas reveladoras na intensidade da luz que indicam um planeta orbitando entre o satélite e seu alvo distante.

Quando um planeta passa na frente de uma estrela vista da Terra, o evento é chamado de “trânsito”.

Ligeiras quedas no brilho da estrela durante os trânsitos podem ajudar os cientistas a determinar a órbita e o tamanho do planeta, bem como o tamanho da estrela.

Com base nesses cálculos, os cientistas podem determinar se o planeta está na “zona habitável” da estrela e, portanto, se ele poderia hospedar as condições para o crescimento de vida alienígena.

O Kepler foi a primeira espaçonave a pesquisar planetas em nossa galáxia e, ao longo dos anos, suas observações confirmaram a existência de mais de 2.600 exoplanetas - muitos dos quais poderiam ser os principais alvos na busca por vida alienígena.

O Kepler foi a primeira espaçonave a pesquisar planetas em nossa galáxia e, ao longo dos anos, suas observações confirmaram a existência de mais de 2.600 exoplanetas – muitos dos quais poderiam ser os principais alvos na busca por vida alienígena.

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *