Pegasus | Spyware israelense causa indignação

Uma investigação da imprensa conduzida por 17 meios de comunicação em 10 países com suporte técnico da Anistia Internacional no domingo revelou o uso do spyware israelense Pegasus contra ativistas, jornalistas e líderes políticos em todo o mundo. A notícia atingiu organizações de direitos humanos, a mídia, a União Europeia e governos como uma bomba na segunda-feira. Programa Pegasus em seis questões.


Alice Gerard Boss

Alice Gerard Boss
Jornalismo

O que a investigação revelou?

No total, mais de 50.000 pessoas foram identificadas como alvos potenciais do spyware. “Achamos que esta é apenas a ponta do iceberg”, disse Karen Gentilet, membro representante da Amnisty International Canada do Amnistie Tech Collective e professora da Universidade de Quebec em Outaouais e que atua como presidente. Pesquisa sobre inteligência artificial e justiça social. Ativistas, jornalistas e líderes políticos têm sido alvos em todo o mundo.

É muito preocupante em termos de democracia e controle do poder. Isso pode ter consequências graves para jornalistas e defensores dos direitos humanos ”, disse Meu gentlet.

Depois que a investigação foi publicada, o grupo israelense NSO, que projetou o software Pegasus, “negou vigorosamente as falsas acusações feitas”. “Cheias de suposições falsas e teorias sem base, as fontes forneceram informações que não têm base factual”, escreveu ele em seu site, explicando que está considerando entrar com uma queixa por difamação.

Marrocos e Hungria negaram categoricamente na segunda-feira o uso do software Pegasus. Por sua vez, a Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, indicou que esta questão deve ser “verificada”, especificando que, se se provar verdadeira, seria “totalmente inaceitável”.

Nos próximos dias, as mídias que contribuíram com a investigação jornalística, como VigiaE a o mundo E a Washington Post, publicará uma série de artigos detalhando como selecionar as vítimas como alvos potenciais deste spyware.

READ  70% da população vacinada: cerveja grátis para todos em 4 de julho

qual é o programa?

O spyware, projetado pela empresa israelense NSO, permite acesso total ao conteúdo dos telefones das vítimas, incluindo mensagens de texto, e-mails, atividade na Internet, microfone, câmera, chamadas telefônicas e muito mais. “Já sabemos há muito tempo que esse grupo vende malware, mas aqui as evidências são inequívocas”, diz M.eu gentlet.

O grupo israelense vende o aplicativo para diversos países, afirma o professor. Este software pode ter sido usado pela Arábia Saudita, Azerbaijão, Bahrain, Emirados Árabes Unidos, Hungria, Índia, Cazaquistão, Marrocos, México, Ruanda e Togo.

Quem são as vítimas?

A investigação identificou pelo menos 180 jornalistas de 20 países que foram identificados como alvos potenciais para spyware nos últimos cinco anos.

“Existem 25 jornalistas mexicanos, 40 jornalistas do Azerbaijão, 40 jornalistas indianos, dois jornalistas da CNN, O jornal New York Times e editor-chefe tempos financeiros que poderia ter sido grampeado “, refere-se a Meu gentlet. A família do jornalista Jamal Khashoggi, assassinado no Consulado Saudita em Istambul em 2018, também foi alvo de denúncias.

Como o programa é instalado em smartphones?

A primeira forma de infectar telefones é por meio de um link malicioso enviado por mensagem de texto ou e-mail.

Recentemente, as infecções também podem ser realizadas através dos chamados ataques de “clique zero”, que não requerem nenhuma interação do dono do telefone.

O programa usa vulnerabilidades no código de alguns aplicativos, como O WhatsApp ou Itunes, que permite que o telefone seja infectado sem que a pessoa faça nada, diz Meu gentlet. O que é muito preocupante é que o software infectou o iPhone 11 e 12, que são as tecnologias mais recentes. ”

Por que o programa é um problema?

“É um programa realmente invisível e muito difícil de detectar. Foram necessárias análises técnicas bastante cuidadosas para distingui-lo”, explica M.eu gentlet. Quando o software penetra no telefone por meio de aplicativos, ele apaga os rastros da infecção.

READ  Haiti: uma operação anti-gangue resultou na morte de quatro policiais

O programa permite que os usuários saibam exatamente o que e onde suas vítimas estão fazendo. “Devido à variedade de dados que o telefone coleta, é bastante intrusivo”, diz ela.

Os efeitos dessa espionagem são enormes. “Algumas pessoas foram presas, ameaçadas e mortas e pessoas testemunharam a violação dos seus direitos básicos”, explica o especialista.

O que fazer agora ?

Segundo Karine Gentelet, as tecnologias devem ser mais bem monitoradas. “Deveria haver uma moratória para o desenvolvimento e comercialização desse tipo de tecnologia de vigilância. Tudo relacionado à tecnologia precisa de processos transparentes. Estamos prontos para limitar e regulamentar a vigilância eletrônica em massa.”

com AFP

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *