Presidente do Paquistão dissolve Assembleia Nacional

Presidente do Paquistão dissolve Assembleia Nacional

O primeiro-ministro paquistanês Imran Khan venceu no domingo a dissolução do parlamento e convocou eleições antecipadas dentro de três meses, depois de evitar por pouco uma moção de desconfiança na oposição para derrubá-lo.

Essa mudança dramática ocorre quando Imran Khan perdeu sua maioria parlamentar há alguns dias, o que é necessário para contornar a moção de censura da oposição, que o acusa de má gestão econômica e violação da política externa.

Mas no domingo, na abertura da sessão durante a qual esta proposta deveria ser estudada, o vice-presidente da Assembleia Nacional, Qasim Suri, um crente em Khan, criou a surpresa ao anunciar que se recusou a apresentá-la Câmara dos Deputados. Vote, julgando-o “inconstitucionalmente”.

Os deputados da oposição receberam esta notícia com raiva e espanto, e muitos deles se recusaram a deixar o salão.

“Esta data será lembrada como um dia negro na história constitucional do Paquistão”, disse Shahbaz Sharif, líder da Liga Muçulmana do Paquistão (PML-N), o favorito para substituir Imran Khan se a moção de censura for bem-sucedida.

Imran Khan, em um discurso na televisão estatal minutos depois de recuperar seu assento, denunciou a “interferência estrangeira” que, segundo ele, levou a tentativas de derrubá-lo do poder e anunciou que estava pedindo ao presidente do Paquistão que dissolvesse a Assembleia Nacional.

O pedido foi aprovado pelo presidente Arif Alvi, que exerce funções honorárias, em uma etapa, resultando em eleições legislativas antecipadas em 90 dias.

“Vamos apelar ao público, realizar eleições e deixar a nação decidir”, disse Imran Khan.

O ex-partido Glória Nacional no críquete, o Paquistão Tehreek-e Insaf (PTI, Movimento de Justiça do Paquistão), perdeu sua maioria parlamentar na semana passada quando um partido aliado anunciou que seus sete parlamentares votariam com a oposição. Mais de dez deputados do PTI também mudaram de posição.

READ  Biden é melhor do que Trump na imigração?

Imran Khan pediu no sábado que seus apoiadores se manifestassem pacificamente do lado de fora do Parlamento e deu a entender que ainda tinha uma carta para jogar. “Tenho um plano para amanhã, não se preocupe. Vou mostrá-los e derrotá-los na frente dos devotos”, prometeu.

No início desta semana, ele acusou os Estados Unidos de interferir nos assuntos paquistaneses. De acordo com a mídia local, ele recebeu um relatório do embaixador paquistanês em Washington que gravou um alto funcionário dos EUA dizendo a ele que as relações entre os dois países seriam melhores se o primeiro-ministro deixasse o cargo. Washington negou.

Imran Khan acusou novamente, no domingo, os Estados Unidos de querer “mudança de regime” no Paquistão por causa de sua recusa em tomar partido das posições dos EUA em relação à Rússia e à China. “Esta traição estava se desenrolando diante dos olhos de todo o país. Os traidores estavam sentados lá planejando sua trama”, disse ele, referindo-se à oposição.

Acusado por seus críticos de má gestão econômica – inflação em alta, rúpia fraca e dívidas esmagadoras – e de falta de jeito na política externa, Imran Khan, 69, está, pelo menos por enquanto, enfrentando sua crise política mais séria desde sua eleição em 2018.

Os dois principais partidos da oposição, o Partido Popular do Paquistão (PPP) e a Liga Muçulmana do Paquistão, dominaram a política nacional por décadas, com períodos de poder pontuados por golpes militares, até que Imran Khan formou uma coalizão prometendo aos eleitores em particular aniquilar décadas. de corrupção.

Alguns analistas acreditam que Imran Khan perdeu apoio crucial para os militares, a chave para o poder político do Paquistão. Mas parece improvável que sua impressionante recuperação no domingo pudesse ter ocorrido sem o conhecimento dos militares, ou mesmo a bênção, do assunto.

READ  Australia changes the word in the national anthem to honor the indigenous people

“A melhor opção nesta situação é realizar novas eleições para permitir que o novo governo lide com problemas econômicos, políticos e externos”, disse Talat Masoud, ex-general que se tornou analista político.

Desde a independência em 1947, o Paquistão experimentou pelo menos quatro golpes militares bem-sucedidos e tentativas de golpe semelhantes, e o país passou mais de três décadas sob regime militar.

Nenhum primeiro-ministro paquistanês completou seu mandato.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *