Vaticano protesta contra condenação de cardeal na França

Vaticano protesta contra condenação de cardeal na França

No sábado, o Vaticano descreveu a condenação de um tribunal francês afiliado à Ordem Dominicana do Espírito Santo e do cardeal canadense Marc Ouellet por expulsar uma freira “sem justa causa” como uma “grave violação” da liberdade religiosa.

A decisão do tribunal civil de Lorient (Bretanha, oeste do país), da qual a Santa Sé diz ter tido conhecimento apenas “através da imprensa”, “teria levado a uma grave violação dos direitos fundamentais à liberdade de religião e à liberdade de expressão.” “Liberdade de associação para os fiéis católicos”, podemos ler num comunicado de imprensa emitido pela Sala de Imprensa do Vaticano.

No dia 3 de abril, o Tribunal de Lorient condenou esta comunidade religiosa a pagar ao seu ex-residente o montante de 182.400 euros por danos materiais e 10.000 euros por danos morais, em solidariedade ao Cardeal canadiano e aos investigadores dos “Visitantes Apostólicos” (Apostolic Visitors). . O Vaticano enviou Jean-Charles Nolte e Myles DeGobert para conduzir investigações no local.

A Santa Sé explica a gravidade das suas acusações pelo facto de o tribunal ter decidido “sobre a questão da disciplina interna e da pertença a uma ordem religiosa”, alegando também que “o Cardeal Marc Ouellet nunca recebeu intimação para comparecer do Tribunal de Lorient”.

Ele confirma ainda, no seu comunicado de imprensa, que uma nota verbal sobre este assunto foi enviada pela Secretaria de Estado (o órgão central do Governo do Vaticano, nota do editor) à Embaixada Francesa junto da Santa Sé.

No entanto, o Vaticano reconhece que o cardeal “realmente fez uma visita apostólica à Comunidade Dominicana do Espírito Santo sob mandato papal” e que “no final desta visita, foram instauradas ações legais contra a Sra. de la Valette (ex-Irmã Marie Ferrol), incluindo a sua demissão.

READ  Pandora's Papers: O Canadá 'legitimou' a evasão fiscal

Irmã Marie Ferrol, 57 anos, foi excomungada em outubro de 2020 da sua comunidade em Berny, perto de Lorient. “Exclusão” sem motivo, imposta no meio da noite, após 34 anos de convivência em sua comunidade. Desde então, ela vive apenas de RSA (renda mínima).

Durante o julgamento, a Presidente da Primeira Câmara Cível, Armelle Picard, ficou surpresa por não ter conseguido ver o processo de acusação no Vaticano. Bertrand Olivier, advogado dos Visitantes Apostólicos, respondeu que “não há direito de acesso ao processo em questões jurídicas”.

A freira vive sem incidentes desde 1987 nesta comunidade próxima aos movimentos católicos tradicionais. Mas, segundo seu advogado, as coisas pioraram desde 2011, quando Irmã Marie Ferrol denunciou as “violações e fatos graves”.

Segundo o tribunal, a associação não apresentou quaisquer provas que comprovassem que o cancelamento estava de acordo com o seu estatuto.

O cardeal Marc Ouellet, que na época era chefe do departamento (órgão administrativo que auxilia o papa) dos bispos no Vaticano, renunciou a esses cargos importantes em janeiro, oficialmente “devido ao limite de idade”, quando foi acusado de crimes sexuais. Assalto em Quebec.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *