Xi disse a Blinken que a China e os Estados Unidos deveriam ser “parceiros, não concorrentes”.

Xi disse a Blinken que a China e os Estados Unidos deveriam ser “parceiros, não concorrentes”.

O presidente chinês, Xi Jinping, disse na sexta-feira ao secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, que os dois países deveriam “ser parceiros, não concorrentes”, embora “muitas questões” ainda precisem ser resolvidas.

• Leia também: A controladora da TikTok não tem intenção de vender o aplicativo, apesar do ultimato dos EUA

• Leia também: Blinken na China: É por isso que as relações entre Pequim e Washington permanecem tensas

Desde quarta-feira, Antony Blinken faz a sua segunda visita à China em menos de um ano. Durante suas reuniões oficiais, ele discutiu diversos assuntos polêmicos entre os dois países, como Rússia, Taiwan e comércio.

Ao dar as boas-vindas ao chefe da diplomacia norte-americana no Salão do Povo em Pequim, Xi Jinping declarou que os dois países “fizeram progressos” desde a sua reunião com o seu homólogo Joe Biden, em novembro, segundo a emissora pública CCTV.

“Os dois países devem ser parceiros e não concorrentes”, disse Xi, mesmo que “muitos problemas ainda precisem de ser resolvidos e mais esforços ainda possam ser feitos”.

“Esperamos que os Estados Unidos também possam ter uma visão positiva do desenvolvimento da China”, acrescentou o presidente chinês. “Quando este problema fundamental for resolvido… as relações podem estabilizar, melhorar e avançar”, acrescentou.

Hoje cedo, o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, alertou Anthony Blinken que as múltiplas pressões dos EUA sobre a China poderiam levar a uma “deterioração” nas relações entre os dois países.

O chefe da diplomacia chinesa destacou que a questão de Taiwan, a ilha com uma população de 23 milhões de pessoas que Pequim reivindica e que Washington apoia militarmente, foi “a primeira linha vermelha que não deve ser ultrapassada” nas relações sino-americanas.

READ  Canadá retira funcionários 'não essenciais' de sua embaixada na Ucrânia
Problema do Tik Tok

Por sua vez, Antony Blinken descreveu as suas discussões, que duraram mais de cinco horas e meia, com Wang Yi no Complexo Diplomático Diaoyutai, rodeado de jardins, como “profundas e construtivas”.

O Ministro das Relações Exteriores deverá se reunir com jornalistas na noite de sexta-feira na Embaixada dos EUA em Pequim.

A China critica os Estados Unidos pelas suas múltiplas pressões sobre o Mar da China Meridional, Taiwan, o comércio ou as suas relações com a Rússia, que se fortaleceram desde a invasão da Ucrânia em fevereiro de 2022.

Pequim também se opõe às restrições dos EUA às exportações de tecnologias avançadas para a China, incluindo semicondutores.

Outro tema de discórdia mais recente: a rede de mídia social TikTok está ameaçada de proibição nos Estados Unidos se não cortar relações com sua controladora chinesa, a ByteDance.

Washington diz suspeitar que o aplicativo esteja sendo usado para espionar americanos, coletar informações pessoais e também servir propaganda chinesa. A TikTok nega categoricamente essas acusações.

Apesar destas tensões, as relações entre as duas potências “começaram a estabilizar” desde a cimeira Xi-Biden em Novembro, disse Wang Yi, alertando que “elementos negativos” persistiriam.

“Os legítimos direitos de desenvolvimento da China foram injustificadamente suprimidos e os nossos interesses fundamentais estão a ser desafiados”, disse Wang, referindo-se às restrições dos EUA no sector tecnológico.

“erros aritméticos”

Ele perguntou: “Devem a China e os Estados Unidos continuar a avançar na direção certa em direção à estabilidade ou retornar à direção da deterioração?” Finja que está se perguntando.

Por sua vez, Antony Blinken expressou a Wang Yi as suas preocupações sobre o alegado apoio da China à “base industrial de defesa russa”, disse o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Matthew Miller.

READ  Ucrânia: Projéteis explodem perto do ministro do Interior ucraniano na frente

Se as empresas chinesas não fornecerem armas directamente à Rússia, Washington acusa-as de fornecer equipamentos e tecnologias de dupla utilização a este país, facilitando os esforços de rearmamento.

O secretário de Estado dos EUA disse que os Estados Unidos e a China deveriam ser “tão claros quanto possível nas áreas em que discordamos, nem que seja para evitar mal-entendidos e erros de cálculo”.

A viagem de Anthony Blinken à China é um sinal de um relativo declínio no atrito entre Pequim e Washington, que se agravou sob o governo do ex-presidente dos EUA, Donald Trump.

Este último promete mais uma vez assumir uma posição dura contra a China se vencer as eleições presidenciais de Novembro.

Ao mesmo tempo que procura alcançar uma maior estabilidade entre as duas maiores economias do mundo, Joe Biden procura manter a pressão sobre o gigante asiático.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *